Ainda subsiste dúvida entre os profissionais do Direito Civil acerca de se é possível falar em prevenção de danos por meio da pena civil no ordenamento jurídico brasileiro. O presente artigo oferta uma embasada posição a respeito.

É compatível com o ordenamento jurídico pátrio uma indenização, em sede de responsabilidade civil, que ultrapasse o valor do dano para punir o ofensor e, assim, dissuadí-lo da prática de atos lesivos?

O civilista, apegado à tradição reparatória do Direito Privado, expresso na máxima francesa do “tout le dommage, mais rien que le dommage”, continua reticente à essa incorporação da antecipação de eventos lesivos como objetivo da jurisdição civil. Segue, em boa medida, enxergando os frequentes perigos à vida, aos direitos da personalidade, à saúde pública e ao meio-ambiente, “sob a mesma lupa que enxerga o defeito em uma peça de máquina”[1], como se fosse possível entregar o melhor à coletividade agindo apenas após a consumação dos danos. Assim, e diante da inefetividade da técnica penal para a retirada do lucro ilícito do ofensor, ao fim e ao cabo continua-se a confiar a tutela destas posições jusfundamentais ao mercado, “a elas frequentemente indiferente”, como anota Rosenvald. O ordenamento jurídico se vê, dessa forma, relegado a um papel secundário, passivo face às regras ditadas pelos atores econômicos, em descompasso com a própria definição de “Estado Social de Direito”.

Os agentes de mercado, percebendo que sua conduta não é censurada pelo Direito Civil, deixam, sem pudor, que danos graves e irreversíveis relacionados a sua atividade sejam produzidos quando calculam que adotar as medidas de cuidado para evitá-los sairia mais caro que arcar com as indenizações puramente reparatórias. Isso quando não arquitetam uma conduta comissiva, danosa a interesses sensíveis, com vistas a obter lucro por meio dela mesmo após as condenações judiciais.

Diante desse contexto, o desafio aceito por este trabalho é o de demonstrar que além de necessário que a responsabilidade civil volte a lançar um olhar sobre a conduta do ofensor – como o fazia em suas raízes –, isso não viola a Constituição, ou seja, demonstrar a adequação de uma responsabilidade civil preventiva ao ordenamento jurídico brasileiro. Isto deve ser feito através do enfrentamento das críticas normalmente dirigidas a esse intento.

São três as principais objeções que se dirigem a esse intento, podendo ser assim resumidas: a) assumir o controle de comportamentos como papel do Direito Civil seria invadir a seara penal, contaminando o Direito Privado com o instrumental punitivo, na contramão de uma longa evolução histórica que separou as duas esferas e culminou na máxima de que ao Direito Penal cumpre prevenir e ao Direito Civil cabe reparar; b) somente seria possível arbitrar a indenização em questão por meio de expressa e anterior previsão legal, já que se trata de uma pena; c) punir no direito civil e no direito criminal seria consagrar o bis in idem.

No seu enfrentamento, são várias as conclusões alcançadas.

Primeiro, a de que o recurso à sanção punitiva civil – ultrapassar o valor do prejuízo com vistas a dissuadir o ofensor – faz-se, hoje, indispensável para propiciar uma efetiva prevenção de danos a interesses sensíveis, exigência de uma sociedade que não mais valora a liberdade econômica como único nem protagonista anseio social.

A análise da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça mostra que não se trata, outrossim, de teoria elaborada na academia, mas de um fenômeno já em voga. A Corte Superior – e bem assim a de vários países de matriz romano-germânica – há muito aplica uma pena no interno do dano moral, servindo-se da subjetividade na valoração da indenização para aumentá-la na proporção da reprovabilidade da conduta do ofensor. Todavia, tais tribunais não expressam o caráter punitivo da operação, o que dificulta a análise crítica dos julgados sob essa perspectiva.

Dessa forma, o apego à recente tradição histórica de separação entre pena e reparação – isoladas nos Códigos Penal e Civil, respectivamente –, não é argumento, por si só, apto a reprovar a assimilação formal da prevenção de danos pela responsabilidade civil. Acatar essa crítica seria fechar os olhos para uma realidade sedimentada em nossos tribunais e que precisa ser racionalizada e clarificada. Seria, outrossim, primar pela forma em detrimento da efetividade.

Antes de ser instrumento incivilizado de usurpação das liberdades pessoais, a sanção punitiva civil é apta a prevenir de forma mais eficiente e com menos efeitos deletérios as ameaças a interesses sensíveis, se comparada à sanção criminal. Mais eficiente porque a pena civil, demandada através da iniciativa de qualquer cidadão, é dotada de uma capilaridade capaz de abarcar a multiplicidade das relações de mercado hoje existentes, sendo, ainda, munida de uma ampla possibilidade de graduação do quantum punitivo, tornando-a apta a responder às ofensas no plano da lógica econômica, o que o Direito Penal não é capaz de fazer. Menos deletéria porque a sanção punitiva criminal atinge, sempre, a dignidade do réu – seja porque restringe sua liberdade pessoal, seja porque o estigma da condenação o acompanha com a pena inscrita na ficha policial –, o que não se passa com a punição civil, que se restringe a atacar o patrimônio e a liberdade para comerciar do agente econômico ofensor. Enfatiza-se que é justo por isso que os próprios penalistas têm conclamado o avanço punitivo da responsabilidade civil em detrimento da sanção punitiva criminal na tutela de interesses sensíveis. A operação permitiria não apenas uma mais efetiva concretização do direito à prevenção de danos, mas também a viabilização do desígnio constitucional de um Direito Penal mínimo. Conclui-se, assim, que a solução punitiva no âmbito do direito civil poderia ser também uma boa fuga ao dilema da sociedade pós-moderna de ou bem restar à mercê dos agentes de mercado, ou bem recorrer indistintamente a esteios autoritários como o Direito Penal, transformando o “Estado de Direito” em “Estado de Exceção”.

Também essa abissal diferença na gravidade das respostas da sanção punitiva civil e da sanção punitiva criminal que leva este artigo a aderir ao entendimento dos que sustentam que o princípio da legalidade incide às penas civis na sua forma mitigada. Isto é, não exige a rígida tipificação dos ilícitos, mas apenas a previsão de seu objetivo, dos pressupostos que a acionam, bem como dos critérios de quantificação que devem nortear seu arbitramento. Destaca-se que garantir essa maleabilidade à sanção punitiva civil também é crucial para sua efetividade, permitindo-lhe agir de forma dinâmica, respondendo aos ilícitos que hoje se diversificam com incrível rapidez. Frisa-se, no entanto, que apesar de formular menor exigência diante da pena civil, a legalidade não escapa de sobre ela incidir, pois se trata de garantia material contra qualquer sanção que tenha a prevenção como sua finalidade, de sorte que a solução preconizada neste trabalho não fugirá à necessidade de prévia consagração legal, sendo pertinente a crítica sumarizada acima na alínea “b”.

Por fim, a vedação constitucional do bis in idem, se corretamente assimilada, corolária que é do princípio da proporcionalidade, não veda a aplicação de duas punições diante do mesmo ato ilícito. Mas, quando for o caso, prescreve que a punição anteriormente fixada em outro setor do direito seja observada, criando ao julgador um ônus argumentativo de justificar a necessidade de uma reação adicional do ordenamento, bem como acarretando, for a hipótese, a redução do quantum punitivo a ser fixado. Blinda-se, assim, o ofensor contra um possível excesso punitivo. De outro lado, permite-se cumular uma pena civil nas hipóteses em que a criminal não se mostrar suficiente à tutela do interesse em questão.

Em suma, a solução de adicionar à responsabilidade civil a capacidade de reagir a condutas desidiosas a interesses sensíveis, que deve passar pela prévia aprovação legislativa, viabiliza a tutela efetiva do valor maior de nossa Constituição, a dignidade humana – seja porque o protege com mais eficiência (tutelando melhor o direito à vida, à personalidade, à saúde pública, ao meio-ambiente, etc), seja porque implica em menor ofensa à própria dignidade do ofensor.

 

 

 


[1] LEVY, Daniel de Andrade.  Responsabilidade civil: de um Direito dos Danos a um Direito das Condutas Lesivas. São Paulo: Atlas, 2012, p. 19.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso