A pretexto de aumentar o mercado de trabalho, o chamado Contrato Verde e Amarelo só precariza ainda mais a legislação trabalhista e a estrutura de apoio e de formação laboral brasileira, sendo mais uma ilusão para angariar votos dos menos esclarecidos!!!!

Se tomarmos por base a Medida Provisória 905/19, que é direcionada basicamente para o primeiro emprego de jovens entre 18 e 29 anos, o chamado Contrato Verde e Amarelo acaba por envolver o pagamento médio de 1 salário e meio do mínimo nacional,acrescido  do décimo terceiro salário mais as férias proporcionais, não podendo superar 24 meses, acabando por impedir outras contratações da empresa por 180 dias, a partir da data da dispensa do mesmo empregado, vigindo a partir de primeiro de janeiro de 2020, com exceção para contratações repositórias do quadro laboral no perído inicial de outubro de 2019 até o final deste ano, ocorrendo o fenômeno   da         conhecida INDETERMINAÇÃO CONTRATUAL quando a permanência do empregado na firma superar os vinte e quatro meses estipulados legalmente.

A falta de compromisso social desse tipo de contrato trabalhista aprovado a toque de caixa, pode ser iniciada com a isenção da contribuição patronal de 20% dirigida ao INSS, que prejudica a arrecadação do mesmo, que acaba por custear os benefícios devidos aos empregados registrados e assalariados, quando os da ativa custeiam os que estão fora da atividade subordinada ou autônoma remunerada, calculada sobre o total da remuneração bruta paga, atingindo também o salário educação.

Por outro lado, passa a não haver a manutenção através da contribuição sindical ao denominado SISTEMA S( Sesc, Sesi e Senai ), respeitado pelos execelentes cursos de formação profissional, em parcerias ou não com empresas de naturezas diversas, comprometendo seus custeio e a materialidade de sua existência em recursos humanos e físicos aplicados.

Com toda uma trajetória de benefícios aos trabalhadores brasileiros durantes décadas, o FGTS, pago normalmente pelos empresários, é reduzido de 8% para a alíquota inferior de 2%, o que reduz também um melhor amparo aos empregados que iniciam suas trajetórias profissionais, significativamente prejudicados com a multa indenizatória redefinida em 20% do total dos direitos, metade do que era concebido antes, até nas situações de dispensa por Justa Causa, nas falhas durante as jornadas laborais, que acabaram também a ser reduzidas na conjuntura de flexibilizações paralelas, que,definitivamente, não geraram mais empregos e não criarão outros, ao contrário, diminuirão e já estão subtraindo vagas.

Os limites de Contratação, que não podem superar 20% do quadro de empregados, sendo de apenas 10 empregados para a aceitação de somente 2 jovens, em NOVOS POSTOS DE TRABALHO por unicamente 24 meses, geralmente não prorrogados e indeterminados, para serem substituídos por esse tipo de mão de obra barata e sem compromisso de enquadramento empresarial mais consistente, iludindo os esperançosos, muitas vezes mais capacitados para isso, favorecendo uma rotatividade que jamais favorecerá a evolução humana e técnica de um cidadão que deseja participar ativamente do mercado de trabalho, preparando-se até arduamente para isso!!!                             /



Informações sobre o texto

Diminuindo encargos de empresários, reduzindo a arrecadação de programas para apoio técnico e social de trabalhadores, diminuindo os recursos e as chances de empregos mais duradouros, é instrumento jurídico do estabelecimento de maiores condições de disponibilidade dos operários mais e menos qualificados no Brasil!

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0