Fonte: Informativo STJ

Como se infere do art. 35 do CDC, a recusa à oferta oferece ao consumidor a prerrogativa de optar, alternativamente e a sua livre escolha, pelo cumprimento forçado da obrigação, aceitar outro produto, ou rescindir o contrato, com direito à restituição de quantia eventualmente antecipada, monetariamente atualizada, somada a perdas e danos.

O CDC consagrou expressamente, em seus arts. 48 e 84, o princípio da preservação dos negócios jurídicos, segundo o qual se pode determinar qualquer providência a fim de que seja assegurado o resultado prático equivalente ao adimplemento da obrigação de fazer, razão pela qual a solução de extinção do contrato e sua conversão em perdas e danos é a ultima ratio, o último caminho a ser percorrido.

As opções do art. 35 do CDC são intercambiáveis e produzem, para o consumidor, efeitos práticos equivalentes ao adimplemento, pois guardam relação com a satisfação da intenção validamente manifestada ao aderir à oferta do fornecedor, por meio da previsão de resultados práticos equivalentes ao adimplemento da obrigação de fazer ofertada ao público.

A impossibilidade do cumprimento da obrigação de entregar coisa, no contrato de compra e venda, que é consensual, deve ser restringida exclusivamente à inexistência absoluta do produto, na hipótese em que não há estoque e não haverá mais, pois aquela espécie, marca e modelo não é mais fabricada.

Assim, a possibilidade ou não do cumprimento da escolha formulada livremente pelo consumidor deve ser aferida à luz da boa-fé objetiva, de forma que, sendo possível ao fornecedor cumprir com a obrigação, entregando ao consumidor o produto anunciado, ainda que obtendo-o por outros meios, como o adquirindo de outros revendedores, não há razão para se eliminar a opção pelo cumprimento forçado da obrigação.

REsp 1.692.803-SP, Rel. Min. Ricardo Villas Bôas Cueva, Terceira Turma, por unanimidade, julgado em 23/02/2021
 


Autor

  • Lucas Torres - CAMAÇARI

    Atuando como correspondentes para mais de 300 escritórios e jurídicos de Empresas em todo o país, oferecendo assistência processual de forma ágil e segura, obedecendo aos prazos estipulados pelos nossos clientes. Priorizando a realização dos atos pessoalmente mas sempre que necessário através de nossos parceiros, proporcionamos uma cobertura prática e confiável em todo o Estado da Bahia e em todos os níveis da esfera judicial e administrativa.

    Com o comprometimento da nossa equipe, oferecemos advocacia de apoio de forma diferenciada pela qualidade, agilidade e segurança. Nossa estrutura fornece ampla tecnologia que facilita a transmissão de informações de forma imediata.

    Nossa atuação como advogados correspondentes consiste em:

    Realização de audiências; Distribuição de petição inicial, carta precatória e carta rogatória; Protocolos de petições e recursos; Acompanhamento processual judicial e administrativo, in loco; Obtenção de certidões em geral; Cópias de processos; Recolhimento de custas judiciais e administrativas; Cópia Digitalizada de peça processual; Carga de processos; Despacho com magistrados para agilizar andamento processual; Juntada de memoriais diretamente nas Turmas de Julgamento; Elaboração de relatórios de andamentos processual; Sustentação Oral. Entre outros.

    Para maiores informações sobre a nossa equipe de advogados e quanto ao serviço de correspondência entre em contato conosco.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso