A desapropriação, faltando a observação do decreto-lei 3365/41, ainda é legal e certa, pois o direito à expropriação decorre da soberania, do poder de império, onde o poder público deve impor a vontade coletiva sobre a individual

O dia 15 de novembro de todos os anos é lembrado como do apoderamento sobre as terras do Brasil, resultado da destituição do imperador. A república tomou para si o domínio de todo o território, invalidando os títulos reais anteriores. Este talvez seja o maior significado fático da proclamação da república para os cidadãos comuns.

    Dos institutos envolvendo as terras, há a expropriação indireta, onde o particular é autor de ação em face do Estado, buscando indenização para lote que lhe foi tomado, sem o devido e prévio pagamento. Embora todas as terras tenham tido origem comum com a instituição da república, entre os republicanos consolidou-se - por medida de clara justiça - o direito à indenização para casos de expropriação estatal.

    Assim sendo, sobre as áreas concedidas após a proclamação, a União ainda detém a prerrogativa de expropriar quaisquer terrenos que lhe for de interesse, baseado nas Constituições Federais passadas e na presente; e caso não tenha havido procedimento administrativo ou prévia indenização, cabe aplicação do art. 35 do decreto-lei 3365 de 1941:

Art. 35.  Os bens expropriados, uma vez incorporados à Fazenda Pública, não podem ser objeto de reivindicação, ainda que fundada em nulidade do processo de desapropriação. Qualquer ação, julgada procedente, resolver-se-á em perdas e danos.

Brasil. Decreto-lei 3365/41

    Não há muito que se falar em legalidade ou ilegalidade, quando não houve observação do decreto-lei 3365/41, pois o direito à expropriação decorre da soberania, do poder de império, onde o poder público deve impor sua vontade, em vistas do interesse coletivo.

Por fim, quem deve propor ação é o particular contra o Estado, visando indenização, devendo provar a posse pelo Estado e comprovar titularidade anterior e precisa das terras (inclusive na condição de posseiro), e somente a este será devido a indenização.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0