Símbolo do Jus.com.br Jus.com.br

Coronavírus e seus reflexos em contratos civis e consumeristas

Infelizmente o assunto mais falado nos últimos meses é sobre a pandemia do coronavírus. Por conta disso, procurei em breves linhas fazer um cotejo sobre as consequências que referida pandemia podem ocasionar em contratos civis e consumeristas.

CORONAVÍRUS E SEUS REFLEXOS DIANTE DE CONTRATOS CIVIS E CONSUMERISTAS

Há algumas semanas o assunto mais comentado, certamente, é a pandemia do novo coronavírus. Infelizmente passamos por um momento delicado e, o mais preocupante, é a falta de certeza de até quando isso irá perdurar.

Diante deste cenário, surgem inúmeras preocupações. Obviamente, o bem da vida, isto é, a nossa saúde, fica em primeiro plano. Entretanto, outras tantas incertezas são geradas e não devem ser ignoradas.

Desde relações entre empregador e empregado, como, por exemplo, a polêmica Medida Provisória n° 927 que, em seu texto inicial, previa a suspensão dos contratos de trabalho por até 04 meses sem salário, até relações contratuais são diretamente afetadas.

Assim, neste texto, buscarei em poucas linhas e sem exaurir o tema, traçar um breve esboço de quais são as consequências práticas que o novo coronavírus pode causar nas relações contratuais civis e consumeristas. Vejamos.

Primeiro, qual seria a diferença entre contrato civil e consumerista? Basicamente é que no contrato civil a legislação aplicada será o Código Civil e no contrato consumerista, o Código de defesa do Consumidor.

Ok, resposta bem óbvia. Mas quando irei identificar se é um contrato civil ou contrato de consumo? Se contrato civil, existe duas ou mais partes em posições iguais. Se de consumo, de um lado há o consumidor (aquele que adquire ou utiliza o produto ou serviço como destinatário final) e de outro o fornecedor, que comercializa, produz, cria, distribui e etc., produtos ou serviços.

Em um ou outro caso, a pandemia do novo coronavírus interfere de alguma forma? A depender da situação, sim! E qual seria esta interferência? 

Vejamos, primeiro, em se tratando de contrato civil. 

Existem 03 (três) institutos previstos no Código Civil que, diante de cenários inesperados (como da covid 19), permitem o interessado se socorrer ao judiciário, a fim de ser resguardado de alguma forma. Estes institutos são denominados: (i) teoria da imprevisão; (ii) onerosidade excessiva; (iii) caso fortuito ou força maior. Vejamos cada um deles.

Quanto a teoria da imprevisão, que está prevista no art. 317 do CC/02, tem como requisitos: evento superveniente, imprevisível e desproporcionalidade no valor da prestação, no momento da execução do contrato, requisitos este que, se presentes, autorizam a revisão contratual.

Vejamos um exemplo: contrato de prestação de serviço, firmado em novembro de 2019, a ser prestado por A em favor de B, pelo período de 15 meses, não sujeito a lei trabalhista. Diante do cenário do coronavírus em determinado município, determinou-se, no início de 2020, pela paralização de todos os serviços não essenciais, pelo prazo de 05 meses, onde o serviço prestado por A se encaixa como serviço não essencial, sendo paralisado, portanto.

Nesta situação, por se tratar de evento superveniente a formação do contrato, imprevisível, pois, quando firmado o contrato, não havia qualquer possibilidade de pandemia e, ainda, como o tomador de serviços irá pagar, sem, a princípio, ter qualquer retribuição durante estes cinco meses, poderia, nesta situação, pedir uma revisão contratual, a fim de adequar os valores a realidade vivenciada pelas partes.

Agora, imaginemos que neste mesmo exemplo, o decreto baixado pelo município suspenda referidas atividades por tempo indeterminado. Poderia o tomador de serviços pedir a rescisão contratual? Se ele comprovar todos aqueles requisitos da teoria da imprevisão acima citados, bem como que o pagamento efetuado por ele está extremamente oneroso e está causando uma vantagem extrema a parte contrária, no caso o prestador de serviços, tendo em vista que está recebendo sem trabalhar, poderia sim, em aplicação a teoria da onerosidade excessiva, prevista no art. 478 do CC/02.

Por último, temos o caso fortuito/força maior, previstos no art. 393 do CC/02. Segundo a doutrina majoritária, caso fortuito/força maior são eventos supervenientes, imprevisíveis e inevitáveis, não imputada a qualquer das partes. Num primeiro momento, parece bem similar a teoria da imprevisão ou a onerosidade excessiva, porém, são institutos diferentes, com consequências diferentes.

Em se tratando de caso fortuito/força maior, a princípio, a parte não responderá pelos seus prejuízos, salvo se expressamente por eles tiver se responsabilizado. Isto é, se houver caso fortuito/força maior e a parte, por conta disso, não cumpriu o contrato, não deverá ser penalizada, que seja através de juros, multa e etc., salvo se houver previsão no contrato que, mesmo diante de caso fortuito/força maior, ela irá responder. 

Um caso que podemos usar como exemplo foi a greve dos caminhoneiros, no ano de 2018. Muitos deixaram de cumprir o contrato por conta deste fato. Assim, se não houvesse previsão em contrário no contrato, não poderia a parte ser responsabilizada por este descumprimento.

A mesma premissa pode ser aplicada ao caso da pandemia do coronavírus. Se uma das partes deixar de cumprir determinado contrato e comprovar que referido descumprimento se deu por conta do coronavírus, acredito que não poderá ser responsabilizada. 

Por exemplo: deveria a parte entregar determina mercadoria em um estado vizinho, mas, por conta da pandemia, as fronteiras interestaduais foram fechadas. Neste caso, não poderia a parte contrária pleitear a aplicação de multa pelo descumprimento contratual, salvo se, como dito, houver previsão em sentido contrário no contrato, o que é plenamente lícito, principalmente após a vigência da Lei n° 13.874, conhecida como MP da Liberdade Econômica, que inseriu o art. 421-A, inc. II no CC/02, ratificando, mais ainda, a licitude de referidas conveções.

Percebam que os três institutos possuem características e consequências distintas, devendo ser analisado caso a caso.

Por fim, em se tratando de relações consumeristas, há uma previsão normativa que também autoriza a revisão/modificação de cláusulas contratuais, onde a doutrina majoritária a denomina de teoria da base objetiva, cuja qual está prevista no art. 6°, inc. V do CDC.

Trazendo referido conceito ao caso da pandemia do coronavírus, pergunto: seria possível o consumidor, a pretexto da pademia do coronavírus, modificar seu contrato, postergando o pagamento, por exemplo? De igual forma, a depender do caso, acredito que sim, frente a aplicação da teoria da base objetiva.

Para tanto, deve o consumidor comprovar que o coronavírus, fato superveniente a formação do contrato, tornou o contrato excessivamente oneroso a ele. A diferença entre a teoria da base objetiva e a onerosidade excessiva do Código Civil é que naquele, não é necessário a comprovação de evento imprevisível, basta comprovar a superveniência e a onerosidade excessiva.

Importante ressaltar que o caso fortuito/força maior também se aplica nas relações de consumo. 

Assim se o consumidor comprovar que não cumpriu o contrato por conta do coronavírus e que referido fato é caso fortuito/força maior, também não sofrerá as consequências da inadimplência. 

E a recíproca também se aplica ao fornecedor. Se o fornecedor não cumprir o contrato em decorrência deste mesmo fato (pandemia do coronavírus) e comprovar que é caso fortuito/força maior, também não sofrerá as consequências do inadimplemento. 

Um exemplo deste último caso são as inúmeras passagens áreas que estão sendo canceladas por este motivo. A companhia aérea não poderá ser penalizada, porém, deve fornecer ao consumidor a opção de reembolso ou remarcação do voo.

De todo modo, deve analisar o caso concreto e tentar sempre resolver de forma amigável, torcendo para que referida crise passe o mais rápido possível.

Sobre o autor
Leonardo Scopel Macchione de Paula

Advogado, pós-graduado em Processo Civil e Direito Tributário

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos