O Município não pode legislar sobre preço de estacionamento, porque essa matéria é da competência da União.

 

O Art. 245 e seus §§ 1º e 2º da Lei 8.616 de 14 de julho de 2003 (que contém o Código de Posturas do Município de Belo Horizonte), exige a cobrança fracionada nos estacionamentos de Belo Horizonte.

 

Art. 245 - O estabelecimento comercial que presta serviço por tempo decorrido terá de tomar como fração, para fins de cobrança, o tempo de 15 (quinze) minutos.

 

§ 1º - O valor cobrado na primeira fração, ou seja, nos primeiros 15 (quinze) minutos, tem de ser o mesmo nas frações subsequentes e, necessariamente, representar parcela aritmética proporcional ao custo da hora integral.

 

§ 2º - Deverá ser afixada placa, próximo à entrada do estabelecimento, com os valores devidos por permanência de 15 (quinze), 30 (trinta), 45 (quarenta e cinco) e 60 (sessenta) minutos.

 

Acontece que a competência para legislar sobre preços de estacionamentos é exclusivamente da União, sem falarmos que o município com essa norma fere, flagrantemente, o exercício do livre comércio.

É cediço que a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte não tem competência para legislar sobre o assunto e, por consequência, fiscalizar os estacionamentos, pois a ação de legislar sobre essa matéria de Direito Civil, e esse é o caso, cabe exclusivamente à União, de conformidade com o inciso I do Artigo 22 da Constituição Federal.

Tal matéria se encontra pacificada na jurisprudência firmada sobre esse tema, por parte do Supremo Tribunal Federal ao julgar a Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 4.008/DF, aforada em face de lei semelhante do Distrito Federal, que examinou a questão relativa à inconstitucionalidade formal, reconhecendo que a regulação de preço de estacionamento é matéria de direito civil, inserindo-se na competência privativa da União para legislar.

Eis a EMENTA do referido Acórdão aqui transcrita:

 

Direito constitucional. Ação direta de inconstitucionalidade. Lei distrital que regulou preço cobrado por estacionamento. Inconstitucionalidade formal e material. 1. O Supremo Tribunal Federal firmou entendimento no sentido de que a regulação de preço de estacionamento é matéria de direito civil, inserindo-se na competência privativa da União para legislar (CF/88, art. 22, I). Inconstitucionalidade formal. Precedentes: ADI 4.862, rel. Min. Gilmar Mendes; AgR-RE 730.856, rel. Min Marco Aurélio; ADI 1.623, rel. Min. Joaquim Barbosa. 2. Ressalva de entendimento pessoal do relator, no sentido de que a regulação de preço na hipótese configura violação ao princípio da livre iniciativa (CF/88, art. 170). Inconstitucionalidade material. 3. Ação julgada procedente para declarar a inconstitucionalidade da norma.

(STF, ADI 4008, Relator(a): Min. ROBERTO BARROSO, Tribunal Pleno, julgado em 08/11/2017, ACÓRDÃO ELETRÔNICO DJe-291 DIVULG 15-12-2017 PUBLIC 18-12-2017).

 

Logo, o citado art. 245, “caput” e §§ 1º e 2º da mencionada Lei Municipal nº 8.616 é flagrantemente inconstitucional, porque decorreu de invasão de competência privativa da União para legislar sobre o presente tema.

Por conseguinte, inexiste relação jurídica entre o estacionamento e a Prefeitura, no que concerne a autuações com base no mencionado artigo e seus parágrafos, sendo, inexigíveis os autos de infração eventualmente lavrados em desfavor da empresa, com fundamento na referida legislação


 

 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso