Os problemas que guiarão este artigo são os seguintes: O que é o Direito ao Esquecimento? De onde decorre o Direito ao Esquecimento? O Direito ao Esquecimento choca-se com outros Direitos Fundamentais?

Introdução.

    O presente artigo tem por objetivo precípuo analisar o Direito ao Esquecimento não tendo, entretanto, o condão de exaurir o tema. Os problemas que guiarão este artigo são os seguintes: O que é o Direito ao Esquecimento? De onde decorre o Direito ao Esquecimento? O Direito ao Esquecimento choca-se com outros Direitos Fundamentais? Como o poder Judiciário tem decidido as questões envoltas no Direito ao Esquecimento?

Desenvolvimento.

Muitas são as opiniões se é cabível ou não o Direito ao Esquecimento. Não obstante isso, antes de recorrer as várias decisões acerca do assunto, faz-se necessário a conceituação do referido instituto. Como ponto de partida, a Dra. Flávia Teixeira Ortega escreve:

    O direito ao esquecimento é o direito que uma pessoa possui de não permitir que um fato, ainda que, verídico ocorrido em determinado momento de sua vida, seja exposto ao público em geral, causando-lhe sofrimento ou transtornos. (ORTEGA, 2016).

Completando essa descrição, a Dra. Thabata Filizola Costa conceitua:

O direito ao esquecimento consiste no direito à autogestão de informações pessoais, incluindo a possibilidade de ter informações pessoais indesejadas (normalmente por causarem algum tipo de dano à honra objetiva) retiradas do domínio público, desindexadas dos sites de buscas ou tornadas indisponíveis de algum outro modo. (COSTA, 2016)

Assim sendo, o direito ao esquecimento não significa obrigar que as informações sejam apagadas da memória da sociedade, mas traduz-se na possibilidade de que fatos pretéritos não sejam mais vinculados as mídias e, até mesmo, sejam retirados de sites da internet, por possuírem o potencial de ofender a honra e a intimidade das pessoas envolvidas nesses acontecimentos.

Esse instituto tem sido entendido como decorrente de direitos fundamentais positivados na Constituição Federal de 1988. Ademais, através de interpretação hermenêutica, pode-se entender o direito ao esquecimento como resultado do respeito ao princípio da dignidade da pessoa humana previstos no art. 1º, inciso III, da CF/88. Observe-se por exemplo o Enunciado 531, aprovado na VI Jornada de Direito Civil, consolidando a aplicação do direito ao esquecimento no meio digital, ao dispor que “a tutela da dignidade da pessoa humana na sociedade da informação inclui o direito ao esquecimento”.

De outro lado, no entanto, nota-se que o direito ao esquecimento choca-se com outras garantias constitucionais, como por exemplo, a liberdade de expressão e a liberdade de manifestação do pensamento. Abordando esse tema, a Dra. Flávia Ortega assevera: “A discussão quanto ao direito ao esquecimento envolve um conflito aparente entre a liberdade de expressão/informação e atributos individuais da pessoa humana, como a intimidade, privacidade e honra.” (ORTEGA, 2016)

Portanto, é perceptível que quando há o reconhecimento do direito de esquecer, há uma restrição do direito de informar. Por sua vez, quando o direito à liberdade de expressão e de imprensa preponderam sobre o direito ao esquecimento, verifica-se a restrição deste em detrimento daquele. Ademais, quando as liberdades de expressão e de imprensa ocorrem sem qualquer cautela, pode-se perceber um potencial risco de ofensa a intimidade e a honra da pessoa envolvida. Destarte, chega-se ao seguinte impasse: Que direito deve prevalecer?

Em se tratando do conflito entre as liberdades de expressão, de informação e os atributos pessoais, quais sejam: a inviolabilidade da vida privada, intimidade e honra, faz-se necessário e até mesmo interessante, entender como o poder judiciário tem julgado os casos concretos envoltos nessas questões. Para tanto, é imperioso mencionar alguns julgados nessa matéria, e também, aduzir a recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) acerca do direito ao esquecimento.

 Um primeiro caso é o que aconteceu em 23 de julho de 1993, no Rio de Janeiro, a chamada Chacina da Candelária. Nessa ocasião, um grupo de policiais atirou várias vezes contra um grupo de pessoas, causando a morte de seis menores e dois adultos. Dezesseis anos depois, em 2009, a Rede Globo de Jornalismo, exibiu através do Programa Linha Direta – Justiça, uma matéria que mostrava o que tinha acontecido naquela triste situação, revelando os nomes reais dos envolvidos no crime inclusive, que a propósito, já tinham sido julgados. Entre esses nomes, foi explicitada a identidade de um policial, considerado coautor, mas inocente, segundo os autos do processo. Em posse dessa informação, o autor ajuizou uma ação contra a rede globo de Jornalismo, alegando que em decorrência dessa reportagem, precisou fugir de onde morava por medo de ser assassinado pelas mãos de traficantes e justiceiros. Além disso, asseverou que teria dificuldades para se reinserir no mercado de trabalho por ter sido vinculado a um crime do qual restou-se provada a sua inocência. Em primeira instância, o seu pedido de ressarcimento por danos morais foi indeferido. Entretanto, a decisão foi reformada no Superior Tribunal de Justiça (STJ) sob a relatoria do Ministro Luis Felipe Salomão. A quarta turma do STJ acompanhou o voto do relator e condenou a emissora ao pagamento de R$ 50 mil, reconhecendo que o autor da ação tinha o direito ao esquecimento e que esse não Foi respeitado pela Rede Globo.

 Ressalte-se ainda que as decisões sobre esse assunto não são unânimes. Assim, noutro caso, o STJ não entendeu que o direito ao esquecimento era cabível.

Esse outro caso foi o de Aída Jacob Curi. Em 1958, no Rio de Janeiro, esta jovem foi vítima de violência seguida de morte. Os autores foram outros três jovens, que a lançaram de um edifício de doze andares em Copacabana. Anos depois, a Rede Globo de Televisão, mediante o programa Linha Direta, reexibiu o acontecimento, divulgando o nome de Aída e cenas do fato delituoso. Entendendo que não havia a necessidade de se recordar, depois do transcurso de cinquenta anos, o que aconteceu com aquela jovem, os irmãos de Aída ingressaram com uma ação judicial contra a Rede Globo de Televisão, pleiteando que aquela reportagem não fosse mais exibida. E pelo que já tinha ido ao ar, os autores da ação litigavam um ressarcimento por danos morais.

O juízo de primeiro grau decidiu pelo indeferimento da ação. Em seguida, o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro confirmou a sentença. Daí, por meio de recurso especial, os autores recorreram ao Superior Tribunal de Justiça que decidiu pela preponderância do direito à liberdade de imprensa, afirmando em seu julgado que o crime e a imagem da vítima eram indissociáveis, e que a Rede Globo não teria cometido ofensa alguma a memória ou a imagem de Aída, pois, apenas cumpria naquela reportagem, com o seu papel social de informar acerca de um crime que faz parte da história nacional.

Insatisfeitos com a decisão, os irmãos da jovem vítima, interpuseram um recurso extraordinário perante o Supremo Tribunal Federal. O julgamento dessa causa, ocorrido em 11 de fevereiro de 2021, reflete o entendimento da Corte Suprema da República Federativa do Brasil sobre o cabimento do direito ao esquecimento. O STF julgou que esse direito é incompatível com a Constituição Federal. Ademais, o Supremo proferiu nessa decisão, que quaisquer excessos no direito de informar, devem ser analisados no caso concreto e, em caso de ofensa a outros direitos fundamentais, a reparação deverá ser feita em observância da Lei Fundamental e de outras normas infraconstitucionais, como o código penal e o código civil.

Conclusão.

O Direito ao Esquecimento é um tema que tem causado grandes reflexões em toda a sociedade. Como explicitado nesse artigo, nem mesmo as decisões judiciais são unânimes, fazendo-se necessária a análise do caso concreto com o fito de encontrar a melhor sentença para cada situação em particular. Ainda assim, após uma decisão prolatada, como foi o caso de Aída Curi, cabem-se questionamentos, pois parece razoável que uma pessoa tenha o direito de ser deixada em paz, tenha uma segunda chance, e não pague eternamente por um crime que cometeu ou seja rotulada por algo que passou. Por outro lado, parece sensato reconhecer que alguns acontecimentos precisam ficar guardados na história e ser relembrados de tempos em tempos, dada sua relevância para a sociedade.

Portanto, não se pretendeu chegar a uma solução para as questões envoltas no Direito ao Esquecimento ou exaurir o assunto. Longe disso! O objetivo aqui foi o de despertar profundas reflexões acerca do tema, restando compreender se no caso em concreto há que se falar, ou não, no Direito ao Esquecimento.

Referências:

ORTEGA, Flávia. O que consiste o direito ao esquecimento. Jus Brasil, Há 5 anos. Seção: Notícias,Disponível em: <https://draflaviaortega.jusbrasil.com.br/noticias/319988819/o-que-consiste-o-direito-ao-esquecimento>. Acesso em 27.maio.2021.

BRASIL. STJ. Processo: 1896652/RJ. Ministro SEBASTIÃO REIS JÚNIOR (1148), 17.maio.2021, Seção:Jurisprudência, Disponível em: https://scon.stj.jus.br/SCON/jurisprudencia/doc.jsp?livre=DIREITO+AO+ESQUECIMENTO&b=ACOR&p=false&l=10&i=1&operador=e&tipo_visualizacao=RESUMO>. Acesso em 28.maio.2021.

BRASIL. Planalto. Constituição da Republica Federativa do Brasil de 1988.Disponível: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 28 maio.2021.

SZANIAWSKI, Elimar. O Supremo Tribunal Federal e o julgamento do caso Aída Curi - Parte 1, 26 Abr 2021. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2021-abr-26/direito-civil-atual-supremo-tribunal-federal-julgamento-aida-curi>. Acesso em 05 Jul.2021.

COSTA, Thabata. O aparente conflito entre o direito ao esquecimento e o direito à liberdade de expressão. Jus Brasil, Há 5 anos. Seção Artigos, Disponível em: https://thabatafc.jusbrasil.com.br/artigos/315396088/o-aparente-conflito-entre-o-direito-ao-esquecimento-e-o-direito-a-liberdade-de-expressao#:~:text=do%20Codigo%20Civil-,O%20aparente%20conflito%20entre%20o%20direito%20ao%20esquecimento,direito%20%C3%A0%20liberdade%20de%20express%C3%A3o&text=11%2C%20do%20C%C3%B3digo%20Civil)%2C,X%2C%20da%20CR88%20e%20art. Acesso em: 05 Jul.2021

STF, Aplicabilidade do direito ao esquecimento na esfera civil quando for invocado pela própria vítima ou pelos seus familiares. Disponível em: http://stf.jus.br/portal/jurisprudenciaRepercussao/verAndamentoProcesso.asp?incidente=5091603&numeroProcesso=1010606&classeProcesso=RE&numeroTema=786 , Acesso em 05 Jul.2021

LUZ, Aleff. DUARTE, Bruno. O Direito ao Esquecimento Como Limitação à Liberdade de Expressão. 23 Jul. 2019, Disponível em: https://ambitojuridico.com.br/cadernos/direito-civil/o-direito-ao-esquecimento-como-limitacao-a-liberdade-de-expressao/ Acesso em: 28 Jun.2021

CORREIA, Atalá. Liberdade de imprensa, direito ao esquecimento e a recente decisão do STF. TJDFT, Há 3 meses. Disponível em: https://www.tjdft.jus.br/institucional/imprensa/campanhas-e-produtos/artigos-discursos-e-entrevistas/artigos/2021/liberdade-de-imprensa-direito-ao-esquecimento-e-a-recente-decisao-do-stf . Acesso em 28 jun.2021



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso