Terminar um relacionamento é uma das coisas mais difíceis que se pode pensar em fazer. O que fazer quando vem a afirmação: quero me divorciar!

Tomar a iniciativa de terminar um relacionamento é uma das coisas mais difíceis que se pode pensar em fazer. Mas o que fazer quando vem a afirmação: quero me divorciar. É sobre isso que vamos falar nesse artigo.

Afinal de contas, há uma história construída a dois, que envolve afeto, patrimônio e, quase sempre, filhos.

Sabemos que uma separação nunca é fácil, apesar disso, a separação pode ser uma saída saudável para todo o núcleo familiar quando as coisas se tornam insuportáveis. 

A verdade é, quando estar com o outro deixa de ser prazeroso, o melhor é se separar e dar a esse casal a chance de ser feliz de outra forma.

Nessas situações, o divórcio é muitas vezes a melhor opção e a única solução para o bem-estar do casal e dos possíveis filhos.

Mas como funciona este procedimento e o que é necessário saber?

Diferença entre separação e divórcio.

Inicialmente, é necessário esclarecer a diferença entre separação e divórcio.

O divórcio e a separação são o que a lei chama de causas terminativas da sociedade conjugal.

Complicado? Nem tanto! Em outras palavras, tanto divórcio quanto separação são escolhas que as pessoas fazem quando decidem dissolver o casamento.

Mas ao separar-se de um parceiro, você não está necessariamente divorciado.

A separação acontece quando o casal decide que não quer mais viver junto e separam-se de cama e mesa.

Quando essa decisão é tomada, o casal suspende os deveres matrimoniais como coabitação, fidelidade recíproca e regime de bens.

Contudo, a separação não acaba com o vínculo matrimonial, o que significa que os separados não podem contrair qualquer outro casamento enquanto não se divorciarem!

Portanto, se você quer separar-se e pretende desfazer totalmente o vínculo matrimonial, o divórcio é a forma jurídica de extinguir totalmente o casamento.

Quero me divorciar: preparativos para o divórcio

Com o auxílio de profissional especializado (advogado), pense em estratégias para passar por esse momento delicado.

O planejamento inclui os aspectos emocional, financeiro e propostas de resolução amigável do divórcio.

É preciso definir os seus objetivos: saber em que questões é possível ceder em um acordo e o que considera inegociável.

Quando você entrega todas as decisões do divórcio para a Justiça, perde autonomia para chegar a um entendimento mais apropriado à sua realidade.

Quero me divorciar: quais os tipos de divórcio?

DIVÓRCIO EXTRAJUDICIAL

Feitas as considerações iniciais, é preciso esclarecer os tipos de divórcio.

O divórcio pode ser realizado pela via judicial, com requerimento de decretação do divórcio ao juiz, ou extrajudicial, feito em cartório de notas.

DIVÓRCIO JUDICIAL

Com relação ao divórcio Judicial, é necessário esclarecer que este pode ocorrer em duas modalidades: consensual ou litigioso.

Antes mesmo de o casal dar entrada ao pedido de divórcio, eles devem se questionar se existe a possibilidade de um divórcio consensual, ou seja, em acordo.

Quero me divorciar: qual documentação é necessária?

É o advogado que fornecerá a lista de documentos necessários para cada caso, entretanto, existem alguns documentos padrões a serem apresentados, dentre eles:

  • RG do(a) interessado(a);

  • CPF do(a) interessado(a);

  • Comprovante de endereço atualizado do(a) interessado(a) (cópia da conta de água, luz ou correspondência);

  • Certidão atualizada de casamento;

  • Pacto antenupcial, se houver;

  • Certidão de nascimento dos filhos, se houver;

  • Qualquer documento que comprove a situação financeira do(a) cônjuge.

Imóveis, se houver:

  • Certidão de propriedade atualizada ou escritura do imóvel;

  • Contrato particular e/ou recibo de compra;

  • Contrato concessão de uso da Prefeitura Municipal, se o imóvel tiver sido construído em terreno da prefeitura ou do Estado;

  • Último IPTU do imóvel ou certidão de valor venal;

  • Nota fiscal ou recibos de benfeitorias.

Veículos, se houver:

  • Certificado de propriedade ou recibo de compra.

Se já existir ação de alimentos:

  • Cópia da sentença assinada pelo juiz ou do acordo que fixou a pensão.

Quanto custa o divórcio?

  • Cada modalidade de divórcio tem despesas próprias:

DIVÓRCIO JUDICIAL:

Serão devidos honorários do advogado, taxas e despesas judiciais (caso não haja deferimento dos benefícios da assistência judiciária gratuita);
Impostos devidos pela transferência de bens (se houver).

DIVÓRCIO EXTRAJUDICIAL:

Honorários advocatícios, taxas do cartório, emissão da escritura pública (caso não haja deferimento da gratuidade) e impostos devidos pela transferência de bens (se houver).

Se houver a transmissão de imóvel de um cônjuge para o outro, a título oneroso (isto é, implicando obrigações recíprocas para as partes), sobre a parte excedente à meação (divisão ideal pela metade), incide o imposto municipal ITBI (Imposto de Transmissão de Bens Imóveis). 

Já se houver transmissão de bem móvel ou imóvel de um cônjuge para outro, a título gratuito, sobre a parte excedente à meação, incide o imposto estadual ITCMD (Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos).

Quero me divorciar: como fica a partilha de bens?

A divisão dos bens ocorrerá de acordo com o regime de bens adotado pelo casal.

Atualmente temos cinco espécies de regime de bens, são eles: regime da comunhão parcial, regime da separação obrigatória, regime da comunhão universal de bens, regime da separação de bens e regime da participação final nos aquestos.

A partilha dos bens do casal sempre se dará meio a meio, no entanto, o significado de bens do casal vai mudar de acordo com o regime adotado.

a) Comunhão parcial de bens:

Pertencerá ao casal os bens adquiridos durante o casamento, a exceção dos bens doados a apenas um deles e os herdados por apenas um deles.

Neste regime, após término do relacionamento, os bens comprados e pagos durante o casamento serão divididos meio a meio, independente de quem pagou ou em nome de quem está, além dos investimentos feitos por apenas um deles, o dinheiro guardado em popança por apenas um, além de saldo em conta de FGTS existente no período do casamento (entendimento hoje pacífico nos Tribunais), os frutos e rendimentos do bens particulares e a previdência privada de caráter aberto (conforme atual entendimento do Superior Tribunal de Justiça).

b) Comunhão universal: pertencerá ao casal os bens adquiridos antes e durante o casamento.

c) Separação de bens (também conhecida como separação total, absoluta ou convencional): continuará sendo de propriedade de cada um os seus bens individuais, não havendo, em regra, bens do casal.

d) Participação final nos aquestos: trata-se de um regime misto em que, apesar de, durante a união, ter os mesmos efeitos da separação de bens (item c), com o término da união, terá os mesmos efeitos da comunhão parcial de bens (item a), ou seja, será partilhado os bens adquiridos durante o casamento, os ditos aquestos desse relacionamento.

e) Separação obrigatória: Este regime, independente dos demais, é imposto pela lei a algumas pessoas ou em determinadas situações, não podendo o casal optar por outro regime de bens. Atualmente, neste regime, pertencerá ao casal os bens adquiridos durante o casamento (súmula 377 STF).

Quero me divorciar: como fica a guarda dos filhos?

Por regra, a guarda do filho será compartilhada.

A guarda compartilhada consiste na responsabilização conjunta e no exercício de direitos e deveres do pai e da mãe que não vivam sob o mesmo teto, concernentes ao poder familiar dos filhos comuns.

A guarda compartilhada visa a proteção dos filhos e dos pais. Todavia, a residência do menor é fixada com um dos genitores, tendo o outro genitor o direito de conviver com seu filho.

Dessa forma, os genitores decidirão, em conjunto, questões como:

  • Forma de criação; 

  • Educação dos filhos; 

  • Autorização de viagens ao exterior;

  • Mudança de residência para outra cidade. 

Quero me divorciar: como escolher um advogado.

Conforme dito, a presença de um advogado é requisito indispensável para realização do divórcio.

A busca por um advogado nem sempre pode ser algo fácil, mas saber escolher aquele que irá te ajudar neste momento, talvez delicado, que você esteja passando é de extrema relevância nesta jornada.

Por mais difícil que seja esse momento, o divórcio nem sempre precisa envolver brigas e discussões.

Caso o divórcio seja um assunto doloroso para ser conversado entre o ex casal, o ideal é contratar um advogado especialista em Direito de Família para negociar os termos devidos, evitando desgastes pessoais.

O cenário ideal é que se contrate um único advogado para realizar o divórcio e compor os termos do acordo da forma mais justa possível. Certamente, é a opção mais econômica.

Mas, caso as partes optem por cada uma ter o seu próprio advogado, aconselha-se fugir do modelo de advogado bom de briga.

As consequências da irresponsável atuação dos advogados podem custar muito caro a sua família. Um divórcio consensual sempre será mais barato, tanto em termos financeiros quanto, principalmente, em termos emocionais.

Acredite, pode valer muito a pena interpor profissionais especializados entre as partes em um momento tão complexo.

Além de não envolvidos pela disputa, os advogados estão acostumados a este tipo de situação, podendo negociar com sobriedade e experiência.

Lembre-se que um divórcio atinge terceiros como filhos, pets e famílias extensas.

Um divórcio jamais será um processo fácil, mas a cultura, a legislação e a prática jurídica atuais evoluíram muito, se comparadas com as décadas passadas.

Hoje, contamos com uma legislação avançada e com um mercado que oferece profissionais especializados e experientes para lidar com as situações mais complexas que o amor ou o fim deste pode trazer.

Para ler o artigo completo, clique aqui!

 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso