Com dúvidas sobre Prescrição de Dívida? Leia Aqui! Somos um Escritório com Advogados Especialistas em Direito do Consumidor. Brasília-DF.

Sabia que você pode ter sua dívida extinta? Não?
Então, você precisa ler este artigo.

Preencha o formulário e fale com um advogado especialista.

Fale conosco

Imagine a seguinte situação:

João fez um empréstimo, através de um contrato, no Banco do Brasil no valor de R$ 10.000,00 (dez mil reais) no dia 18/03/2016. Entretanto, por motivos pessoais, João não conseguiu cumprir com sua obrigação.

O Banco, visando ter o crédito adimplindo, ajuíza uma ação de execução contra o devedor. Ocorre que, o credor não encontrou nenhum bem no nome de João.

Em virtude, disso o Juiz arquivou o processo no dia 30/01/2017, momento o qual, a casa bancária possui o prazo de 01 (um) ano para indicar bens aptos a serem penhorados. Contudo, o exequente não obteve êxito, e a partir do dia 30/01/2018, iniciou-se o prazo da prescrição intercorrente.

Assim, se durante cinco anos, o Banco não localizar nenhum bem e efetivar a penhora deste, a dívida de João será extinta.

Prescrição Intercorrente

O instituto da prescrição é regulamentado pelo Código Civil de 2002, no qual dispõe no artigo 206 o prazo no, qual o credor possui para exigir o crédito que lhe é devido. Entretanto, o Código de Processo Civil, preconiza um outro tipo de prescrição, qual seja, a prescrição intercorrente que ocorre no curso da ação.

Nas ações de execução, quando o credor não localiza bens passíveis de penhora, a execução fica suspensa durante um ano e, se decorrido esse prazo sem que sejam encontrados bens, os autos serão arquivados podendo ser desarquivados para prosseguimento, quando encontrados bens penhoráveis.

Decorrido o prazo de um ano, inicia-se o prazo da prescrição intercorrente. Nesta fase, o  credor terá um prazo, para conseguir localizar bens e efetivar a penhora para interromper a prescrição em comento.

 Ressalte-se, no que tange para a contagem do prazo da prescrição intercorrente, utiliza-se o entendimento consagrado no Enunciado Nº 150 da Súmula do Superior Tribunal Federal, o qual determina, que a execução prescreve no mesmo prazo da prescrição da ação.

Preencha nosso formulário de contato.

Cumpre dizer, que se durante o prazo da prescrição intercorrente, o credor indicar bens passíveis de constrição, isso não obsta a interrupção do instituto em estudo, haja vista, ser necessária a efetiva constrição do bem.

Isto posto, consumando o prazo da prescrição em estudo, a depender do título executivo, a dívida será extinta.

Ficou com alguma dúvida? Entre em Contato conosco e Agende uma Consultoria.


Autor

  • Galvão & Silva Advocacia

    O escritório Galvão & Silva Advocacia presta serviços jurídicos em várias áreas do Direito, tendo uma equipe devidamente especializada e apta a trabalhar desde questões mais simples, até casos complexos, que exigem o envolvimento de profissionais de diversas áreas. Nossa carteira de clientes compreende um grupo diversificado, o que nos força a ter uma equipe multidisciplinar, que atua em diversos segmentos, priorizando a ética em suas relações e a constante busca pela excelência na qualidade dos serviços.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso