Por Ricardo Russell Brandão Cavalcanti. Defensor Público Federal. Professor do IFPE. Mestre e Doutorando em Direito. Especialista em Ciência Política.

Introdução

O Ministério da Educação editou o despacho 29 de dezembro de 2021 com o seguinte teor:

DESPACHO DE 29 DE DEZEMBRO DE 2021

Nos termos do art. 42 da Lei Complementar nº 73, de 10 de fevereiro de 1993, o Ministro de Estado da Educação aprova o Parecer nº 01169/2021/CONJUR-MEC/CGU/AGU (3065063), da Consultoria Jurídica junto ao Ministério da Educação, e consolida o seguinte entendimento:

(I) Não é possível às Instituições Federais de Ensino o estabelecimento de exigência de vacinação contra a Covid-19 como condicionante ao retorno das atividades educacionais presenciais, competindo-lhes a implementação dos protocolos sanitários e a observância das diretrizes estabelecidas pela Resolução CNE/CP nº 2, de 5 de agosto de 2021.

(II) A exigência de comprovação de vacinação como meio indireto à indução da vacinação compulsória somente pode ser estabelecida por meio de lei, consoante o entendimento firmado pelo Supremo Tribunal Federal - STF nas ADI nº 6.586 e ADI nº 6.587.

(III) No caso das Universidades e dos Institutos Federais, por se tratar de entidades integrantes da Administração Pública Federal, a exigência somente pode ser estabelecida mediante lei federal, tendo em vista se tratar de questão atinente ao funcionamento e à organização administrativa de tais instituições, de competência legislativa da União.

MILTON RIBEIRO

Ministro

Estaria o referido despacho em consonância com nossa legislação e com o entendimento do STF?

A resposta ao questionamento acima é o que pretende se fazer no presente artigo por meio de uma metodologia exploratória e descritiva.

1.Da vacinação obrigatória

A discussão sobre a obrigatoriedade de vacinação não é nova no Brasil. Em 31 de outubro de 1904, foi aprovada a lei 126/04, que previa o seguinte:

  Art. 1º A vaccinação e revaccinação contra a variola são obrigatorias em toda a Republica.

     Art. 2º Fica o Governo autorizado a regulamental-a sob as seguintes bases:

     a) A vaccinação será praticada até o sexto mez de idade, excepto nos casos provados de molestia, em que poderá ser feita mais tarde;

     b) A revaccinação terá logar sete annos após a vaccinação e será repetida por septennios;

     c) As pessoas que tiverem mais de seis mezes de idade serão vaccinadas, excepto si provarem de modo cabal terem soffrido esta operação com proveito dentro dos ultimos seis annos;

     d) Todos os officiaes e soldados das classes armadas da Republica deverão ser vaccinados e revaccinados, ficando os commandantes responsaveis pelo cumprimento desta;

     e) O Governo lançara mão, afim de que sejam fielmente cumpridas as disposições desta lei, da medida estabelecida na primeira parte da lettra f do § 3º do art. 1º do decreto n. 1151, de 5 de janeiro de 1904;

     f) Todos os serviços que se relacionem com a presente lei serão postos em pratica no Districto Federal e fiscalizados pelo Ministerio da Justiça e Negocios Interiores, por intermedio da Directoria Geral de Saude Publica.

     Art. 3º Revogam-se as disposições em contrario.

Conforme se percebe, a lei em testilha obrigou que a população fosse vacinada contra a varíola, inclusive por meio do uso da força estatal, o que descontentou a população da época, implicando na chamada Revolta da Vacina[1].

De fato, vacinar as pessoas por meio do uso da força é algo muito preocupante e, assim como nos parece que a lei acima da época da República Velha não estava em consonância com a Constituição de 1891, vacinar as pessoas por meio do uso da força também não está em consonância com a Constituição de 1988.

Entretanto, não podemos confundir o conceito de vacinação forçada com o de vacinação obrigatória. Na primeira a pessoa seria levada à força para se vacinar, o que não está em consonância com um Estado Democrático de Direito, como é o caso do Brasil[2]; já a segunda hipótese não seria o caso de alguém ser vacinado por meio do uso da força do Estado, podendo efetivamente alguém optar por não ir se vacinar, porém, quem assim o fizer, não poderá exercer plenamente os seus direitos porque terá que se isolar para não afetar as outras pessoas.

Para melhor esclarecer o que estamos afirmando, trazemos um exemplo de Renato Janine Ribeiro em livro escrito junto com Mario Sergio Cortella:

Uma discussão interessante a esse respeito se levantou, quando se aprovou em São Paulo a lei limitando o uso do tabaco em público. Muita gente a questiona de uma forma marota, mas, na verdade, o que lei a proíbe é que o indivíduo terceirize sua fumaça. Não se proíbe ninguém de fumar, mas de fazer o outro aspirar o seu fumo[3].

Assim, fumar é um direito, ninguém pode ser impedido de o fazer, porém o usufruto do referido direito deve ser realizado de uma forma tal que ninguém aspire a fumaça do cigarro de outrem.

A mesma lógica se aplica para a vacinação: a pessoa tem o direito de não se vacinar, porém não pode aumentar a exposição das outras pessoas.

Desse modo, um aluno da rede pública não pode não se vacinar e simplesmente frequentar a sala de aula e aumentar o risco de contágio dos seus professores e dos seus colegas.

2. O despacho 29 de dezembro de 2021 do Ministro da Educação

O despacho em questão é ilegal, inconstitucional e não está em consonância com o entendimento do STF, senão vejamos.

O referido despacho usou como fundamentação a decisão do STF no julgamento das Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs) 6586 e 6587, que tem o referido teor:

II A obrigatoriedade da vacinação a que se refere a legislação sanitária brasileira não pode contemplar quaisquer medidas invasivas, aflitivas ou coativas, em decorrência direta do direito à intangibilidade, inviolabilidade e integridade do corpo humano, afigurando-se flagrantemente inconstitucional toda determinação legal, regulamentar ou administrativa no sentido de implementar a vacinação sem o expresso consentimento informado das pessoas. III A previsão de vacinação obrigatória, excluída a imposição de vacinação forçada, afigura-se legítima, desde que as medidas às quais se sujeitam os refratários observem os critérios constantes da própria Lei 13.979/2020, especificamente nos incisos I, II, e III do § 2º do art. 3º, a saber, o direito à informação, à assistência familiar, ao tratamento gratuito e, ainda, ao pleno respeito à dignidade, aos direitos humanos e às liberdades fundamentais das pessoas, bem como os princípios da razoabilidade e da proporcionalidade, de forma a não ameaçar a integridade física e moral dos recalcitrantes. (Grifos Nossos)[4].

Desse modo, ao mesmo tempo em que veda a vacinação forçada, o STF permite a vacinação obrigatória nos termos da lei e, ao contrário do afirmado pelo Ministério da Educação, a referida lei já existe, qual seja: a Lei 13.979/2020, que prevê o seguinte:

Art. 3º Para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional de que trata esta Lei, as autoridades poderão adotar, no âmbito de suas competências, entre outras, as seguintes medidas: III - determinação de realização compulsória de:

(...)

d) vacinação e outras medidas profiláticas; (Grifos Nossos).

Desse modo, por expressa disposição legal, em lei declara constitucional pelo STF, o Reitor de uma instituição federal de ensino pode, dentro de sua competência administrativa, determinar a vacinação obrigatória dos alunos e servidores públicos, devendo efetivamente assim o fazer, uma vez que o artigo 7º, XII, da Constituição, prevê como direito dos trabalhadores a redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, além do fato de os alunos se encontrarem sob a tutela específica do Estado, o que gera a obrigação de se garantir a proteção deles buscando evitar danos[5] como os decorrentes da não vacinação.

No mais, sob o argumento de que as universidades e os institutos federais integram a Administração Pública Federal, o Ministro da Educação pretende fazer valer uma hierarquia que não existe.

A universidades federais e os institutos federais possuem natureza jurídica de autarquia, ou seja, eles não são um órgão da União e sim outra pessoa jurídica, possuindo autonomia administrativa para o desempenho de suas funções[6].

O Ministério da Educação não realiza um controle hierárquico em relação aos institutos federais e às universidades federais, mas sim um controle meramente finalístico, uma mera supervisão[7], o que só pode ser feito nos termos estabelecidos em lei[8], de modo que o MEC só pode intervir em uma universidade federal ou em instituto federal quando houver um desvio de finalidade legal, ou seja, quando não houver a prestação de um serviço de educação de qualidade.

Assim, quem deve determinar, em consonância com as leis e com a Constituição, os requisitos para o retorno dos alunos para as aulas na Rede Federal de Ensino são os reitores de cada instituição educacional federal e não o Ministro da Educação.

Conclusão

Despachos ministeriais no final de ano deveriam servir para desejar um próspero Ano Novo e muita saúde para todas e todos. Entretanto, o Ministro da Educação tenta se utilizar do referido expediente para impedir que alunos da Rede Pública Federal de ensino sejam obrigados a comprovar a vacinação para garantir o retorno às aulas presenciais.

A referida atitude do ministro é extremamente preocupante, pois expõe a vida de pessoas que estão sob a tutela específica do Estado e deveriam ser protegidas e não expostas.

Além disso, o despacho em questão fere o entendimento do STF e usurpa a função dos reitores das instituições federais de ensino de organizarem as pessoas jurídicas que administram.

Desse modo, diante da manifesta ilegalidade e inconstitucionalidade do Despacho de 29 de dezembro de 2021 do Ministério da Educação, ele deve ser deixado de lado pelas universidades federais e pelos institutos federais, que precisam, por meio de normas internas e visando proteger a saúde dos seus alunos e servidores, exigir a vacinação de todas e todos que entrarem em suas dependências.

REFERÊNCIAS

ARAGÃO, Alexandre Santos. Curso de Direito Administrativo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2013.

CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de Direito Administrativo. 34ªed. São Paulo: Atlas, 2020.

CORTELLA, Mário Sérgio; RIBEIRO, Renato Janine. Política para não ser idiota. 9ªed. Campinas: Papirus, 2012.

https://portal.stf.jus.br/processos/downloadPeca.asp?id=15346093809&ext=.pdf.

https://super.abril.com.br/historia/oswaldo-cruz-e-a-variola-a-revolta-da-vacina/

MARINELA, Fernanda. Direito Administrativo. 6ªed. Niterói: Impetus, 2012

MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 26ª ed. Malheiros: São Paulo, 2009. p.164.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 43ªed. São Paulo: Malheiros, 2020.

  1. https://super.abril.com.br/historia/oswaldo-cruz-e-a-variola-a-revolta-da-vacina/. Acesso em 06/06/2021.

  2. SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 43ªed. São Paulo: Malheiros, 2020.p.114.

  3. CORTELLA, Mário Sérgio; RIBEIRO, Renato Janine. Política para não ser idiota. 9ªed. Campinas: Papirus, 2012.p.11.

  4. Interior teor: https://portal.stf.jus.br/processos/downloadPeca.asp?id=15346093809&ext=.pdf. Acesso em 06/06/2021.

  5. MARINELA, Fernanda. Direito Administrativo. 6ªed. Niterói: Impetus, 2012.p.974.

  6. CARVALHO FILHO, José dos Santos. Manual de Direito Administrativo. 34ªed. São Paulo: Atlas, 2020. p.302.

  7. ARAGÃO, Alexandre Santos. Curso de Direito Administrativo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense, 2013. p.107.

  8. MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 26ª ed. Malheiros: São Paulo, 2009. p.164.


Autor

  • Ricardo Russell Brandão Cavalcanti

    Doutorando em Ciências Jurídicas-Públicas pela Universidade do Minho-Braga, Portugal. (subárea: Direito Administrativo). Mestre em Direito, Processo e Cidadania pela Universidade Católica de Pernambuco. Especialista em Ciência Política pela Faculdade Prominas. Especialista em Direito Administrativo, Constitucional e Tributário pela ESMAPE/FMN. Especialista em Filosofia e Sociologia pela FAVENI. Especialista em Educação Profissional e Tecnologia pela Faculdade Dom Alberto. Capacitado em Gestão Pública pela FAVENI. Professor efetivo de Ciências Jurídicas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Pernambuco - IFPE, lecionando Direito Administrativo e Legislação para cursos técnicos e tecnológicos na área de Ciências da Administração. Defensor Público Federal.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso