Breve resumo do julgamento do STF a respeito de loterias.

          A definição de serviços públicos —de suma importância no direito administrativo— pode ser descrita como o conjunto de atividades as quais o legislador considerou de tão grande relevância para o interesse público, que as colocou como de competência do Estado, devendo esse zelar pela sua execução para o bem de cada cidadão e, por conseguinte, da sociedade como um todo. É dentro desse conceito que foram classificadas as atividades de exploração de casas lotéricas. Contudo, em relação a esse serviço público, havia uma questão a qual o diferenciava dos demais, qual seja a exclusividade da União em sua exploração, o que engendrou debates diversos.

          Diante disso, Supremo Tribunal Federal, no dia 30 de setembro de 2020, ao julgar duas ADPFs e uma ADIN decidiu, por unanimidade, que a exploração de loterias não é exclusividade da União.

          A interpretação de que a União teria exclusividade decorria principalmente por causa daquilo que está escrito no artigo primeiro do decreto-lei número 204 de 1967 “Art 1º A exploração de loteria, como derrogação excepcional das normas do Direito Penal, constitui serviço público exclusivo da União não suscetível de concessão e só será permitida nos termos do presente Decreto-lei.”. Diante disso, não se permitia o funcionamento de loterias no âmbito dos estados da federação e do DF, sendo que os estados que as possuíam, por vezes, dependiam de decisões liminares para mantê-las abertas.

          Diante de semelhante situação, chegaram à suprema corte duas ADPFs —uma proposta pela Associação Brasileira de Loterias Estaduais e outra pelo ex-governador carioca, Pezão— e uma ADIN (proposta pelo ministério público em relação a quatro decretos e à lei estadual 8651\07-MT), as quais foram julgadas no mesmo dia. Ao serem colocadas em pauta, o relator, ministro Gilmar Mendes, decidiu pela não exclusividade da União na exploração da atividade, o que foi sendo seguido pelos demais membros da corte, sendo que, ao final, por unanimidade, decidiu-se que os estados também poderiam explorar casas lotéricas.

          No julgamento em questão diversos argumentos foram levantados, como o de que uma lei federal não pode impor a limitação à exploração de serviços públicos pelos estados, cabendo, de acordo com o STF, semelhante competência apenas à Constituição Federal. Ademais, foi levantado pelos ministros que, caso fosse cerceado o direito de exploração dessa atividade, privar-se-iam os estados de importante fonte de renda e se enfraqueceria o sistema federativo, o qual é adotado expressamente na constituição de 1988.

          Destarte, é observável que, com a presente decisão do STF, a atividade lotérica não é mais exclusiva da União, podendo, também ser explorada pelos estados.

Referências bibliográficas:

D’AGOSTINO, Rosanne. STF decide que governos estaduais podem explorar loterias. G1, 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/noticia/2020/09/30/stf-decide-que-governos-estaduais-podem-explorar-loterias.ghtml . Acesso em: 3 de outubro de 2020.

VALENTE, Fernanda. Estados também podem explorar serviço de loterias, decide STF. Conjur, 2020. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2020-set-30/estados-tambem-podem-explorar-servico-loterias-decide-stf . Acesso em: 3 de outubro de 2020



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso