Fundamentação básica para questionar cláusula abusiva e aplicação do artigo 6, inciso VII, do CDC, para inversão do ônus da prova.

             Fundamentação Jurídica           

             Nas cláusulas, quando abusivas, é patente a aplicação, das disposições contidas no Código de Defesa do Consumidor. Com especial destaque, para os artigos, , I,  V, VI, VII e VIII, 14, 20, II, e §2º, 2551, caput e IV, §1º, I e II, 54, §4º, 81, caput, primeira parte, 83 e 84, todos do código consumerista. Por estes dispositivos fortifica o princípio do equilíbrio da base contratual (art. 6º, V); a necessidade de efetiva prevenção e reparação de danos morais e materiais do consumidor, com livre acesso inclusive ao Poder Judiciário (art. 6º, VI, VII), facilitando inclusive a defesa em juízo por diversos meios, a inversão do ônus da prova (art. 6º, VIII) quando verossímil os argumentos; responsabilidade objetiva do fornecedor de serviços (art. 14); a nulidade de cláusulas contratuais que colocam o consumidor em desvantagem exagerada, como a limitação do valor do reembolso de despesas, e a que restringe direitos e obrigações fundamentais inerentes a natureza do contrato (art. 51, caput e IV, §1º, I e II).

             Da inversão do ônus da prova

            O artigo 6º   inciso VIII da Lei 8.078/90 (CDC), dispõe que, sendo verossímil os argumentos do consumidor, este poderá ser classificado como hipossuficiente no que tange a comprovação de sua pretensão, constituindo um direito a facilitação da defesa.

          Muitas das vezes, os fornecedores de produtos e serviços são empresas com maior suporte técnico e tático que lhes possibilita todos os meios e formas de defesa, com pessoal e material especializado, ao passo que o consumidor é pessoa sem maior recurso, limitada em sua defesa.

            Além disso, a inversão do ônus prova permite que a disparidade existente entre consumidores e fornecedores seja equilibrada, impondo a quem tem mais capacidade o dever na produção de provas.

            Advogado Magnus Rossi


Autor

  • Magnus Rossi

    Com mais de 20 anos de experiência no direito, o advogado Magnus Rossi adotou um conceito moderno, ético e participativo, na busca de medidas rápidas e dinâmica, na resolução dos conflitos. https://magnusrossi.com.br/

    Áreas de Atuação:

    1) Direito do consumidor - (serviços públicos, água, luz, telefone, internet, bancos, cartões de crédito, garantias, indenizações, entre outro); 2) Direito do passageiro - (extravio de bagagem, perda de conexão, overbooking, atraso e cancelamento de voo); 3) Ação e liminar por negativa abusiva de planos de saúde (tratamento, terapias, internação, home care, cirurgia, bariátrica, plástica reparadora, prótese, órtese, lente, stent, entre outros); 4) Direitos dos autistas - (ações e liminares na defesa dos portadores de autismo "tea", síndrome de down, tdw, atraso neuropsicomotor, paralisia cerebral, microcefalia e demais outras neurodiversos); 5) Direito de família - (divórcio consensual e litigioso, partilha, união estável, alimentos, pedido de exoneração, guarda, entre outros) Localização

    Escritórios em Duque de Caxias - RJ e Salvador - BA. Estados atendidos por nossos parceiros: Rio de Janeiro, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Alagoas).

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Amparo legal para questionar cláusulas abusivas

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0