Bom, a decisão proferida para a suspensão do cumprimento antecipado da pena foi restringida (de forma correta) aos casos que seguem sobre a égide do rito do Júri, o qual será analisado posteriormente pela Corte.

Há de se mencionar o pronunciamento da Suprema Corte Brasileira aos 08/11/2019 em que, frente as ADC’s 43, 44 e 54 no qual firmou-se o entendimento simples e literário da própria constituição no que tange ao Art. 5º inciso LVII da Constituição Federal que descreve “ninguém será considerado culpado até o transito em julgado de sentença penal condenatória. ”.

Superada essa questão relembramos que o Código de Processo Penal por mais que para alguns seja extenso, não abarca alguns ritos específicos, como o de tráfico de drogas, ou o de descumprimento de medida protetiva disposto na Lei Maria da Penha, todavia há previsão de um rito especial para muitos que é o do Tribunal do Júri o qual tem por autor de suas decisões um conselho de sentença, e o que se pretende demostrar aqui é que a decisão do Supremo Tribunal Federal moldou-se a muitos ritos de crimes específicos e os gerais, todavia surge a dúvida no tocante ao Tribunal do Júri tendo em vista que seria uma espécie de 1ª instância(me permitam esta expressão) mas há sobretudo a previsão constitucional da soberania dos veredictos o que tornaria para muitos a ter uma obrigatoriedade de cumprimento automático da pena por ser uma decisão digamos que quase irrecorrível com exceção de questões pontuais.

Bom, a decisão proferida para a suspenção do cumprimento antecipado da pena foi restringida (de forma correta) aos casos que seguem sobre a égide do rito do Júri, tendo em vista a delicadeza do assunto a ser debatido, o Supremo Tribunal Federal decidiu analisar um recurso extraordinário que dará ensejo a repercussão geral, se a soberania dos veredictos teria força para ensejar o cumprimento automático da pena.

Por derradeiro, é cediço que o assunto divide aos que de longe assistem, uns tornam-se partidário de que a decisão proferida pelo Supremo deveria sim alcançar aos que seguem o rito do Júri e outros já não compartilham do mesmo pensamento por terem a decisão do Júri como recorrível, bom, até lá nos resta aguardar o pronunciamento do Guardião da Constituição.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso