Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Dirigir no Brasil

Dirigir é uma experiência simplesmente diferente de qualquer outra. Quem tem seu próprio carro e que podem usá-lo a hora que quiser vão atestar esse fato.

Dirigir é uma experiência simplesmente diferente de qualquer outra. Quem tem seu próprio carro e que podem usá-lo a hora que quiser vão atestar esse fato. O nível de liberdade que os carros deram ao mundo não há precedentes e, quando foram lançados no século passado, o mundo viu nascer um novo tipo de transporte privado. Agora, são mais populares do que nunca, e não é exagero dizer que o mundo inteiro depende dos carros para mantê-lo funcionando. No entanto, embora seja uma ferramenta muito útil, também podem revelar-se como armas letais e, portanto, é necessária uma legislação firme para que a população fique segura.

 

A principal causa de morte entre os 5 e 29 anos é atualmente incidentes relacionados ao tráfego rodoviário. Diante de tal número, é importante ter o tipo de leis corretas em vigor para impedir que esse número aumente, e uma maneira dos países o fazerem é concentrando-se em como as leis são aplicadas nas estradas. O Brasil é um país que nos últimos anos começou a reprimir as infrações de trânsito, algo que todos os países já deveriam estar fazendo. Muitas vezes os motoristas assumem a responsabilidade de pegar a estrada sem se preocuparem com os outros, e somente por meio de fiscalização e legislação rígidas é que essa imagem se torna uma coisa do passado.

 

O novo foco do Brasil surgiu depois de alguns números surpreendentes. Em 2017, foram 35.375 mortes nas estradas, sendo as principais causas o excesso de velocidade, o álcool ao volante e o uso indevido de capacetes de motociclistas. Quando essas causas são examinadas mais de perto, fica claro que todas são evitáveis, pois são coisas que as pessoas estão tomando uma decisão consciente. É por isso que uma fiscalização mais severa é necessária; esse tipo de pessoa que toma essas decisões precisa ser punida e servir de exemplo, dissuadindo efetivamente outros de cometer a mesma infração. Como isso não é posto em prática por muitos outros países, não é surpreendente ver porque há tantos motoristas que desrespeitam as leis rodoviárias.

 

Quem mora no Brasil deveria se sentir seguro a partir de 2018, pois o país divulgou o Plano Nacional de Segurança Viária de 2019. Essa legislação visa reduzir a mortalidade no trânsito por 100.000 habitantes e a taxa de mortalidade no trânsito nacional por 10.000 veículos no período de 2019-2028. O governo planeja conseguir isso aumentando as câmeras de segurança em 20%, o que irá surpreender aqueles que continuam a ignorar o limite de velocidade. Além disso, a atividade de fiscalização será aprimorada, incluindo capacetes para motociclistas, dirigir embriagado, ultrapassagens em pista única, uso de cinto de segurança e muito mais. Essa legislação deve ajudar a tornar as estradas mais seguras, permitindo que as pessoas continuem fazendo o que amam, como jogar videogame, Acompanhe tudo sobre eSports aqui, ou fazer compras online.

 

Dada a letalidade que os carros podem causar e o número de mortes que ocorrem por ano, deve haver uma legislação para impedir a ocorrência dessas instâncias evitáveis. O Brasil parece estar no caminho certo, e a população pode se consolar com o fato de que o governo está ativamente tentando tornar as estradas mais seguras.

Sobre o autor
Imagem do autor Gustavo Fonseca
Gustavo Fonseca

Cofundador da Empresa Doutor Multas. Especializada em recursos de multas de trânsito. Site: doutormultas.com.br

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!