Símbolo do Jus.com.br Jus.com.br

A importância da atuação do advogado no inquérito policial

25/07/2020 às 22:48

Com a intenção de auxiliar quem passou a trabalhar com advocacia criminal há pouco tempo, falarei, brevemente, sobre a atuação do advogado no inquérito policial.

Com a intenção de auxiliar quem passou a trabalhar com advocacia criminal há pouco tempo, passando um mínimo de experiência adquirida em alguns anos como advogado criminalista, somados a um bom período de atuação como assessor de juiz de direito junto ao Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (sempre na área criminal), falarei, brevemente, sobre a atuação do advogado no inquérito policial.

Embora, em regra, os advogados criminalistas passem a atuar na defesa de seus constituídos apenas após estes serem denunciados, ou seja, já no processo criminal, a atuação na fase administrativa (inquérito policial) é possível e, em não raras vezes, fundamental para que a defesa obtenha êxito.

Por outro lado, sabe-se que, na maioria das vezes, ou o acesso ao inquérito policial não é obtido com facilidade, ou o advogado ingressa no inquérito já na fase final, quando já foram ouvidas as testemunhas e produzidos a maioria dos elementos informativos entendidos como necessários pelo delegado.

Quanto ao último ponto, geralmente o advogado passa a atuar já no final do inquérito porque é quando toma ciência da existência da apuração, pois o cliente é chamado para ser ouvido.

Pois bem. Em qualquer dos casos, ainda assim, importante o advogado se “habilitar” no inquérito, juntando procuração e, de acordo com o texto do artigo 7º, XXI, da Lei n.º 8.906/94, com redação incluída pela Lei n.º 13.245/16, requerer, sob pena de nulidade absoluta do interrogatório ou depoimento e, subsequentemente, de todos os elementos investigatórios e probatório dele decorrentes ou derivados, a plena assistência a seu cliente.

Importante salientar que, mesmo estando a investigação na fase final, é plenamente possível solicitar à autoridade policial a realização de diligências e oitiva de testemunhas.

Ainda, de acordo com o artigo 7º, XXI, “a” do Estatuto da Advocacia, pode (deve) o advogado apresentar razões e quesitos.

A apresentação de razões é uma forma de se prestigiar o trabalho da autoridade policial, pois se dá valor ao procedimento administrativo e, ao mesmo tempo, pode esclarecer situações aptas a influenciar no decidir do delegado(a).

Particularmente, ao ingressar no inquérito, costumo, com a juntada da procuração, protolocar petição nos seguintes termos:

“Requer-se a juntada da procuração anexa, postulando, ainda, que seja possibilitado ao signatário assistir a seu cliente durante a apuração da infração, acompanhando todos os atos que venham a ser realizados (com as devidas notificações), juntando documentos, sugerindo diligências, bem como, ao final, antes do relatório, apresentando razões escritas.”

Na referida petição, conforme se vê, há solicitação de que o advogado seja notificado de diligências que venham a ser realizadas e que possam ser acompanhadas pelo advogado, como, por exemplo, oitiva de testemunhas. Tal pleito se deve ao fato de que, no inquérito policial, comumente, o advogado não é notificado para nenhum ato, comparecendo na oitiva do seu cliente apenas por que o este lhe procurou.

Por fim, e como razão de ser  do presente escrito, deve aquele que está começando a atuar na área criminal saber que, embora o inquérito policial não vincule a decisão do Ministério Público (dono da ação penal), o não indiciamento do cliente, na pior das hipóteses (ou seja, mesmo que o cliente seja denunciado), já enfraquece uma hipotética acusação no processo criminal.

Sobre o autor
Flávio Karam Júnior

Advogado, Pós-graduado em Ciências Penais, Pós-graduado em Direito Médico, Instrutor de Armamento e Tiro Credenciado na Polícia Federal

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos