Fichamento – Matriz Tributária: uma perspectiva para pensar o Estado, a Constituição e a tributação no Brasil)

Fichamento – Matriz Tributária: uma perspectiva para pensar o Estado, a Constituição e a tributação no Brasil)

 

(Fichamento entregue na disciplina Matriz Tributária Brasileira: equidade e eficiência do Professor Valcir Gassen na Universidade de Brasília – UNB no ano de 2018)

 

* Alexandre Pontieri

Advogado com atuação em todas as instâncias do Poder Judiciário; nos últimos anos atuando perante os Tribunais Superiores (STF, STJ, TST e TSE), e no Conselho Nacional de Justiça (CNJ); Consultor da área tributária com foco principalmente no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF); Pós-Graduado em Direito Tributário pelo CPPG – Centro de Pesquisas e Pós-Graduação da UniFMU, em São Paulo; Pós- Graduado em Direito Penal pela ESMP-SP – Escola Superior do Ministério Público do Estado de São Paulo. Aluno Especial do Mestrado em Direito da UNB – Universidade de Brasília nos anos de 2018 e 2019. [email protected]

 

 

  1. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

 

 

GASSEN, Valcir. MATRIZ TRIBUTÁRIA: uma perspectiva para pensar o Estado, a Constituição e a tributação no Brasil.

 

2.PALAVRAS-CHAVE

 

 

Concepções de sistema tributário e de matriz tributária; A cisão histórica entre Estado e propriedade; a propriedade como direito pós-tributação; a extrafiscalidade como elemento de legitimação.

 

 

3.RESUMO

 

 

Trata-se de artigo doutrinário de autoria do professor Valcir Gassen intitulado de “Matriz Tributária: uma perspectiva para pensar o Estado, a Constituição e a tributação no Brasil”.

O artigo é dividido em seis (06) tópicos, sendo eles: 1. Introdução;

  1. Concepções de sistema tributário e de matriz tributária; 3. A cisão história entre Estado e propriedade; 4. A propriedade como direito pós-tributação; 5. A extrafiscalidade como elemento de legitimação; e 6. Conclusão.

 

a)Introdução

No que diz respeito à introdução do artigo em referência, chamou- nos a atenção o destaque para o fenômeno tributário que, nas palavras do professor autor, angustia a todos, “ao ponto de constatar-se que duas coisas são certas na vida de um ser humano: morrer e pagar tributos”.

Sobre isso, ainda no campo introdutório, o autor destaca que “quando da análise do fenômeno tributário duas ordens de problemas se apresentam: a primeira é a falta de rigor dogmático da área e a segunda é o distanciamento da questão

tributária do cotidiano. Se é certo que se vai pagar tributos estranha-se a falta de pesquisas tratando do fenômeno tributário de uma forma mais abrangente e refletida”.

A fim de trazer respostas a essas questões, o artigo propõe “ofertar um acordo semântico para a expressão matriz tributária com o objetivo geral de fornecer um lugar seguro para pensar o Estado, a Constituição e a tributação no Estado contemporâneo, em especial no Brasil”.

 

b)Concepções de sistema tributário e de matriz tributária

Nesse tópico o autor trata das questões referentes ao fenômeno da tributação e algumas expressões que considera que ocupam destaque: impostos, tributos, carga tributária, reforma tributária, sistema tributário, sistema constitucional tributário, questionando o que se entende por sistema tributário, bem como o que é compreendido por tal expressão?

Destaca-se no artigo quanto à dificuldade da expressão sistema tributário, pois “por intermédio dela não se tem contemplado a discussão em relação a carga tributária, o montante e como essa é dividida entre os contribuintes (pessoas físicas e jurídicas) e sua respectiva capacidade contributiva”.

O artigo nesse tópico chega à conclusão de “que a expressão sistema tributário no plano semântico descrito acima não oferece uma resposta suficiente para pensar o fenômeno tributário em um Estado democrático de direito, elabora-se um acordo semântico em torno da expressão matriz tributária”, não como uma substituição de expressões (sistema tributário nacional e matriz tributária), mas como algo mais preciso sobre o fenômeno tributário. Veja-se:

“(...) Assim, entende-se por matriz tributária as escolhas feitas em um determinado momento histórico no campo da ação social no que diz respeito ao fenômeno tributário. Incorpora, portanto, a noção de matriz tributária não só um conjunto de normas jurídicas regulando as relações entre o ente tributante e o contribuinte; não só a escolha feita das bases da incidência (renda, patrimônio e consumo) e sua consequente participação no total da arrecadação; não só as questões dogmáticas pertinentes à obrigação tributária; não só as opções que se faz no plano político de atendimento de determinados direitos fundamentais; não só às espécies tributárias existentes em determinado sistema tributário; não só a estrutura do Estado a partir das suas condições materiais de existência, no caso, das condições de funcionamento do Estado ofertadas pela arrecadação de tributos.”

 

c)A cisão história entre Estado e propriedade

Nesse tópico do artigo aborda-se a separação histórica entre Estado e propriedade, fazendo-se uma descrição histórica sobre as relações de poder na Idade Média, e as revoluções inglesa e francesa, chegando-se à conclusão de que “o fenômeno tributário atual difere substancialmente do pagamento de tributos em outros períodos históricos e para que se possa compreender melhor a ruptura entre aquele que detém o poder (nos diversos tipos de organização estatal) e a propriedade faz-se necessário verificar que a propriedade é um direito em um contexto pós-tributação”.

 

d)A propriedade como direito pós-tributação

Nesse tópico do artigo, o autor chega à conclusão de que “o direito de propriedade não é o início da discussão da matriz tributária, mas a sua consequência”, entendendo que “o direito de propriedade do contribuinte é uma situação pós-tributação, que foi moldada pela tributação”.

Chama nossa atenção o seguinte parágrafo:

“(...) a tributação não pode ser vista apenas como interferindo no direito de propriedade privada (como direito natural, como lei da natureza), mas como uma das peças chaves que ajuda a sustentar o direito de propriedade tal qual se convencionou. Com esse enfoque se inverte a forma de se avaliar a tributação em uma determinada sociedade. Assim, antes de se avaliar a tributação, é necessário avaliar a estrutura do sistema de direitos da propriedade, pois estes só são possíveis pela existência de um sistema tributário, no caso, de uma matriz tributária que o garanta.”

 

e)A extrafiscalidade como elemento de legitimação

Tributos são classificados em fiscais e extrafiscais.

Fiscais são os tributos quanto tem como objetivo arrecadar receitas financeiras para os cofres públicos.

Extrafiscais quando interveem no domínio econômico e social (ex.: impostos de importação e/ou de exportação).

O autor aborda a questão da legitimidade política para o fenômeno tributário fazendo a seguinte questão: “Qual o teste necessário que o governo deve prestar para ser considerado legítimo? Nós não podemos dizer que não é legítimo a menos que ele seja perfeitamente justo: o que seria muito forte exigir porque não existe um governo perfeitamente justo”.

 

 

 

 

 

muito pertinente:

 

f)Conclusão

Extrai-se do texto o seguinte trecho da conclusão, que nos parece

 

 

“(...) Por matriz tributária se tem o entendimento das escolhas feitas em um determinado momento histórico no âmbito da ação social no que concerne ao fenômeno tributário. Não se trata de negar o uso da expressão sistema tributário e os acordos semânticos elaborados, mas de ofertar, por intermédio da expressão matriz tributária, aos estudiosos do direito tributário, a possibilidade de perquirir (no campo zetético) e de responder e explicitar (no campo dogmático) o fenômeno tributário de forma mais consequente.

A importância que tem o conceito de matriz tributária é, em especial, no espectro interdisciplinar da abordagem, sem como isso, desconsiderar que o conceito de sistema tributário poderia também ofertar esta perspectiva, desde que se alterasse o seu uso, tanto no campo semântico quanto pragmático.”

 

 

5.COMENTÁRIOS

Como dito no texto do autor, a tributação é algo que angustia.

Pela análise feita do artigo “Matriz Tributária: uma perspectiva para pensar o Estado, a Constituição e a tributação no Brasil” fica evidente que a expressão sistema tributário, dentro do plano semântico, não é totalmente suficiente para se explicar a tributação dentro do Estado democrático de direito, utilizando-se, assim, a expressão matriz tributária – que tem por objetivo trazer algo com maior abrangência.

Esse o objeto do estudo do artigo que se propõe à reflexão no meio

acadêmico.

 

 

6.REFERÊNCIA

 

 

GASSEN, Valcir. MATRIZ TRIBUTÁRIA: uma perspectiva para pensar o Estado, a Constituição e a tributação no Brasil.

 

* Alexandre Pontieri

Advogado com atuação em todas as instâncias do Poder Judiciário; nos últimos anos atuando perante os Tribunais Superiores (STF, STJ, TST e TSE), e no Conselho Nacional de Justiça (CNJ); Consultor da área tributária com foco principalmente no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF); Pós-Graduado em Direito Tributário pelo CPPG – Centro de Pesquisas e Pós-Graduação da UniFMU, em São Paulo; Pós- Graduado em Direito Penal pela ESMP-SP – Escola Superior do Ministério Público do Estado de São Paulo. Aluno Especial do Mestrado em Direito da UNB – Universidade de Brasília nos anos de 2018 e 2019. [email protected]


Autor

  • Alexandre Pontieri

    Advogado com atuação nos Tribunais Superiores (STF, STJ, TST e TSE), e no Conselho Nacional de Justiça (CNJ); Consultor da área tributária com foco principalmente no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF); Pós-Graduado em Direito Tributário pelo CPPG – Centro de Pesquisas e Pós-Graduação da UniFMU, em São Paulo; Pós- Graduado em Direito Penal pela ESMP-SP – Escola Superior do Ministério Público do Estado de São Paulo. Aluno Especial do Mestrado em Direito da UNB – Universidade de Brasília.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso