É importante replicar a frase de Edgar Morin: "Resistir às incertezas é parte da Educação". Precisamos novamente refletir sobre o papel da Educação em tempos de crise,

Resistir às incertezas é parte da Educação

 

É importante replicar a frase de Edgar Morin: "Resistir às incertezas é parte da Educação". Precisamos novamente refletir sobre o papel da Educação em tempos de crise, e inspirado em Morin pois a função da Educação é ajudar os discentes a enfrentar os problemas da vida. E, sobretudo, num mundo em crise. A ideia fundamental é que tenhamos programas educacionais que saibam identificar a crise, os métodos e os caminhos necessários.

 

Lembremos que em primeiro lugar, a Educação disciplina o conhecimento. E um questionamento nos aflige: O que significa afinal conhecer? Pois tanto pode ser uma armadilha que abriga ilusões, equívocos e erros. Como podem iluminar sobre todas as possibilidades de erro ou falhas. Infelizmente, a percepção visual não é tal qual uma fotografia, como uma reconstrução feita com os olhos. Todo conhecimento é uma tradução e uma reconstrução simultaneamente.

 

E, aliás, em cada tradução, há possibilidade de erro. É muito relevante ensinar o enfrentamento do erro. E, o segundo problema da Educação é a compreensão humana. Infelizmente, não se ensina a compreender o outro. Quando cogito do outro, não são os estrangeiros, de pessoas que são falantes de outra língua e, portadoras de outra cultura, ou ainda, que são de outros países.

 

Cogita-se de quem está justamente aí bem ao seu lado. É muito importante para vida e crescimento pessoal compreender esse outro. E, quando o tema é crise, surgem muitas incertezas mais do que em tempos normais ou regulares. Existem angústias e dificuldades. Afinal, a educação em tempos ditos normais, ensinam-se certezas, e não incertezas. Resistir à incerteza é crucial para superar.

 

Não se trata unicamente de crise econômica, como aquela que começou em 2008, mas é uma crise de civilização, de relações humanas. Trata-se de crise de mentalidades, principalmente porque a globalização criou uma unificação técnica do planeta, mas não fez uma compreensão das culturas. A empatia é uma ferramenta potente para entender as diversidades e respeitar a dignidade humana.

 

Ao contrário, as culturas se fecharam em si mesmas, quando começou a unificação técnico-econômica. É, enfim, uma crise generalizada. Que traz características positivas e negativas.

 

Boa parte das populações asiáticas ou latino-americanas que saíram da pobreza e passaram à classe média, mas outra parte dos pobres caiu em profunda miséria. Esse processo da globalização ainda está descontrolado e nos conduz à possibilidade de catástrofe generalizada.

 

É indispensável a consciência de que pertencemos à espécie humana e que habitamos um planeta Terra, que tem em comum o enfrentamento de muitos perigos terríveis. Infelizmente, não existe tal consciência, e sim, o oposto desta. Com a crise advém a angústia que faz com que as pessoas se fechem cada vez mais em suas próprias identidades, etnias, religiões e nações.

 

E, a Educação precisa urgentemente ensinar essa consciência de pertencimento à humanidade. E construir uma resistência é fundamental para a educação contemporânea. Mesmo diante de uma onda de retrocessos, e do fenecimento da democracia em muitos países. É uma degradação do pensamento político que nada mais é, do que uma obediência cega à economia.

 

É exatamente em época de retrocessos que precisamos e devemos resistir. Resistir pelos valores humanistas, pelos ideais de liberdade, igualdade e fraternidade. Temos que preservar a noção de fraternidade humana, de economia solidária, de preservação do meio ambiente, para obtermos um oásis que não seja uma vida submissa aos poderes econômicos. Isso é o significado da resistência.

 

Edgar Morin ressaltou a necessidade de salvaguardar as Ciências Humanas e, não fragmentar a cultura científica e a cultura humanista. É crucial preservar a relação entre as duas. Porque enquanto a cultura humanista tem o poder da reflexão, da meditação, sobre as descobertas da cultura científica.  A cultura científica traz inabaláveis saberes capazes não apenas de salvar vidas, mas aumentar a qualidade de vida também.

 

A importância da imunização de crianças, adultos e idosos é essencial para vencermos a pandemia e, retornarmos ao fluxo contínuo de aprendizado da civilização humana. Vacine. Ensine. E, vença todas incertezas.

 

 

Referência:

 

 FURLANETO, Audrey. Jornal "O Globo" O papel da Educação em tempos de crise. Disponível em: https://www.revistaprosaversoearte.com/resistir-as-incertezas-e-parte-da-educacao-diz-edgar-morin?fbclid=IwAR3MwxbItWCJjlfoIVKowY6bZUgMyOaLMo5EGHszuOL4EEtXlAUbqq_fd5w  Acesso em 2.3.2021.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso