Com a Lei Geral de Proteção de Dados, o titular de dados (leia-se também consumidor) recebeu novos direitos referentes a como os dados serão tratados e até transferidos, ou seja a portabilidade de dados pessoais.

Com a Lei Geral de Proteção de Dados, o titular de dados (leia-se também consumidor) recebeu novos direitos referentes a como os dados serão tratados e até transferidos. No caso o tema deste artigo: A Portabilidade de Dados

A Portabilidade de dados está elencada no artigo 18, V da LGPD que dispõe que  titular dos dados pessoais tem direito a obter do controlador, em relação aos dados do titular por ele tratados, a qualquer momento e mediante requisição a portabilidade dos dados a outro fornecedor de serviço ou produto, mediante requisição expressa, de acordo com a regulamentação da autoridade nacional, observados os segredos comercial e industrial.

Então vamos esclarecer este dispositivo, primeiramente, devemos mencionar que o titular de dados poderá solicitar a portabilidade diretamente a empresa, pessoa jurídica (controlador) que presta serviço ou comercializou produtos a este cliente, mediante pedido expresso que deseja fazer uso desse direito.

Lembrando que esse direito poderá ser exercido a qualquer tempo e devendo ser de forma facilitada seu pedido junto a empresa, seguindo o direito de livre acesso que é um dos princípios da referida lei.

Podemos ter como exemplo um aluno de uma academia. Esse aluno (titular de dados) terá direito a portabilidade de dados além de nome, documentos de identificação e endereço, os dados como ficha médica, relatório de presença, avaliação física e ficha de treino. Ou seja, todos os dados coletados, produzidos e gerados referente ao titular de dados deverá ser entregue, para que o mesmo possa dar continuidade a sua evolução física em outras academias. Será similar a portabilidade que atualmente temos das telefonias.

Contudo, o aproveitamento ou inclusão destes dados na empresa que receberá a portabilidade ainda resta prejudicada, pois os padrões na qual a empresa que entrega esses dados poderá ser diferente. Tais padrões ainda serão regulamentados pela Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD).

Sendo assim, o titular de dados poderá exercer, se assim preferir, a continuidade de dados produzidos e gerados de determinado serviço ou produto através deste “novo direito”.

Dúvidas sobre o tema, deixe nos comentários.

Acesse www.contratocerto.com.br


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso