Não basta o Comprador confiar no previsto na escritura e no informado pela Construtora, é de extrema importância a medição do imóvel no momento da entrega das chaves.

Quando um imóvel é anunciado a venda, é divulgado conjuntamente a devida metragem, assim, no momento da entrega das chaves do imóvel, podendo ser casa, sobrado, apartamento, etc., as dimensões deverão fazer jus ao anunciado.

Caso as medidas estejam divergentes, poderá o comprador solicitar:

a) Complemento da área;

b) Solicitar a resolução do contrato juntamente com a devolução dos valores;

c) Abatimento proporcional ao preço.

Assim, prevê a redação do artigo 500 do Código Civil: 

Art. 500. Se, na venda de um imóvel, se estipular o preço por medida de extensão, ou se determinar a respectiva área, e esta não corresponder, em qualquer dos casos, às dimensões dadas, o comprador terá o direito de exigir o complemento da área, e, não sendo isso possível, o de reclamar a resolução do contrato ou abatimento proporcional ao preço.

Constatada a divergência, com base no art. 26, inciso II, do Código do Consumidor, o Comprador tem o direito de reclamar dentro do prazo de 90 (noventa) dias a contar da entrega do bem, pois trata-se de um vício aparente.

Assim entende a Ministra Nancy Andrighi da 3º Turma do Superior Tribunal de Justiça:

'6. A entrega de bem imóvel em metragem diversa da contratada não pode ser considerada vício oculto, mas sim aparente, dada a possibilidade de ser verificada com a mera medição das dimensões do imóvel – o que, por precaução, o adquirente, inclusive, deve providenciar tão logo receba a unidade imobiliária. 7. É de 90 (noventa) dias o prazo para o consumidor reclamar por vícios aparentes ou de fácil constatação no imóvel por si adquirido, contado a partir da efetiva entrega do bem (art. 26, II e § 1º, do CDC)."

Por mais que pareça incomum, a Associação Brasileira de Mutuários da Habitação (ABMH) prevê uma diferença média de 3% a 5% entre as dimensões de imóveis ofertadas e as indicadas na hora da entrega das chaves.

Para ter certeza das medidas entregue, é indicado a vistoria do imóvel no momento da entrega das chaves e na presença de um engenheiro, pois este constatará os possíveis vícios aparentes referente a metragem total.

Para resolução do caso, é necessário demonstrar a Construtora e expor a divergência, caso o problema não se resolva dentro do prazo estipulado entre as partes, é de direito do comprador procurar o judiciário para resolução do litígio.

Além das possibilidades expostas no art. 500 do Código Civil , sendo (a) Complemento da área; (b) Solicitar a resolução do contrato juntamente com a devolução dos valores; e (c) Abatimento proporcional ao preço, é devido a indenização por dano moral sob o fundamento de que a Construtora prestou informações falsas que induziram o consumidor ao erro, simplificando, ofereceu um produto e entregou outro.

Nesse sentido, recente decisão foi proferida pela Tribunal de Justiça do Distrito Federal:

É devido o abatimento proporcional ao valor pago e a indenização por dano moral, quando a construtora presta informações falsas que induzem o consumidor a erro.  Construtora recorreu da sentença que a condenou a pagar o valor referente ao abatimento proporcional do preço pago pelo imóvel entregue com metragem inferior à anunciada bem como a indenização a título de danos morais. O Relator explicou que, nas vendas ad mensuram, ou seja, quando o preço do imóvel é estipulado por medida de extensão, se não houver correspondência entre a área efetivamente encontrada e as dimensões informadas, o adquirente pode, nos termos do art. 500, § 1º, do Código Civil, postular o complemento da área, a resolução do negócio ou o abatimento no preço, desde que a diferença encontrada seja inferior a um vinte avos. Para a Turma, a construtora agiu de má-fé, ao entregar o imóvel com metragem 6% menor do que a área expressamente prevista no contrato. Por isso, o Colegiado reconheceu a violação dos direitos do consumidor e manteve a sentença recorrida. Acórdão n. 948566, 20150111250742APC, Relator Des. SEBASTIÃO COELHO, 5ª TURMA CÍVEL, Data de Julgamento: 15/6/2016, Publicado no DJe: 23/6/2016, p. 265/272.

Por fim, importante lembrar que não basta o Comprador confiar no previsto na escritura e no informado pela Construtora, é de extrema importância a medição do imóvel no momento da entrega das chaves.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso