O presente estudo oriunda de leitura analítica acerca dos principais pontos técnicos abordados pelo autor, no que se refere ao instituto da Desconsideração da Personalidade Jurídica no direito brasileiro.

O presente texto apresenta uma explanação acerca do instituto da desconsideração da personalidade jurídica como meio de efetivação da jurisdição, sob a ótica do autor, Desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo.

Ainda, aborda quesitos sobre abuso de utilização deste instituto, bem como os posicionamentos jurisprudenciais, alguns dos quais, contando com a participação do autor.

Para tanto traz, à luz de sua dissertação, um julgado, o qual mostrou-se como o divisor de águas (com relação à legislação anterior e regras acerca do instituto, e a legislação atual). Isso se deve ao fato de, por se tratar de uma novidade, à época, destacou sobre a fundamentação rica de apontamentos doutrinários, demonstrando que, referida decisão, fundou-se em na lucidez e profunda análise da matéria, resultando na evolução histórica nas decisões envolvendo a aplicação do instituto.

Destarte, partindo do princípio de que o devedor responde com todos os seus bens presentes e futuros para o cumprimento de suas obrigações, salvo as restrições estabelecidas em lei (art. 789 do Código de Processo Civil), entende-se que, uma vez que não seja cumprida a obrigação, voluntariamente, poderá o credor promovera execução forçada. E se tratando de obrigação por quantia certa, buscar patrimônio do devedor.

Neste ponto que a legislação inovou, pois, em caso de abuso de personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade, ou pela confusão patrimonial, pode o juiz decidir que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica.

Isto posto, para que o instituto possa ser utilizado é necessário seguir ao regramento imposto pelo art. 133 do CPC, o qual estabelece a forma de como deverá proceder à desconsideração da personalidade jurídica.

Há, ainda, a possibilidade da desconsideração inversa, a qual possibilita que, o devedor, pessoa física, cujo patrimônio não sejam suficientes para saldar a dívida, e este oculta seus bens pela utilização da pessoa jurídica (os bens da empresa se confundem com os bens do sócio devedor).

Imperioso destacar que a utilização do instituto da desconsideração da personalidade jurídica não carece de ação autônoma, bastando o requerimento, fundamentado, nos próprios autos da execução.

Conforme o art. 50 do Código Civil (CC), são duas a situações que possibilitam a utilização do instituto em comento, quais sejam: i) abuso de personalidade jurídica (caracterizado pelo desvio de finalidade); e ii) confusão patrimonial (situação em que não seja possível distinguir de quem é o patrimônio, ou seja, o sócio usa o bem como se seu, fosse). Em suma, mister que, em ambos os casos, a intensão é ocultar patrimônio com o intuito de lesar credores.

Obviamente, o exercício do contraditório e da ampla defesa devem ser garantidos, uma vez que, como princípios constitucionais, a desconsideração da personalidade jurídica não pode ocorrer sem que seja garantido, ao devedor, o exercício de seus direitos. Afinal, não se pode presumir que toda personalidade jurídica deva ser desconsiderada, apenas quando apuradas as circunstâncias legais.

Mister frisar que a aplicação do instituto sem a oitiva do devedor é possível, mediante aplicação tutela de urgência (cautelar), conforme art. 301 do CPC, para garantir o resultado útil do processo. Para tanto, imperioso a necessidade de fortes indícios da responsabilidade do sócio devedor.

Pertinente ressaltar que, da decisão que determina a desconsideração da personalidade jurídica não incide honorários advocatícios. Contudo, caso ocorra a inclusão de sócios do devedor no polo passivo, como codevedores, e o pedido vier ser julgado improcedente, neste caso sim, incidirá honorários advocatícios em favor dos patronos dos sócios do devedor original.

A mera constituição de sociedade não torna os sócios devedores solidários!

Neste diapasão, do pedido de desconsideração da Personalidade jurídica, poderia o sócio (não devedor), integrar a lide? Entende-se que sim!

Tal possibilidade parte da premissa de que ninguém poderá reclamar direito alheio como próprio. Contudo, diante da possibilidade de constrição de bens da sociedade, ao sócio não devedor é possibilitado defender o patrimônio que lhe pertence. Ou seja, pleitear para que a desconsideração alcance os bens até o valor limite da cota integralizada do sócio devedor.

Não apenas no Código Civil, como também no Código de Defesa do Consumidor (CDC) estão previstas a desconsideração da personalidade jurídica como forma de efetivação de cumprimento da obrigação do devedor. Neste ponto, observa-se que, segundo a doutrina, existem duas teorias, ou requisitos para utilização do instituto:

  • Teoria Maior da Desconsideração: É aquela segundo a qual deve ser provado um motivo para que seja decretada a desconsideração, não bastando a simples insuficiência patrimonial da pessoa jurídica (art. 50 do CC, e art. 28, caput, do CDC).

  • Teoria Menor da Desconsideração: insuficiência patrimonial da pessoa jurídica é o quanto basta para que seja decretada a desconsideração da sua personalidade (art. 28, §5° do CDC).

Uma terceira teoria, denominada Teoria do Risco da Atividade Econômica, própria do Direito do Trabalho, segundo a qual, o empregado, por contrato individual, aceita receber salário como contraprestação por sua força de trabalho, resultando em lucro para o empresário, o empregador, em contra partida, assume o risco de eventual prejuízo advindo dessa contratação. Essa teoria está amparada no art. 2º da CLT.

Como bem destaca o autor: Em suas respectivas áreas, tanto o Código de Defesa do Consumidor CDC como a Consolidação das Leis do Trabalho CLT trazem ferramentas para proteção de quem, supostamente, representa a parte mais frágil das relações.

Analisando a aplicação jurisprudencial e a leitura do texto em comento, pode-se concluir que o instituto da desconsideração da personalidade jurídica é meio pelo qual busca-se outorgar maior proteção aos credores e a responsabilização dos devedores quanto às obrigações contraídas. Porém, esclarecendo que a utilização do instituto somente é possível quando se trata de cobrança por quantia certa.

Por fim, e não menos importante, apesar de ter sua utilização, em sua maior parte, nas execuções, o requerimento da desconsideração pode ser realizado em qualquer fase do processo, inclusive na petição inicial, bastando, para tanto, o cumprimento dos requisitos legais.

Referência:

Valente, J. J. Desconsideração da personalidade jurídica: uma visão crítica, à luz da jurisprudência - Cadernos Jurídicos, São Paulo, ano 20, nº 49, p. 73-90, maio-junho/2019.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso