A legislação de trânsito impõe como regra a abordagem do veículo e identificação do condutor infrator, quando verificado o cometimento da infração, mas relativiza essa abordagem a sua efetiva possibilidade. Isso significa que, sendo impossível ou excessivamente difícil, o agente de trânsito poderá lavrar auto de infração sem a abordagem do condutor. Alguns chamam isso de autuação à distância.

A regra para a abordagem está prevista no artigo 280, §3°, do Código de Trânsito Brasileiro (CTB):

Art. 280.

§ 3º Não sendo possível a autuação em flagrante, o agente de trânsito relatará o fato à autoridade no próprio auto de infração, informando os dados a respeito do veículo, além dos constantes nos incisos I, II e III, para o procedimento previsto no artigo seguinte.

A palavra flagrante no dispositivo é sinônimo de com abordagem. Nesse dispositivo fica claro que a legislação somente permite a autuação sem abordagem em caso de impossibilidade, mas sendo possível, esta sempre deverá ser feita. Outra constatação do dispositivo é de que o agente de trânsito deve descrever no auto de infração o motivo para a não abordagem do veículo, tipificar a infração, colocando a data, hora e a identificação do veículo com placa, marca e espécie, no mínimo (Art. 280, I, II e II, CTB).

Outras normas que complementam o assunto são as Resoluções CONTRAN n° 371 e 561, conhecidas como Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito volumes I e II respectivamente, e servem para padronizar os procedimentos de fiscalização de trânsito. Por elas foram aprovadas fichas individuais com algumas regras específicas de observação obrigatória pelo agente de trânsito na constatação e lavratura do auto de infração. Uma delas é sobre as infrações que obrigatoriamente são verificadas com abordagem e as infrações em que a abordagem pode ser dispensada. As infrações possíveis de constatação sem abordagem são a grande maioria.

Com a publicação do Manual Brasileiro de Fiscalização de Trânsito, a abordagem do veículo infrator, para elaboração da autuação, passou a ser obrigatória somente nos casos em que for indispensável para que o agente tenha a convicção de que a infração de trânsito realmente aconteceu, conforme informações específicas em cada ficha de enquadramento do MBFT. Nos casos em que for possível visualizar a infração de trânsito, com o veículo em movimento, deixa de ser obrigatória a sua abordagem, ainda que seja prevista alguma outra medida administrativa, a qual é considerada como um complemento da penalidade principal, que é a multa de trânsito.

Na Resolução CONTRAN n° 561, que aprova as fichas do Volume II do MBFT, fica determinado que o agente de trânsito, sempre que possível, deverá abordar o condutor do veículo para constatar a infração, ressalvados os casos nos quais a infração poderá ser comprovada sem a abordagem. Para esse fim, o Manual estabelece as seguintes situações:

Caso 1: possível sem abordagem - significa que a infração pode ser constatada sem a abordagem do condutor.

Caso 2: mediante abordagem significa que a infração só pode ser constatada se houver a abordagem do condutor.

Caso 3: vide procedimentos - significa que, em alguns casos, há situações específicas para abordagem do condutor.

Um exemplo para a visualização das fichas do MBFT é referente a infração de transitar pelo acostamento (Art. 202, inciso I, do CTB) que, como a grande maioria, pode ser verificada sem a abordagem.

Imagem 1

Um segundo exemplo, agora das poucas infrações que obrigam a abordagem, é a infração por dirigir sem os documentos de porte obrigatório, prevista no artigo 232 do CTB. Essa infração só pode ser verificada com a abordagem do veículo, para que se verifique de fato que o condutor não está com os documentos obrigatórios consigo.

Imagem 2

Uma outra situação polêmica em relação a autuação sem abordagem é na hipótese do CTB prever a aplicação de alguma medida administrativa para a infração.

As medidas administrativas são previstas no artigo 269 do CTB e podem ser aplicadas pelo agente de trânsito, sendo exemplo a remoção do veículo, recolhimento da CNH e do documento do veículo, dentre outras.

Determinadas infrações preveem a aplicação de uma ou mais medidas administrativas e alguns operadores mais garantistas entendem que a abordagem deve necessariamente ser feita, quando a infração prever a sua aplicação, para que a autuação atinja a finalidade da norma.

As medidas administrativas têm a função de impedir a continuidade da prática infracional, garantindo a proteção à vida e à incolumidade física das pessoas. Apesar do entendimento, a corrente majoritária adota o sentido de que a medida administrativa é apenas complementar às penalidades, não sendo obrigatória a sua aplicação para a caracterização do ato de autuação. Isso porque tem previsão expressa no artigo 269, §2°, do CTB, e na Resolução CONTRAN n° 561:

Art. 269.

[...]

§ 2º As medidas administrativas previstas neste artigo não elidem a aplicação das penalidades impostas por infrações estabelecidas neste Código, possuindo caráter complementar a estas.

Resolução CONTRAN n° 561

A impossibilidade de aplicação de medida administrativa prevista para infração não invalidará a autuação pela infração de trânsito, nem a imposição das penalidades previstas.

Contudo, apesar de ser possível a autuação sem abordagem, esta continua sendo a regra e a sua impossibilidade deve obrigatoriamente ser registrada pelo agente de trânsito no auto de infração, como determina o artigo 280, §3°, do CTB. Nesse sentido também é o entendimento firmado por alguns CETRANs, dentre eles o de Santa Catarina, que firmou o entendimento nos Pareceres n° 32 e 138:

Parecer n° 32/2005

A autuação em flagrante é a regra devendo a exceção ser relatada no próprio auto de infração, também para que a autoridade admonitora possa promover o julgamento da autuação de forma criteriosa.

Parecer n° 138/2011

Abordar o infrator para preenchimento do auto de infração é uma regra elementar, importante não só para identificar e cientificar o acusado acerca da imputação que lhe coube, mas também para inibir a continuidade delitiva e sensibilizar o transgressor quanto a nocividade e ilicitude da conduta praticada. A autuação sem abordagem é exceção, e como tal deve se restringir aos casos em que a autuação em flagrante realmente não seja possível, hipótese em que o agente deverá relatar este fato à autoridade de trânsito no mesmo expediente utilizado para a autuação, como manda o §3º do art. 280 do CTB.

Por fim, outro ponto a ser analisado quanto ao assunto é sobre a razoabilidade da justificativa do agente de trânsito para a não abordagem do veículo. Para alguns não basta que o agente não aborde e consigne qualquer justificativa, tal justificativa tem que ser razoável e demonstrar que efetivamente impossibilitou a ação do agente de trânsito.

Porém, o entendimento majoritário é de que a legislação exige apenas uma justificativa e não a sua razoabilidade. Basta que o agente apresente uma justificativa no auto de infração para que a autuação seja válida e siga as determinações do artigo 280, §3°, do CTB. As justificativas mais comuns são devido a falta de segurança da via, falta de acostamento e pelo trânsito intenso de veículos. No Parecer n° 100 do CETRAN/SC foi fixado o entendimento que não há e não pode ser ficado um rol de justificativas razoáveis, devendo cada uma ser analisada caso a caso:

Parecer n° 100/2010

Não há como estabelecer um rol exaustivo dos motivos que autorizem o agente da autoridade de trânsito a lavrar um auto de infração sem abordar o transgressor. Para tanto, deve-se levar em consideração uma série de fatores, como o tipo infracional, o local do fato, as circunstâncias que envolvem o ocorrido etc.

Por tudo, conclui-se que a abordagem é regra para que seja lavrado auto de infração de trânsito, sempre que seja prevista no MBFT. A abordagem só é dispensada quando o MBFT não determinar e for impossível de executá-la, sendo necessário, neste caso, que o agente consigne a justificativa no auto de infração de trânsito. Não havendo abordagem em infração que é obrigatória ou não havendo justificativa para a ausência, o auto de infração deve ser considerado inconsistente (para outros ele seria nulo), devendo ser arquivado e suas penalidades anuladas.

Tem mais alguma dúvida em relação a esse assunto? Entre em contato conosco, pois estamos dispostos a ajudar!

CONTATOS:

(61) 3037-2959 (Whatsapp) e 9 8234-5080 (Whatsapp)

E-mail: [email protected]

Redes Sociais: Site, Instagram (@let_multas) e LinkedIn.

Por Heitor Gregório

Consultor Jurídico na L&T Consultoria.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso