Aposentadoria por idade da mulher passa dos 60 anos e meio, para os 61 anos, sendo que a do homem se mantém em 65 anos. Assim, a idade mínima para o requerimento da aposentadoria por idade para as mulheres aumentou 6 meses, passando para 61 anos de idade.

O ano de 2021 mal começou, mas a fila de processos no INSS atinge a marca de 1,7 milhões de pedidos de aposentadorias, pensões e auxílios a serem analisados, dos quais 498 mil dizem respeito a cumprimento de exigências, ou seja, requerimentos que estão aguardando documentação dos segurados para que seja possível concluir a análise.

Apesar das filas no INSS não se tratarem de novidades, algumas regras relacionadas às aposentadorias sofreram alteração com a chegada do novo ano. Neste sentido, em 2021, a aposentadoria por idade da mulher passa dos 60 anos e meio, para os 61 anos, sendo que a do homem se mantém em 65 anos. Assim, a idade mínima para o requerimento da aposentadoria por idade para as mulheres aumentou 6 meses, passando para 61 anos de idade com a virada do ano, além da obrigatoriedade do cumprimento da carência de 15 anos de contribuição. 

Quanto à aposentadoria por tempo de contribuição sem incidência do fator previdenciário (regra dos pontos: soma do tempo de contribuição com a idade do segurado), a mulher passa a ter que completar 88 pontos e o homem 98 pontos para que haja direito ao benefício, com no mínimo 30 anos de tempo de contribuição para a mulher e 35 anos para o homem. 

Já a aposentadoria por tempo de contribuição com incidência do fator previdenciário, passa a ter como exigência a idade de 57 anos, no mínimo, para a mulher, e 62 anos para o homem, os quais devem possuir como tempo de contribuição, no mínimo, 30 anos e 35 anos respectivamente. Observa-se que com o acréscimo anual dos pontos e da idade mínima, haverá a extinção definitiva, num futuro, da aposentadoria por tempo de contribuição: esta foi a principal intenção da reforma da previdência aprovada em novembro de 2019. 

       Inclusive, estas mudanças ocorreram, com a chegada do novo ano, por conta das regras de transição que estão previstas na reforma da previdência (EC 103/2019), aplicáveis para segurados que já eram filiados ao INSS antes da reforma, mas não possuíam os requisitos para aposentadoria até novembro de 2019.

       Caso o segurado tenha cumprido os requisitos para a aposentadoria antes da reforma da previdência, ele não poderá ser atingido pelas regras de transição ou pelas novas disposições se forem prejudiciais à sua aposentadoria. Assim, é de suma importância, em épocas de mudanças e adaptações, como a que o Direito Previdenciário está passando, que os segurados façam a análise prévia do melhor benefício, melhor regra para o caso concreto, especialmente que esta análise seja feita por um profissional especialista na área previdenciária, para que não haja prejuízos irreversíveis à aposentadoria. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso