Quanto mais o ser humano desrespeita os direitos existenciais inerentes à sua condição existencial, cada vez mais o Estado se vê às voltas com a necessidade de criar normas para corrigir os erros de comportamento.

Certa vez o grande sábio chinês Lao Tsé, no livro Tao Te Ching disse:

“A moralidade e o direito nasceram / Quando o homem deixou de viver / Pela alma do Universo. / Com a tirania do intelecto / Começou a grande insinceridade; / Quando se perdeu a noção da alma, / Foi decretada a autoridade paterna / E a obediência dos filhos. / Quando morreu a consciência do povo, / Falou-se em autoridade do governo / E lealdade dos cidadãos.”

Quanto mais a essência for perdida, mais o homem irá se perder. Claro que, para podermos nos achar, devemos nos perder. O grande problema é que a humanidade há muito não mais tem conseguido retornar ao caminho que perdeu. O caminho da verdadeira evolução espiritual. Somos mais do que um invólucro de carne, que perece e está sujeito ao desgaste do tempo. Somos alma e essência do Universo.

Em grande medida o direito surgiu como forma de dominação. Regras foram criadas para subjugar, para controlar, para que o poder pudesse estender suas raízes a longas distâncias. Como já advertiram os romanos, nem tudo o que é honesto é justo - summum jus, summa injuria – “o máximo direito, o máximo da injustiça”.

Pode ser que um determinado comportamento esteja inserido em determinada norma legal, mas isso não significa que referida norma seja justa. O Estado tirano de 1964, quando do golpe militar, não era justo, mas era legal, posto que estava previsto em lei a dominação do cenário político pelos militares. Além disso, não os esqueçamos do regime nazista.

Muitos condenados pelo Tribunal de Nuremberg alegaram, em suas defesas, o estrito cumprimento do dever legal, ou seja, cumpriram ordens decorrentes da legislação vigente à época.

Justamente por isso o positivismo jurídico teve que sofrer abrandamentos decorrentes do direito natural que, hodiernamente, é exposto em nosso ordenamento jurídico por meio dos princípios gerais do direito, com previsão no arts. 4º (“Quando a lei for omissa, o juiz decidirá o caso de acordo com a analogia, os costumes e os princípios gerais de direito”) e 5º (“Na aplicação da lei, o juiz atenderá aos fins sociais a que ela se dirige e às exigências do bem comum”) da LINDB (Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro - Lei nº 13.376/2010), bem como o art. 8º do Código de Processo Civil que giza: “Ao aplicar o ordenamento jurídico, o juiz atenderá aos fins sociais e às exigências do bem comum, resguardando e promovendo a dignidade da pessoa humana e observando a proporcionalidade, a razoabilidade, a legalidade, a publicidade e a eficiência”. Há inúmeras outras previsões legais. Ficaremos com essas apenas à guisa de exemplo.

A questão é que as normas existem para regulamentar aquilo que se desviou de sua essência primordial e, para evitar o caos e a desordem, regras foram necessárias. Regras essas que preveem consequências para o caso de descumprimento, pois, caso contrário, seriam normas inócuas. Sem consequências as normais não teriam natureza legal, mas, apenas moral. Seriam de observância facultativa e não obrigatória, o que não garantiria o controle social que se almeja.

Quando o homem voltar a viver a essência do universo, certamente, poderá deixar de lado o direito e viver a justiça em sua plenitude. Regras devem ser uma bússola para pautar a conduta em sociedade, mas jamais devem ser utilizadas como instrumento de dominação, de controle.

Jamais o legal poderá se sobrepor ao justo, pois o justo deflui da essência humana, aquilo que os jusfilósofos chamavam de ¬_direito natural_, um direito que não está contigo em códigos, normas ou decretos, mas que está esculpido dentro do coração e da alma de todo ser humano. Toda pessoa sabe o que deve fazer, sabe discernir o certo do errado quando ouve a voz de seu coração, quando permite que sua consciência a guie. Isso, como dizem os japoneses, é o verdadeiro _entendimento com o grande coração_. Quando entendemos com o grande coração percebemos a essência do respeito a tudo o que existe e, diante dessa ampliação da consciência, as normas perdem sentido, porque a própria conduta do indivíduo é sua norma-guia.

As leis podem ser modificadas, revogadas, alteradas, emendadas, distorcidas, mas a lei da alma, a verdadeira lei, aquela que emana da verdadeira essência humana, essa permanecerá a mesma eternamente, assim como vem permanecendo durante séculos. Esta jamais poderá ser revogada ou alterada, distorcida ou ludibriada, mesmo que o homem queira.

O homem ainda não aprendeu que não pode controlar tudo, não pode dominar tudo, mas somente a si mesmo.

Quando o homem tomar consciência destas verdades não precisará de leis, tribunais, prisões e celas, porque cada ser humano saberá de seus próprios limites. Conhecerá, antes de tudo, seus deveres, porque a partir deles os direitos fluem normalmente.

Se cada ser humano se contentasse com o que tem e lutasse para conquistar, com seu esforço, aquilo que almeja, não haveria roubos, furtos, assassinatos, latrocínios e todo o tipo de barbárie que se vê, todos os dias, em todas as partes do mundo.

Como alguém já disse: “o homem pode burlar os códigos terrenos, mas não pode fugir do tribunal de sua consciência”.

Rodrigo Mendes Delgado
Heloiza Beth Macedo Delgado
Advogados e escritores
*Revisado em 26.III.2020*


Autores

  • Rodrigo Mendes Delgado

    Advogado. Escritor. Palestrante. Parecerista. Pós-Graduado (título de Especialista) em Ciências Criminais pela UNAMA – Universidade do Amazonas/AM. Ex-presidente da Comissão e Ética e Disciplina da 68ª subseção da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção de São Paulo por dois triênios consecutivos. Membro relator do Vigésimo Primeiro Tribunal de Ética e Disciplina da OAB/SP pelo 3º triênio consecutivo. Autor dos livros: O valor do dano moral – como chegar até ele. 3.ed. Leme: Editora JH Mizuno, 2011; Lei de drogas comentada artigo por artigo: porte e tráfico. 3.ed. rev., atual. e ampl. Curitiba: Editora Belton, 2015; Soluções práticas de direito civil comentadas – casos concretos. Leme: Editora Cronus, 2013 (em coautoria com Heloiza Beth Macedo Delgado). Personal (Life) & Professional Coach certificado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE COACHING – SBCOACHING entidade licenciada pela BEHAVIORAL COACHING INSTITUTE e reconhecida pelo INTERNACIONAL COACHING COUNCIL (ICC). Carnegiano pela Dale Carnegie Training Brasil. Trainer Certificado pela DALE CARNEGIE UNIVERSITY, EUA, tendo se submetido às certificações Core Competence e Endorsement, 2014. (Contatos profissionais: Cel./WhatsApp +55 018 9.9103-5120; www.linkedin/in/mdadvocacia; [email protected])

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):
  • Heloiza Beth Macedo Delgado

    MBA in Coaching; Master Coach com Formação em Executive Coaching, Business Coaching, Career Coaching, Personal & Professional Coaching, Positive Coaching e Mentoring pela Sociedade Brasileira de Coaching – SBCOACHING, entidade licenciada pela Behavioral Coaching Institute e reconhecida pelo Internacional Coaching Council (ICC), além de ter formação em Business Coaching pela Brian Tracy International, Analista em Teoria Disc e Motivadores pela TTI Sucess Insight Brasil, Analista Alpha pela Woth Ethic Corporation, Analista de Forças de Caráter pelo VIA Institute on Character; Recrutamento e Seleção por Competência pela Self Treinamentos; e Instrutora/Trainer Certificada pela Dale Carnegie University, EUA, tendo se submetido às certificações Core Competence e Endorsement em 2014; Advogada, Pós-Graduada (título de Especialista) em Direito e Processo do Trabalho pela Universidade Anhanguera – UNIDERP; Escritora nas áreas do direito, administração, comportamento, treinamento e desenvolvimento de pessoas, coautora do livro: Soluções práticas de direito civil comentadas – casos concretos. Leme: Editora Cronus, 2013; Palestrante desde 2011; Mediadora, conciliadora e árbitra pela Câmara Brasileira de Mediação e Arbitragem Empresarial – CBMAE; Capacitação e aperfeiçoamento em Conciliação pela Escola Paulista da Magistratura – EPM; Capacitação em Resolução Consensual de Conflitos pela ENAM – Escola Nacional de Mediação do Ministério da Justiça em parceria com a UNB – Universidade de Brasília; possui habilidades na condução de processos de coaching e de programa de capacitação e desenvolvimento de competências. (Contatos profissionais: Cel./WhatsApp +55 018 9.9140-8039; www.linkedin/in/heloizadelgado; [email protected]

    Textos publicados pela autora


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso