Informações importantes antes de pensar e minutar o divórcio ou na dissolução da união estável extrajudicial.

Embora um assunto delicado ao casal, quando o amor acaba, a convivência já não é mais agradável, e a reconciliação do casal não se apresenta razoável, é importante e sugerido que as partes procurem uma composição amigável, rápida, econômica, tranquila e eficiente.

 Essas questões podem ser resolvidas via cartório.

 O divórcio do casamento ou dissolução da união estável extrajudicial têm seu trâmite no Tabelionato de Notas, e esse pode ser feito em qualquer cartório de notas. Não é necessário ir a Vara de Família ou Vara Cível.

 O procedimento é mais rápido, prático e menos burocrático que o judicial, haja vista a morosidade do Poder Judiciário, tanto pela quantidade de processos a serem julgados, quanto pela demora em analisar todos os documentos, entre outras dificuldades.

 Além disso, o custo em relação ao judicial é baixo e a taxa do cartório é tabelada de acordo com os bens. Esses valores são tabelados por estado, ou por cidade a depender da legislação.

 Por exemplo, no Distrito Federal, no ano 2020, o valor a ser pago ao Ofício de Notas quando não há bens a partilhar, ou quando há bens até R$ 1.793,97, a taxa é de R$125,70.

 Registra-se ainda que o pagamento de taxas, emolumentos e impostos será efetuado após o procedimento.

 Desde 2007, pela Lei 11.441, e reafirmado pelo artigo 733 do Código de Processo Civil de 2015, passou a ser possível o procedimento extrajudicial tanto do divórcio, quanto da dissolução da união estável.

 Nessas modalidades, os acordos firmados entre as partes, além do retorno do nome de solteiro (a), quando for o caso, a transferência de bens e acordo de pensão alimentícia, caso houver, independem de homologação do juiz, e são lavradas por meio de Escritura Pública.

 Essa escritura é um título hábil, dentre outras possibilidades, para registro civil, imobiliário, levantamento de valores, e pode ser utilizada, por exemplo, junto ao DETRAN, Junta Comercial, instituições financeiras, mudança de titular em companhias de água, luz e telefônica.

 As partes têm total liberdade em escolher o Cartório de Notas, independente do domicílio do casal ou local dos bens, contudo precisa da participação de advogado. Ressalta-se que, mesmo com ação de divórcio em andamento é possível a desistência para resolver no Tabelionato de Notas.

 É imprescindível observar os seguintes requisitos para dar a entrada no divórcio ou na dissolução da união estável, ou seja, é indispensável verificar o que se segue para realização do procedimento:

a. Não ter filho menor de idade ou incapaz de qualquer idade, ou estar gestante:

 Cabe ressalva, uma vez que, se resolvido questão sobre guarda, alimentos aos menores e convivência familiar via judicial, é possível após a ação fazer o procedimento extrajudicial do divórcio ou dissolução no Tabelionato de Notas.

b. Consenso sobre a extinção do vínculo e todas as cláusulas:

 Como por exemplo, pedido de pensão alimentícia, partilha de bens e alteração do nome.

c. A presença e assistência de advogado, o qual pode representar o casal ou cada qual com seu advogado;

 Por fim algumas observações importantes:

a. se o casal convive em união estável já reconhecida com escritura pública e pensam em casar-se, deve-se, para melhor direito, fazer a dissolução da união estável, para enfim fazer o processo de habilitação do casamento.

 Infelizmente nossa legislação, por mais que atual Constituição Federal deixa claro em seu artigo 226§ 3º, que deve ocorrer a facilitação da conversão da união estável em casamento, a legislação ainda não trouxe benefício para isso.

b. outro caso de destaque é a possibilidade do divórcio extrajudicial quando já houver separação seja judicial seja extrajudicial.

 Isso é, o casal pode converter a separação judicial ou extrajudicial em divórcio no Tabelionato de Notas, nesse caso, é necessário apenas apresentação da certidão averbada da separação no assento do casamento e preenchimento dos demais requisitos.

c. Se houver transmissão, seja por renúncia, seja por doação, e que exceda a parte da meação, será necessário o pagamento de imposto, apenas sobre a parte que excedeu.

d. No caso do casamento, depois do procedimento encerrado, o casal deve averbar o divórcio no Cartório De Registro Civil onde casaram! Todavia e para relembrar, o procedimento extrajudicial para extinção pode ser feito em qualquer Tabelionato de Notas.

e. não é necessário a presença de testemunha.

ATENÇÃO: o presente artigo traz apenas informações e não pretende ser aconselhamento jurídico. Aconselhável a busca de um advogado para seu caso.


Autor


Informações sobre o texto

Dúvidas que recebo tanto de clientes, quanto de outros profissionais.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso