Saiba se sua empresa tem direito à restituição de valores pagos indevidamente

O Programa da Integração Social (PIS) foi criado pela Lei Complementar nº 7/1970 e buscava a integração do empregado do setor privado com o desenvolvimento da empresa. Foi unificado ao PASEP (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público) em 1975 e hoje é gerido pelo Decreto nº 4.751/2003. Desde 1988 esse fundo não advém de contas individuais e passou a ser direcionado ao Fundo De Amparo ao Trabalhador (FAT). Microempresas ou Empresas de Pequeno Porte optantes pelo Simples Nacional não precisam recolher esse tributo.

Por outro lado, a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS) é regida pela Lei nº 9.718/1998. Microempresas ou Empresas de Pequeno Porte optantes pelo Simples nacional também não são obrigadas a recolher.

A obtenção de receitas pelas pessoas jurídicas gera a obrigação de pagamento de PIS e COFINS e as duas contribuições possuem particularidades e sua incidência que variam entre base de cálculo, alíquotas e regimes diferenciados. Por exemplo, entidades sem fins lucrativos ou instituições financeiras têm base de cálculo e alíquotas diferenciadas.

Existem dois tipos de aplicação:

  1. Por meio do recolhimento cumulativo (para tributação por meio de lucro presumido): a base de cálculo é a receita operacional bruta da pessoa jurídica, sem deduções em relação a custos, despesas e encargos ; e
  2. Por meio do recolhimento não cumulativo (para tributação por meio de lucro real): nesse regime é permitido o desconto de créditos apurados com base em custos, despesas e encargos da pessoa jurídica.

Por muito tempo, foi questionada a possível inconstitucionalidade da tributação de ICMS, PIS e COFINS sobre a mesma base de cálculo por configurar bitributação. No Recurso Extraordinário nº 574.706, foi decidido que o ICMS não deveria integrar a base de cálculo dessas contribuições, uma vez que, de fato, esse valor não compõe o faturamento da pessoa jurídica porque não retorna ao seu patrimônio depois do pagamento.

Permitir a continuidade dessa cobrança indevida caracterizaria a confirmação de um abuso fiscal, afinal, um tributo (que não retornaria ao patrimônio do contribuinte) serviria de base de cálculo para outro tributo.

Por exemplo: diga-se que a soma da receita tributada é de R$ 1.000,00. Nesse caso o ICMS será de R$ 180,00 (18% para o DF) e antes o valor que servia de base de cálculo para PIS e COFINs era de R$ 1.180,00; mas agora passou a ser de R$ 1000,00, o valor que de fato serviu para caracterizar o fato gerador da obrigação.

A Receita Federal permanece exigindo o recolhimento de PIS e COFINS sem a exclusão do ICMS, mesmo quando verificado que este não fez parte do faturamento real da empresa. Portanto, para alcançar essa exclusão definitiva do ICMS da base de cálculo dessas contribuições e a possível restituição de valores, é necessário a análise técnica e ajuizamento de ação por advogado.

O ICMS observado nessa restituição poderia ser o efetivamente recolhido ou o informado nas notas fiscais. Ainda não há um entendimento pacífico a respeito da definição, mas entende-se o mais adequado o ICMS que foi usado como base de cálculo das contribuições.

A partir dessa tese acolhida pelo Supremo Tribunal Federal, é possível falar em outras hipóteses de bitributação em defesa do contribuinte, como a possibilidade do ISS também ser excluído da base de cálculo de PIS e COFINS. O Superior Tribunal de Justiça é contra, mas, diante do precedente referente ao ICMS, a possível verificação de bitributação configuraria infração legal.

Outro questionamento possível é a possibilidade de excluir o ICMS e o ISS da base de cálculo da Contribuição Social sobre Lucro Líquido (CSLL) das empresas optantes pela tributação do lucro presumido.

Diversos temas podem ser questionados a partir dessa recente decisão do STF. Para mais informações, procure um advogado.

https://www.prxadvogados.com.br/blog/pis-e-cofins/index.html


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso