A mãe do meu filho se mudou e disse que só passará o endereço se eu ligar para ela todas as vezes que for pegar meu filho, sugeri mensagens, mas ela não aceita. Quero apenas ver meu filho e participar da vida dele.Ela pode fazer isso? Existe uma lei que me obrigue a falar com ela, lembrando que ela sempre causa situações desagradáveis que causam discussão. Por favor respondam minha pergunta, estou a quase um ano sem ter contato algum com meu filho por causa dela. Nem por telefone ela deixa eu falar com meu filho, diz q ele não tem idade para falar sozinho, mas ele ja tem 7 anos.Desde já agradeço

Respostas

4

  • 0
    C

    CIBELE LUNETTA Quarta, 05 de novembro de 2014, 17h52min

    Ronaldo,

    A guarda da criança já foi definida em Juízo? Já houve fixação de pensão alimentícia? Regulamentação de visitas e pernoites?

    A genitora não pode impedir e/ou dificultar a convivência da criança com o genitor; poderia, munido de provas e testemunhos, entrar com ação de Alienação Parental, que pode até reverter a guarda.

    É lamentável que você tenha ficado todo esse tempo distante de seu filho, sem fazer nada!!

    Sua ex mulher não é um oráculo, que você tenha de consultar todas as vezes que pretende estar com seu filho; a criança não é propriedade de pai ou mãe, ela precisa dos dois; é direito DELA ter convivência com ambos os pais e suas famílias.

    Contrate um advogado para, através de ação, buscar decidir as questões acima, já que não há acordo; e a decisão do Juiz terá de ser acatada.

    Boa sorte.

  • 0
    R

    Ronaldo Quarta, 05 de novembro de 2014, 18h55min

    Sim, já houve fixição de pensão alimentícia, ainda quando ele era bebê, mas não me lembro se ficou fixado o pernoite em minha residência, faz muito tempo. Como faço para pegar esse documento onde foi estipulado a pensão e no caso talvez o pernoite?.Tenho que ir no fórum?

  • 0
    C

    CIBELE LUNETTA Quinta, 06 de novembro de 2014, 0h04min

    Ronaldo,

    Verifique com o advogado que o representou na ação, creio que é mais fácil; mas continue a lutar pela convivência com seu filho.

    Boa sorte.

Essa dúvida já foi fechada, você pode criar uma pergunta semelhante.