Ao analisar os autos do REsp 1.631.859-SP, que teve como relatora a Ministra Nancy Andrighi, o Superior Tribunal de Justiça, firmou o entendimento de que é possível a herdeira usucapir, em nome próprio, imóvel objeto da herança, desde que atendidos os requisitos legais da usucapião extraordinária (art. 1.238 do Código Civil de 2002) e que tenha sido exercida a posse exclusiva pela herdeira como se dono fosse com animus domini.

.

A decisão do STJ é inovadora, pois o mais comum no judiciário até então, seria pela impossibilidade de usucapião por um dos herdeiros e nesse sentido foi o entendimento do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, que extinguiu o processo, sem resolução do mérito, sob o fundamento de que a tolerância dos demais herdeiros gera a mera detenção do bem e não a sua posse, de modo que a herdeira afirmar que é possuidora do bem de forma exclusiva não permitiria que ela adquirisse a propriedade individualmente.

.

No Superior Tribunal de Justiça, a Terceira Turma, reformou a decisão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, determinando que os autos fossem devolvidos à Vara de origem para que seja verificada a necessária dilação probatória quanto a exclusividade da alegada posse da herdeira "usucapiente" e demais requisitos da usucapião extraordinária.

.

Dito isso, cumpre fazer uma breve reflexão deste caso:

.

"Imagine se, ao invés de uma herdeira, a posse exclusiva do imóvel objeto da herança estivesse com um terceiro. Neste caso, o art. 1.238 do Código Civil é bem claro que, independente de boa-fé, esse terceiro, teria direito a aquisição da posse do bem, desde que decorridos o lapso temporal de 15 anos de posse exclusiva, ininterrupta e sem oposição dos herdeiros proprietários.

.

O Caso analisado pelo STJ, tratou de dois herdeiros, irmãos, sendo que a herdeira que estava na posse, desejava o reconhecimento do direito a usucapião extraordinária, por está na posse há mais de 30 anos, sem qualquer oposição do irmão. Ora, se cabe usucapião de um terceiro com má-fé, por que razão não haveria de ter direito a herdeira que detinha a posse exclusiva por mais de 30 anos, sem oposição do outro herdeiro?

.

É preciso refletir sobre isso, claro que as alegações da herdeira precisam ser provadas, não basta alegar, contudo o Direito está em constante evolução e visa suprir os anseios da sociedade e essa decisão do STJ mostrou isso."

.

Esse caso é um bom exemplo de que o "Direito não socorre aos que dormem".

.

Link com integra da decisão do Resp 1.631.859-SP:

https://www.26notas.com.br/blog/wp-content/uploads/2018/06/REsp-n%C2%BA-1.631.859-SP.pdf


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso