Começamos o ano 2020 enfrentando uma verdadeira guerra contra um inimigo invisível (COVID 19). A rápida proliferação do vírus, levou a O.M.S (Organização Mundial de Saúde) a declarar o estado de pandemia.

Começamos o ano 2020 enfrentando uma verdadeira guerra contra um inimigo invisível (COVID 19). A rápida proliferação do vírus, levou a O.M.S (Organização Mundial de Saúde) a declarar o estado de pandemia. No Brasil, podemos visualizar a olho nu que a maior parte da população está mudando seus hábitos, uso como exemplo: o aperto de mão e o abraço (forma de cumprimentar típica do brasileiro). Tudo isso para se prevenir deste mal. Na outra ponta, temos o poder público (federal, estadual, distrital e municipal), conscientizando, educando e emitindo determinações preventivas de competência de cada esfera, buscando conter a proliferação do inimigo. Infelizmente, no meio desta guerra, existem pessoas que deixam de pensar no próximo, não levando a sério as medidas preventivas. Só podemos lamentar tal conduta. Para os que ousam rasgar as determinações preventivas emitidas pelo poder público, o Código Penal Brasileiro é bastante claro ao estabelecer que tal conduta vem a colidir com a norma penal, merecendo ser punida. Para melhor visualização, transcrevemos de forma literal o texto de lei: “Art. 268 - INFRINGIR determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa: Pena - detenção, de um mês a um ano, e multa. Parágrafo único - A pena é aumentada de um terço, se o agente é funcionário da saúde pública ou exerce a profissão de médico, farmacêutico, dentista ou enfermeiro.” (grifo meu) Chamo a atenção do leitor para o verbo infringir destacado no parágrafo anterior, que em bom português significa: desobedecer a; violar, transgredir, desrespeitar. A pena aplicada para infração penal em tela é detenção de um mês a um ano e multa. Quem pode ser o autor do delito? Qualquer pessoa. E a vítima desta infração? A coletividade. É importante destacar que as medidas sanitárias preventivas aplicadas pelo poder público têm como norte impedir a introdução ou propagação de doença contagiosa. Doença contagiosa é aquela que pode ser transmitida por contato direto ou indireto com pessoas infectadas. Destaco que o presente artigo não esgota o tema, é apenas um pequeno rascunho informativo.

Dr. João Paulo Saraiva Advogado OAB/RN 13.388

Sócio do Escritório Saraiva & Soares Advogados Associados


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso