Assunção é conhecida como a "Mãe das Cidades" porque, durante a conquista espanhola, partiram dela várias expedições com o objetivo de fundar outras cidades do cone sul-americano, entre elas Buenos Aires.

A Muito Nobre e Leal Cidade de Nossa Senhora Santa Maria da Assunção (nome oficial da cidade) é o estabelecimento permanente mais antigo na bacia do Rio da Prata fundado por Juan de Salazar y Espinosa de los Monteros, natural de dita vila na Espanha. A fundação do forte que daria vida à cidade de Assunção se levou a cabo no território dos carios, uma das tribos guaranis que ocupavam a região. Durante a época colonial foi um importante centro de descanso e reaprovisionamento, para aqueles que chegavam ao Rio da Prata desde Europa, atraídos pelo ouro e a prata do Alto Peru.

Assunção é conhecida como a "Mãe das Cidades" porque, durante a conquista espanhola, partiram dela várias expedições com o objetivo de fundar outras cidades do cone sul-americano, entre elas Buenos Aires (na segunda vez, após a falida tentativa de 1536), Corrientes, Santa Fe, Concepción del Bermejo, Santa Cruz de la Sierra, Santiago de Jerez e Cidade Real. Assunção é a capital do Paraguai, delimitada pelo rio Paraguai. É conhecida pelo seu grande Palacio de los López, a sede do governo onde se situam os gabinetes do Presidente. Nas proximidades, o Panteão Nacional dos Heróis tem um mausoléu e placas que celebram figuras históricas do Paraguai. O Museu Casa da Independência é marcado pela sua arquitetura colonial e possui artefatos que documentam a emancipação do regime espanhol.

A Catedral Metropolitana de Assunção é a sede da Arquidiocese de Assunção e localiza-se na cidade de mesmo nome, no Paraguai. O templo situa-se em frente à Plaza Independencia, no centro da capital paraguaia.

O Centro Cultural da República é uma instituição cultural da cidade de Assunção. Está sediada num edifício histórico do século XIX que foi à sede do Cabildo da cidade.

La Calle Palma é uma avenida importante do centro de Assunção com muitas lojas de eletrônicos e perfumes, vários restaurantes típicos e prédios icônicos da cidade, a rua pode ser vista em uma manhã ou uma tarde.

A Avenida Costanera de Assunção um espaço utilizado pelos paraguaios para caminhada e prática de outras atividades esportivas.

Esta imagem no pode ser adicionada

Na primeira metade do século XIX, o marechal Francisco Solano López recebeu de presente o prédio por parte de seu padrinho de batismo, Lázaro Rojas. Durante o governo presidencial de seu pai, dom Carlos Antonio López, o militar paraguaio viajou à Europa com a missão de contratar técnicos e profissionais para desenvolver obras para o progresso do país. Assim chegaram engenheiros e arquitetos, que iniciaram uma série de construções que transformaram a paisagem urbana da Assunção pós-colonial. Entre as edificações encomendadas figurava um palácio que seria residência do Marechal López. A planificação da obra ficou a cargo do engenheiro húngaro Francisco Wisner de Morgenstern e os trabalhos se iniciaram em 1857, sob a direção do arquiteto inglês Alonso Taylor.

Na base, empregaram-se rochas extraídas das pedreiras de Emboscada e Altos; as madeiras foram trazidas de bosques e oficinas de Yaguarón e Ñeembucú e os tijolos provieram das olarias públicas de Tacumbú. As peças de ferro fundido foram feitas na Fundição de Ybycuí.

Sob as ordens do arquiteto Taylor trabalharam também técnicos, escultores e artistas, que se encarregaram da construção e decoração do edifício. Seu principal assistente era o arquiteto italiano Alejandro Ravizza, e o engenheiro inglês Owen Mognihan teve a seu cargo esculpir as figuras necessárias para a ambientação palaciana. Fez artísticas estátuas em pedras vermelhas e brancas, tiradas das pedreiras de Emboscada e Altos para enfeitar os salões.

Em 25 de janeiro de 1864, chegou a Assunção o especialista italiano Andrés Antonini. Veio exclusivamente para desenhar e instalar a escada central de mármore, que dá acesso ao segundo piso. Colocou também móveis e confeccionou peças decorativas durante o transcorrer dos anos que duraram suas intervenções.

O artista francês Julio Mornet contou com a colaboração do pintor paraguaio Aurelio García na tarefa de pintar o teto com flores e figuras.

Esta imagem no pode ser adicionada

Feito no estilo neoclássico renascentista, o Palácio de López estava quase terminado em 1867. Apenas faltavam detalhes de acabamento para sua conclusão. A ornamentação incluía estatuetas de bronze e o mobiliário importado de Paris ao estilo francês em madeiras nobres, bronzes e mármores, além dos enfeites greco-romanos. Os espelhos com vidros chanfrados, os tapetes e as cortinas de veludo trazidos da França outorgavam ares europeus aos distintos ambientes do elegante edifício.

Desde sua inauguração em 1982, a obra de estilo neoclássico renascentista concentrou as atividades oficiais. O então general de brigada Francisco Solano López dispôs que seu escritório fosse acondicionado em uma das salas do andar térreo, do lado esquerdo. O teto do setor estava revestido de gesso e no centro sobressaía o escudo nacional com orlas douradas.

O início da Guerra da Tríplice Aliança fez com que o Marechal López abandonasse a capital e se instalasse no território de Ñeembucú, de onde comandava as operações de defesa. Não chegou a ocupar sua pomposa residência, que sofrei bombardeios prévios à tomada de Assunção por parte da esquadra brasileira. As tropas de ocupação a utilizaram como quartel e os corredores serviram de cavalariça, por uns sete anos.

Além dos danos sofridos pelos bombardeios, o Palácio foi objeto de saques. Todos os móveis trazidos da Europa, as estatuetas que enfeitavas os salões, os lustres, os espelhos, os tapetes e cortinas foram levados ao Brasil pelos oficiais e soldados do imperador dom Pedro II.

Ao terminar a guerra, em 1870, Assunção continuou em poder dos brasileiros, que se retiraram em 1876. Em junho do mesmo ano, o Palácio ficou livre e permaneceu em total estado de abandono, até que o Governo de Juan Gualberto González (1890-1894) se ocupou de sua recuperação, com o propósito de convertê-lo em sede do Governo nacional. A solidez da construção foi comprovada, pois nem a base, nem a estrutura acusaram mais danos do que havia ocasionado as balas dos canhões atacantes.

Esta imagem no pode ser adicionada

O Panteão Nacional dos Heróis e oratório de Virgem Nossa Senhora Santa Maria da Assunção, que está localizado entre as ruas Palma e Chile, no centro da capital do Paraguai, é uma obrigação para todos os turistas e delegações estrangeiras que chegam visita ao Paraguai e Assunção. É, ao mesmo tempo, uma joia arquitetônica de grande artístico, cultural e do património.

Em outubro de 1863, o então presidente Francisco Solano López ordenou a construção da capela da Virgem da Assunção, que foi projetado pelo arquiteto italiano Alejandro Ravizza, em colaboração com o construtor Giacomo Colombino. Mas, como resultado da Guerra da Tríplice Aliança, o edifício permaneceu inacabado e andaimes para mais de 70 anos. Só depois da Guerra do Chaco, em 1936, foi capaz de terminar e foi inaugurado em 12 de outubro do mesmo ano, para se tornar por decreto presidencial no Panteão Nacional dos Heróis.

O Panteão Nacional é o mausoléu do país, onde repousam os restos dos grandes heróis da história paraguaia, como Don Carlos Antonio López (1º presidente Constitucional), Mariscal Francisco Solano López, Mariscal José Félix Estigarribia (herói e vencedor da Guerra do Chaco contra a Bolívia) e sua esposa. Além disso, as crianças Mártires Acosta Ñu, dois soldados desconhecidos, entre outros.

Dentro do recinto do panteão criaram inúmeras placas honoríficas ilustres enviados pelos governantes estrangeiros, reis e príncipes. Parabéns e versos de agradecimento à Marinha paraguaia, Força Aérea, entre outros. Muitos se perguntam o que o significado da inscrição em latim, que está na frente do panteão, "Fides et Patria" significa: "Minha fé e meu país."

Esta imagem no pode ser adicionada

A casa que abriga o Museu da Independência foi construída em 1772 pelo espanhol Antônio Martínez Sáenz, casado com a paraguaia Petrona Caballero de Bazán.

Herdada por seus filhos Pedro Paulo e Sebastião Antônio, diversas circunstâncias a converteram em um local discreto e seguro para as reuniões secretas dos patriotas que aspiravam à independência.

Pedro Juan Caballero, o mais jovem dos integrantes da Revolução de Maio que tornou o Paraguai uma nação independente, era primo dos donos da casa, onde costumava se hospedar quando (vindo de Tobati, sua povoação natal, hoje cidade de Pedro Juan Caballero) estava na capital.

O Solar Martínez Sáenz, a antiga propriedade em condomínio dos irmãos Martínez Sáenz, continuou sendo propriedade particular até o ano de 1943, quando foi adquirido pelo Estado paraguaio; em 1961, foi declarado Monumento Histórico Nacional. O Paraguai declarou sua independência em 15 de maio de 1811 e o Museu da Independência foi inaugurado a 14 de maio de 1965, dia em que a determinação foi tomada.

A casa é feita de adobe, coberta de telhas sustentadas por armação de taquaras, não possui varanda à frente, mas tem o alpendre que caracteriza o partido que os estudiosos da arquitetura do Paraguai denominam culata jovai.

Esta imagem no pode ser adicionada

Assunção é sede de um bispado desde 1547, e já dessa época data sua primeira igreja catedral. Vários edifícios antecederam o atual, cuja construção iniciou-se em 1842, durante o governo do presidente Carlos Antonio López. No interior da catedral funciona um museu com objetos litúrgicos e arte sacra.

Desde suas origens, a igreja mencionada foi chamada La Encarnación, foi construída com madeira e barro em 1539, mas com o fogo Asunción, em 4 de fevereiro de 1543, a igreja e quase toda a cidade incendiada.

O governador da época, Alvar Núñez Cabeza de Vaca, ordenou a reconstrução da igreja, perto da ravina e mais larga que a anterior. O "Maior Igreja de Assunção", foi o primeiro construído na única cidade em toda a região de Plata, foi a sede do primeiro Catedral de Assunção, erigido em 10 de janeiro de 1548, sob a dedicação da Virgem em homenagem Virgem Assunção.

De acordo com o desejo do bispo de Casas de "torná-lo uma parte mais remota do rio", o novo edifício foi construído mais alto, no local onde hoje é a atual catedral. A mudança para a Catedral começou em 8 de fevereiro de 1687, cinco meses após a morte do Bispo Faustino de Casas. Foi inaugurado em 30 de novembro de 1689.

Com a chegada dos cônsules Carlos Antonio López e Mariano Roque Alonso ao governo do Paraguai, decidiu-se demolir novamente a antiga construção da catedral, que nem sequer tinha uma torre sineira, para substituí-la por uma mais moderna e de acordo com sua função de Catedral principal do Paraguai.

O templo foi projetado pelo arquiteto militar Pascual Urdapilleta, que também trabalhou na reforma do Centro Cultural da República. Sua construção começou em maio de 1842 e Carlos Zucchi, Patricio Aquino e Tomás Berges a ajudaram. Em 27 de outubro como como 1845 a nova catedral foi consagrada ainda inacabado. Ela foi abençoada pelo vigário geral monsenhor Pedro José Moreno, pois, devido a uma doença, ele não pôde cumprir um compromisso tão importante, o bispo diocesano monsenhor Basilio López. Desde então, a catedral continua com arquitetura neoclássica construída no século XIX.

Esta imagem no pode ser adicionada

O Centro Cultural da República possui áreas de exposições permanentes dedicadas à história do cabildo (Museo del Cabildo), arte colonial, arte indígena, arte popular (Museo del Barro), música e cinema do Paraguai. Além disso o edifício é utilizado para exposições temporárias sobre diversos temas.

Assunção foi fundada em 1537 e sabe-se que em 1578 os membros do cabildo se reuniam num edifício próprio. Essa era uma precária construção que só foi terminada definitivamente em 1609. Localizava-se na Plaza Mayor da cidade, às margens da Baía de Assunção. No cabildo também funcionava a cadeia da cidade e em frente, na praça, erguia-se o rollo (pelourinho), onde eram açoitados criminosos. Em 1773, o cabildo adquiriu o relógio dos jesuítas, que haviam sido expulsos da cidade. Este foi colocado sobre uma torre construída junto ao cabildo com esse fim.

No início do século XIX todo o conjunto já estava em estado de ruína, de maneira que foi encomendada uma nova construção. As obras começaram em 1815 com planos de frei Andrés Rodríguez, que recebeu uma paga de 5 onças de ouro, a nome do convento franciscano da cidade. Durante as obras o ditador José Gaspar Rodríguez de Francia tomou várias medidas para garantir o suprimento de material, inclusive cobrando impostos extras da população.

O novo edifício foi aberto em 1822 com a inauguração do cabildo e do arquivo municipal. Porém, em 1824 o ditador Francia suprimiu o cabildo, que continuou funcionando apenas como administrador da justiça. Em 1840, ano da morte do ditador, o edifício do cabildo funcionava como armazém e depósito. A partir de então voltou a ter amplas funções administrativas. Em 1844, após a inauguração do Congresso Nacional, que havia antes se reunido no cabildo, o edifício foi convertido em Palácio do Governo pelo presidente Carlos Antonio López. Junto com a praça em frente e a Catedral de Assunção, o cabildo foi reformado interna e externamente, ganhando uma aparência neoclássica. No frontão triangular da fachada foi colocado o brasão nacional.

Em 1894, com a transferência da sede do Poder Executivo ao Palacio de los López, o edifício do cabildo foi convertido em sede do Poder Legislativo.

No ano de 2004 o Congresso Nacional passou a uma nova sede, levando à criação do Centro Cultural de la Republica no velho edifício.

A Calle Palma desde os tempos antigos tem sido a principal artéria comercial de Assunção e um ponto de encontro em frente ao Panteão.

Essa artéria central recebeu o nome, pelo Decreto de 1º de abril de 1849, de “calle de la Palma, a que sobe para a Fábrica de Balas”. Desde a antiguidade, a rua Palma tem sido a principal artéria comercial de Assunção, com seus supermercados clássicos, seus registros (lojas), seus farmacêuticos (farmácias) e os recantos desaparecidos com grossos pilares. Já no século atual, a rua Palma era pavimentada com pedras de pavimentação de madeira, na seção entre Alberdi e 14 de maio, que os asuncenos chamavam de "petit boulevard" e era o ponto de encontro da elite da capital. Vale lembrar que na esquina de Palma e Alberdi ficava a grande Livraria Quell y Carrón; meia quadra do "Spanish Center", de agradável lembrança. Na esquina de 14 de maio, fica o suntuoso prédio do antigo hotel "Hispano Americano", hoje "Colonial", construído por Benigno López, irmão do marechal, para sua residência. Na calçada norte, a chamada confeitaria “Pólo Norte”, atual livraria “Campo Vía” da família Alfonsi; a meio quarteirão de distância da casa bem abastecida “Rius y Jorba”, um local anteriormente ocupado pelo Banco Central do Paraguai, além do Exchange Exchange, depois do Banco del Paraguay. No presente, tudo mudou, mas é sempre agradável recordar os tempos passados, com um toque de nostalgia.

A Avenida José Assunção Flores (também conhecida como Avenida Costanera ou simplesmente Costanera de Assunção) é uma avenida inaugurada em dezembro de 2012. A construção da primeira etapa da Costanera começou em junho de 2010 pelo Ministério de Obras Públicas e Comunicações (MOPC). A Avenida é bidirecional em toda a sua extensão, com duas faixas de cada lado. Mas aos domingos e feriados, o tráfego é desativado na faixa que fica de frente para a baía, para que se torne pedestre.

Atualmente, a grande Assunção tem aproximadamente 2,6 milhões de habitantes, de um total de mais de 7,75 milhões de habitantes em todo o Paraguai.

 


Autor

  • Benigno Núñez Novo

    Canal no youtube: Dr. Benigno Novo https://www.youtube.com/channel/UCLWL2beVzg-Br8lzRzddgGw

    Doutor em direito internacional pela Universidad Autónoma de Asunción, mestre em ciências da educação pela Universidad Autónoma de Asunción, especialista em educação: área de concentração: ensino pela Faculdade Piauiense e bacharel em direito pela Universidade Estadual da Paraíba.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Regras de uso