Repetitivo vai definir a legalidade do ICMS sobre TUST e TUSD. O prognóstico é favorável aos contribuintes.

Com o objetivo criar um cenário competitivo de geração e comercialização de energia elétrica no país, houve a criação de dois sistemas distintos de contratação do fornecimento de energia, em conformidade com as diretrizes do Governo Federal.

São eles: i) o Ambiente de Contração Livre (ACL), que visa o atendimento das eletrointensivas – consumidores livres – firmados por meio de Contratos de Compra de Energia no Ambiente Livre, livremente negociados e remunerados por “Preço”; e ii) o Ambiente de Contratação Regulada (ACR), firmados por contratação de fornecimento de energia elétrica com a Distribuidora local, sendo remunerados por “Tarifa de Energia”, cujo valor é definido anualmente pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) para cada Distribuidora.

Em ambos os casos, incidem encargos legais do setor elétrico brasileiro, a depender do tipo de conexão utilizada. Se o consumidor estiver ligado a uma concessionária de transmissão (Chesf, Furnas, Eletronorte, etc.), e consequentemente, diretamente à rede de transmissão, deverá arcar com a “Tarifa de Uso dos Sistemas de Transmissão” (TUST), que em linhas gerais, corresponde ao custo pago às empresas transmissoras para receber e transmitir em sua rede de transmissão a energia produzida nas usinas.

Por outro lado, se o consumidor estiver ligado a uma concessionária de distribuição de energia elétrica (Coelba, Eletropaulo, Light, etc.), deverá arcar com a Parcela de Energia (TE), referente à “tarifa de energia”, além dos custos correspondestes à transmissão da energia e à manutenção do sistema de distribuição, custeados mediante “Tarifa de Uso dos Sistemas de Distribuição” (TUSD).

Ocorre que os Estados vêm exigindo a cobrança do ICMS sobre os valores recebidos a título de TUST e TUSD, com amparo nos Convênios ICMS nºs 117/04 e 135/05. Atendendo às legislações estaduais, as Concessionárias de transmissão e distribuição de energia tem passado a destacar o ICMS sobre os valores a título de TUST e TUSD, repassando aos contratantes o respectivo ônus econômico.

Decerto, o ICMS é um imposto de competência dos Estados e do Distrito Federal que incide sobre a circulação de mercadorias e serviços, conforme previsão do art. 155, II, da Carta Federal de 1988. Sua base de cálculo, em suma, é constituída pelo valor da operação quando da circulação da mercadoria ou pelo preço do respectivo serviço prestado.

Entretanto, face a supremacia da Constituição e a superioridade da Lei Complementar 87/96, a TUST assim como a TUSD não são hipóteses de acréscimos à base de cálculo do ICMS.

A TUST e a TUSD não são pagas pelo consumo de energia elétrica, tampouco pelo “transporte” da energia, mas pela disponibilização das redes de transmissão e distribuição de energia. Portanto, a incidência do ICMS deve se restringir ao consumo efetivo de energia, não abrangendo as tarifas TUST e TUSD.

E nem é possível se cogitar a possibilidade de se estar “transportando energia elétrica”, pois, como dito, não existe transporte (de energia) na operação – a energia é distribuída pela propagação do campo elétrico criado nas geradoras.

Seguindo esta intelecção, o Superior Tribunal de Justiça já firmou precedentes, utilizando-se, inclusive, da incidência da Súmula 166[1] do próprio STJ, que é a circulação da energia elétrica da fornecedora para o consumidor que constitui fato gerador de ICMS. Dessa forma, as tarifas de transmissão e distribuição não podem integrar a base de cálculo do mencionado tributo.

Como os Tribunais pátrios ainda não possuem uma jurisprudência consolidada e definitiva sobre o tema e a matéria tem sido objeto de divergência entre as turmas responsáveis pelo julgamento de questões tributárias no STJ, a questão foi levada à primeira seção do STJ – composta por ministros das Primeira e Segunda Turmas – para que seja pacificada e uniformizada a jurisprudência a respeito da questão.

Recentemente o Ministério Público Federal – MPF apresentou o Parecer nº 19.548/2018 – FG favorável aos contribuintes nos autos dos Embargos de Divergência no RESp 1.163.020, a ser julgado no STJ pela sistemática de recursos repetitivos. O parecer foi sentido de que o ICMS  não compõem a base de cálculo da Taxa de Uso do Sistema de Transmissão de Energia Elétrica – TUST e a Taxa de Uso do Sistema de Distribuição de Energia Elétrica – TUSD. Segundo o Parecer:

 “(...) merece prevalecer o entendimento, estribado em sedimentada jurisprudência do Egrégio Superior Tribunal de Justiça, no sentido de que não compõem a base de cálculo do ICMS a Taxa de Uso do Sistema de Transmissão de Energia Elétrica – TUST e a Taxa de Uso do Sistema de Distribuição de Energia Elétrica – TUSD, tendo em vista que o fato gerador ocorre tão somente no momento em que a energia sai do estabelecimento fornecedor e é efetivamente consumida; dessarte, a tarifa cobrada na fase anterior do sistema de distribuição não compõe o valor da operação de saída da mercadoria entregue ao consumidor”.

 Logo, o prognóstico, a princípio, parece bastante favorável aos contribuintes no que se refere ao deslinde final dessa questão.

A definição final acerca do tema está no julgamento dos supracitados Embargos de Divergência, e dos Recursos Especiais nºs 1.692.023 e 1.699.851, afetados como repetitivo, sob o tema 986 - STJ.

Apesar de todos os casos estarem suspensos, por ordem do ministro Herman Benjamin do STJ, relator do Recurso Repetitivo, nada impede que os contribuintes ingressem com novas ações postulando a restituição de valores indevidamente recolhidos, nos últimos 05 anos.

 


[1] Não constitui fato gerador do ICMS o simples deslocamento de mercadoria de um para outro estabelecimento do mesmo contribuinte.


Autor

  • Afonso Jorge Ferreira Lima

    Advogado tributarista. É especialista em Direito Tributário pelo IBET - Instituto Brasileiro de Estudos Tributários. Pós graduado em Direito Processual pela Pontifícia Universidade Católica - PUC/MG. É membro da Comissão de Direito Tributário da Associação Brasileira de Advogados - ABA em Salvador/BA.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso