Na apuração do imposto sobre a renda de pessoa física, a pessoa com deficiência que supere o limite etário e seja capacitada para o trabalho pode ser considerada como dependente quando a sua remuneração não exceder as deduções autorizadas por lei. (ADI 55

Em maio desse ano, no julgamento proferido no STF acerca de Ação Direta de Inconstitucionalidade ajuizada pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o STF decidiu que na apuração do IRPF, a pessoa deficiente, ainda que tenha idade superior ao limite estabelecido (21 anos), pode ser considerada como dependente quando a sua remuneração não exceder as deduções estabelecidas pela lei.

O STF fundamentou sua decisão quanto a que a Constituição veda que o tratamento tributário (i) cause discriminação indireta, em ofensa à isonomia, (ii) prejudique o direito ao trabalho das pessoas com deficiência e (iii) afronte o conceito constitucional de renda e a capacidade contributiva de quem arca com as despesas. Na decisão, restou vencido o ministro Marco Aurélio (relator).

Essa importante medida privilegia a inclusão das pessoas com deficiência em sociedade e ainda vai ao encontro do princípio da dignidade da pessoa humana. Com isso, as pessoas deficientes podem ser consideradas dependentes na declaração de imposto de renda, desde que sua remuneração não exceda as deduções autorizadas por lei.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso