Os empresários precisam se atentar a muitas questões. Insalubridade é uma delas! Leia o artigo e saiba como se prevenir de problemas futuros!

Em busca de ter o próprio negócio e gerar empregos, os empresários precisam se atentar a muitas questões que serão de extrema importância ao longo do tempo. Insalubridade é uma delas!

Dentre as diversas situações que irá enfrentar, a relação que terá com os funcionários é bastante relevante e deve ser mantida da melhor forma possível.

Afinal de contas ambas as partes possuem direitos e obrigações contratuais e essas devem ser respeitadas.

Hoje falaremos sobre uma questão muito importante, onde o empreendedor deverá se atentar a todos os pontos.

Pois além de estar relacionada com as obrigações advindas do contrato de trabalho, também está relacionada à saúde do trabalhador.

Vamos explanar um pouco sobre as condições de trabalho e o adicional de Insalubridade, quem tem direito a recebê-lo.

Antes de adentrar ao mérito, é preciso esclarecer que muitos trabalhadores e empreendedores desconhecem a existência de ambiente insalubre, o que acaba afetando gradativamente a saúde daqueles que exercem suas atividades nesses ambientes prejudiciais.

De maneira resumida, a insalubridade está relacionada com as condições ou métodos de trabalho no qual o trabalhador é exposto em seu ambiente de trabalho e durante a jornada habitual.

Para estar diante de um ambiente insalubre, deve-se analisar o grau do agente nocivo e o tempo de exposição do trabalhador ao executar as atividades insalubres.

As atividades insalubres são aquelas determinadas e reconhecidas pelo Ministério do Trabalho (MTE), mediante legislação, e que são classificadas como maléficas por expor o trabalhador a agentes nocivos que causam danos à saúde.

Entretanto, a fim de amenizar o prejuízo ao trabalhador, a legislação garante o recebimento de um adicional ao salário, e como base para tal acréscimo, definiu o salário-mínimo da região.

Esse adicional, conhecido com adicional de insalubridade, tem o objetivo de figurar como uma forma de compensação financeira pela exposição aos riscos à saúde.

Quem tem direito a receber o adicional de insalubridade?

Quando discutimos essa questão, podemos buscar fundamentos tanto na legislação quanto nas Normas Regulamentadoras, que regulamentam e fornecem orientações sobre procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e saúde do trabalhador.

Através da legislação, temos a Constituição Federal (artigo 7º, XXII e XXIII) e a Consolidação das Leis do Trabalho CLT (artigos 189 a 192) como principais leis que tratam do tema.

Além disso, como forma de proteção mais rigorosa e detalhada, temos a NR-15 (Norma Regulamentadora) que trata especificadamente sobre o assunto.

Com base nos regimentos citados, pode-se dizer que o trabalhador que tem direito a receber o adicional de insalubridade é àquele que trabalha em ambiente conforme define o artigo 189 da CLT.

Ou seja, àquele empregado que trabalhar com atividades ou operações insalubres, que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, estejam expostos a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos.

O empregador deve conhecer o ambiente ao qual submete seus subordinados ao trabalho.

E, assim, caso haja nocividade à saúde, deverá pagar o adicional de insalubridade, na proporção que couber, sempre que o empregado estiver, de forma habitual, exercendo suas atividades em ambientes danosos à saúde.

De acordo com o artigo 192 da CLT:

O exercício de trabalho em condições insalubres, acima dos limites de tolerância estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, assegura a percepção de adicional respectivamente de 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento) e 10% (dez por cento) do salário-mínimo da região, segundo se classifiquem nos graus máximo, médio e mínimo.

Os agentes considerados insalubres e suas classificações estão previstos na Norma Regulamentadora NR-15.

Quais as atividades e operações consideradas insalubres?

Conforme regulamentação pela NR-15, abaixo consta a lista de atividades e operações insalubres:

  • Limites de tolerância para ruído contínuo ou intermitente;

  • Limites de tolerância para ruídos de impacto;

  • Limites de tolerância para exposição ao calor;

  • Radiações ionizantes;

  • Trabalho sob condições hiperbáricas;

  • Radiações não-ionizantes;

  • Vibrações;

  • Frio;

  • Umidade;

  • Agentes químicos;

  • Limites de tolerância para poeiras minerais;

  • Benzeno;

  • Agentes biológicos.

Destaca-se que o enquadramento ao ambiente insalubre depende de inúmeros fatores, ou seja, além do contato com a atividade insalubre, deve-se observar o tempo de exposição, os limites de tolerância, as condições em que ocorrem a exposição e se há adoção de equipamentos de proteção individual (EPIs) que resguardam a saúde do trabalhador.

Como descobrir se o ambiente de trabalho é insalubre?

Para concluir se estamos diante de um ambiente insalubre, é necessário que seja realizada uma avaliação no local.

É preciso que um profissional especializado em segurança do trabalho e devidamente autorizado para atestar o ambiente laboral faça uma avaliação de todos os espaços, assim, após a realização da perícia, ele poderá declarar se o ambiente é insalubre ou não.

O Empregado pode deixar de receber o adicional de insalubridade?

A resposta é sim. Conforme mencionado anteriormente, o empregado receberá a porcentagem do adicional equivalente às condições insalubres do ambiente de trabalho.

Assim que o trabalhador deixa de ter contato com o ambiente e/ou agente insalubre, que representam riscos à sua saúde, ele deixa de estar exposto, perdendo o direito de receber o adicional de insalubridade equivalente.

Isso acontece porque a remuneração adicional serve como uma espécie de compensação pela exposição da saúde do trabalhador, se não há exposição, não existe dever da empresa em pagar a compensação.

Importante deixar claro que o risco poderá ser neutralizado pelo ajuste do ambiente laboral ou através do fornecimento dos EPIs.

Havendo essas precauções, o trabalhador deixará de estar exposto ao ambiente/agente prejudicial, isentando a empresa de pagar qualquer compensação pelos riscos à saúde do empregado.   

Essa informação está definida no artigo 191 da CLT.

Como calcular o adicional de insalubridade?

De acordo com a CLT e a NR-15, existem três níveis de graus de insalubridade (mínimo, médio e máximo), respectivamente equivalentes a 10% (dez por cento); 20% (vinte por cento) e 40% (quarenta por cento).

Atualmente, o valor do salário-mínimo brasileiro está na casa de R$ 1.192,40 (um mil cento e noventa e dois reais e quarenta centavos), essa é a base de cálculo para pagamento do adicional de insalubridade.

Por fim, para que não haja o enfrentamento de problemas futuros, consulte um profissional da área, este lhe dará todo o suporte necessário para que sua empresa esteja resguardada, visando a qualidade na segurança e melhoria do ambiente de trabalho, evitando assim, que seus empregados estejam expostos a agentes nocivos, prejudiciais à saúde.

Para ler o artigo completo, clique aqui!


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso