Nos casos de crimes ambientais que deixam vestígios, como no crime de poluição, a elaboração de perícia é imprescindível, sob pena de absolvição do acusado.

Artigo original em https://advambiental.com.br/causar-poluicao-crime-ambiental-art-54-lei-9605/

 

INSTAGRAMhttps://www.instagram.com/advocaciaambiental/

 

Causar poluição através de lançamento de resíduos é crime ambiental previsto no art. 54 da Lei de Crimes Ambientais, assim redigido:

Art. 54. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora:

Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa.

§ 2º Se o crime:

V - ocorrer por lançamento de resíduos sólidos, líquidos ou gasosos, ou detritos, óleos ou substâncias oleosas, em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou regulamentos:

Pena - reclusão, de um a cinco anos.

O QUE É POLUIÇÃO

Poluição, segundo o art 3º, inciso III, da Lei n. 6.938/1981, é a degradação da qualidade ambiental resultante de atividades que direta ou indiretamente:

  1. prejudiquem a saúde, a segurança e o bem-estar da população;
  2. criem condições adversas às atividades sociais e econômicas;
  3. afetem desfavoravelmente a biota;
  4. afetem as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente;
  5. lancem matérias ou energia em desacordo com os padrões ambientais estabelecidos.

ART. 54, § 2º, V, LEI 9.605/98

O crime ambiental previsto no art. 54, § 2º, V, da Lei n. 9.605/98 é causar poluição de qualquer natureza em níveis que "resultem" ou "possam resultar" em danos à saúde humana ou "que provoquem" mortandade à animais ou destruição significativa da flora.

Vê-se que, o dispositivo traz o elemento normativo "em níveis tais", significando que, para a configuração do delito, o nível da poluição causada deve ser de tal monta que efetivamente "resulte" ou "possa resultar" em danos à saúde humana.

Nesse passo, independentemente de ser crime de dano ("resultem") ou de crime de perigo ("possam resultar"), a comprovação dos "níveis tais" da poluição deve ser efetuada mediante prova pericial.

Isso porque, o crime ambiental de causar poluição, na maioria das vezes, deixa vestígios, cujo resultado possibilitará, aí sim, a aferição de que a atividade poluidora causou (crime de dano) ou poderia causar (crime de perigo) danos à saúde humana.

O QUE DIZ A DOUTRINA

Sobre a consumação do delito de causar poluição, Luiz Régis Prado[1] anota:

A conduta incriminadora consiste em causar (originar, produzir, provocar, ocasionar, dar ensejo a) poluição de qualquer natureza, em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade dos animais ou a destruição significativa da flora.

Por poluição, em sentido amplo, compreende-se a alteração ou degradação de qualquer um dos elementos físicos ou biológicos que compõem o ambiente.

Entretanto, não se pune toda emissão de poluentes, mas tão-somente aquela efetivamente danosa ou perigosa para a saúde humana, ou aquela que provoque a matança de animais ou destruição (desaparecimento, extermínio) significativo da flora.

Isto é, exige-se a real lesão ou o risco provável de dano à saúde humana, extermínio de exemplares da fauna local ou destruição expressiva de parcela representativa do conjunto de vegetais de uma determinada região.

Segundo Silvio Maciel[2]:

O tipo penal ainda contém um elemento normativo do tipo, constante na expressão em níveis tais.

Isso significa que só haverá o delito se ocorrer poluição em níveis elevados, que resultem (crime de dano) ou possam resultar (crime de perigo concreto) danos à saúde humana, mortandade de animais (silvestres, domésticos ou domesticados), ou destruição significativa da flora.

Não é qualquer poluição, portanto, que enseja a aplicação deste dispositivo penal.

Por tal razão, Guilherme de Souza Nucci [3] defende ser a perícia fundamental no caso do crime de poluição:

É fundamental nesses casos, para que seja cumprido o disposto no art. 158 do CPP (crimes que deixam vestígios precisam de exame pericial), a realização da perícia para a formação da materialidade.

CONFIGURAÇÃO DO CRIME AMBIENTAL DE POLUIÇÃO

Para a configuração do crime de poluição previsto no art. 54 da Lei n. 9.605/98, não basta somente a comprovação de lançamento, por exemplo, de resíduos líquidos ou sólidos ao solo ou a curso d'água, em desacordo com as exigências e normas legais.

É dizer que, faz-se necessária a realização de prova pericial de que do fato tenha resultado prejuízo à saúde humana, ou a destruição da flora ou a mortandade de animais.

Isso porque, crimes ambientais que deixam vestígios - como é o caso do crime de poluição -, exigem para comprovação da materialidade, a elaboração do exame de corpo de delito por perito oficial, o qual não pode ser suprido sequer pela confissão do infrator.

De igual modo, não basta a confecção de relatório por quem lavrou o auto de infração ou constatou a poluição, se este não possuir a qualificação técnica necessária.

Desse modo, cabe ao órgão estatal verificar a ocorrência do dano ambiental de poluição e requerer a realização do laudo pericial a ser confeccionado por meio de perito oficial, como os profissionais do Instituto Geral de Perícias - IGP.

PERÍCIA OBRIGATÓRIA - ART. 158 DO CPP

Uma condenação não pode ser fundada em meras conjecturas e suposições, mas sim, em provas incontestáveis e inequívocas, não sendo possível condenar alguém por presunção.

Talvez seja por isso que o Legislador previu a necessidade de perícia quando o crime deixar vestígios, conforme regra prevista no art. 158, do Código de Processo Penal:

Art. 158. Quando a infração deixar vestígios, será indispensável o exame de corpo de delito, direto ou indireto, não podendo supri-lo a confissão do acusado.

Aliás, o Direito Penal é a ultima ratio, de modo que, apenas deve atuar na proteção dos bens jurídicos mais importantes e quando outros ramos do Direito não forem suficientes para solucionar a questão, em respeito ao Princípio da Intervenção Mínima e da Fragmentariedade.

CONCLUSÃO

Nos crimes ambientais como o da poluição, o corpo de delito é consubstanciado no laudo pericial que demonstrará a existência da própria materialidade delitiva.

Nem mesmo a prova testemunhal pode suprir o exame de corpo de delito, pois somente é permitida quando a sua realização não é possível por haverem desaparecido os vestígios, o que raras vezes acontece.

Por fim, cumpre mencionar que, ausente a prova pericial, deverá ser proferida sentença de extinção da punibilidade pelo art. 386, VII, do Código de Processo Penal, porquanto geralmente o crime ambiental de poluição existiu, porém, as provas da materialidade do crime são insuficientes para o decreto condenatório.

Sendo assim, se além do processo por crime ambiental também foi instaurado um processo administrativo para apurar a infração ao meio ambiente, então não haverá repercussão na esfera administrativa, como já escrevemos em outra oportunidade aqui.

 

[1] Crimes contra o ambiente, 2. Ed., São Paulo: RT, 2001, p. 170.

[2] Legislação criminal especial. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009. Coord. Luiz Flávio Gomes e Rogério Sanches Cunha. p. 801.

[3] Leis penais e processuais comentadas. 6. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012. v. 2., p. 589.


Leia mais

 


Autor


Informações sobre o texto

CRIME AMBIENTAL. POLUIÇÃO, ART. 54 DA LEI N. 9.605/98 COMENTADO. PERÍCIA. AUSÊNCIA DE LAUDO PERICIAL. ADVOGADO ESPECIALISTA EM DIREITO AMBIENTAL. CRIMES AMBIENTAIS DE POLUIÇÃO.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso