O BPC não dá direito ao recebimento do 13º salário, e também não gera direito à pensão por morte, diferentemente dos benefícios previdenciários.

O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é garantido pela Lei Orgânica da Assistência (LOAS) de n.º 8.742/93, a qual determina ser garantido um salário-mínimo mensal à pessoa com deficiência e a pessoa idosa com 65 (sessenta e cinco) anos ou mais que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção nem de tê-la provida por sua família.      
É um benefício pago pelo INSS de caráter assistencial, o que significa não haver a necessidade contribuição previdenciária para ter direito a ele, basta cumprir os dois requisitos estabelecidos em lei: a) idade mínima de 65 anos ou deficiência; e b) miserabilidade.
Hoje o critério objetivo usado para a aferição da renda per capta é de ¼ do salário-mínimo vigente. Esse valor é apontado como critério para constatar a “miserabilidade” do grupo familiar.
Para calcular a renda por pessoa (per capta) do grupo familiar são considerados o próprio beneficiário, o cônjuge ou companheiro, os pais (ou madrasta e padrasto), os irmãos solteiros, os filhos e enteados solteiros e os menores tutelados. É preciso que todos vivam na mesma casa. Esse benefício é pago e analisado pelo INSS por competência delegada, e, como já dito anteriormente, apesar de ser pago por um órgão de seguridade social, não é necessário que o idoso ou o deficiente tenha contribuído para o RGPS (Regime Geral de Previdência Social) para que receba o benefício.
 O BPC não dá direito ao recebimento do 13º salário, e também não gera direito à pensão por morte, diferentemente dos benefícios previdenciários. Ou seja: as aposentadorias são consideradas benefícios previdenciários ou de seguridade social e os benefícios de prestação continuada (ao idoso ou ao deficiente) são de natureza assistencial (pagos sem qualquer contraprestação ou carência mínima). 
Por serem personalíssimos não geram direito à pensão por morte e a sua concessão é extremamente ligada a situação pessoal do requerente e de sua família no momento do pedido.
Apesar do critério objetivo apontado pela lei para aferição da miserabilidade (1/4 do salário-mínimo vigente), considerado determinante em sede administrativa e utilizado exclusivamente para as decisões do INSS, a Lei Orgânica da Assistência Social reconhece a necessidade de se observar as questões subjetivas do requerente. Mas, mesmo com a orientação legal, não é isso que ocorre na seara administrativa (na analise da concessão do benefício feita pelo INSS). Quando um requerimento de beneficio é feito junto ao INSS, constando a renda per capta superior a 1/4 do salário-mínimo, o mesmo é indeferido sumariamente, sem qualquer outro tipo de análise do caso concreto como: gastos com remédios, necessidade de um dos membros da família não trabalhar para cuidar do outro com deficiência, gastos com alimentação especial, fraldas, gastos com aluguel, etc. A análise do critério subjetivo (do caso a caso) somente ocorre na via judicial.
O Superior Tribunal de Justiça (STJ) firmou entendimento de que a limitação do valor da renda per capita familiar não deve ser considerada a única forma de se comprovar que a pessoa não possui outros meios para prover a própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, pois é apenas um elemento objetivo para se aferir a necessidade e não reflete o “grau de miserabilidade” do requerente. 
Sendo assim, o direito ao BPC à pessoas que possuam uma renda per capita superior ao valor estipulado em lei (1/4 salário-mínimo nacional) é possível por meio da análise das condições pessoais dos indivíduos, o grau de risco social aos quais são expostos, a necessidade de meios de subsistências específicos e de maior valor, o que representa um gasto superior do normal, por exemplo.
Para a concessão, manutenção e revisão do benefício assistencial é necessária a apresentação dos seguintes documentos: CPF e RG próprio e de todos que moram na casa, certidão de nascimento ou casamento própria e de todos da casa, e inscrição no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - Cadastro Único conforme previsto em regulamento (art. 20, §12, Lei 9.742/93). Para requerer o BPC é necessário agendamento pelo telefone 135 ou através do portal MEU INSS. Caso o INSS negue o benefício é possível requerê-lo judicialmente.
Uma observação importante é que a exigência da inscrição e atualização do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal – Cadastro Único, que é feita no CRAS, está suspensa em tempo da pandemia do coronavírus por 120 dias. Os benefícios assistenciais (ao deficiente, ao idoso e auxílio-emergencial) podem ser requeridos e concedidos sem o cadastro.
Renata Brandão Canella, advogada.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso