O atraso de voo é acontecimento corriqueiro nos aeroportos, tanto nos brasileiros quanto nos internacionais, gerando dissabores e até mesmo prejuízos significativos aos passageiros.

Vale esclarecer que, a relação negocial entre passageiro e companhia aérea é regida pelo Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90), razão pela qual o passageiro que foi prejudicado por um atraso de voo e consequente perda de conexão de forma indevida, foi vítima de prática abusiva por parte da companhia aérea e tem direito a receber indenização pelos transtornos enfrentados.

Para tanto, é imprescindível guardar comprovantes de despesas, notas fiscais, comunicação de atraso e/ou cancelamento do voo, reserva de hotel, inscrição para congressos, feiras, fotos e vídeos do tumulto no aeroporto, etc.

A partir da interpretação do art. 39 do CDC, considera-se prática abusiva tanto o cancelamento de voos sem razões técnicas ou de segurança inequívocas como o descumprimento do dever de informar o consumidor, por escrito e justificadamente, quando tais cancelamentos vierem a ocorrer.

Para a comprovação da hipótese de cancelamento/atraso de voo deve se observar as seguintes particularidades: i) o tempo que se levou para a solução do problema, isto é, a real duração do atraso; ii) se as informações foram prestadas a tempo e de forma clara e precisa por parte da companhia aérea a fim de amenizar os desconfortos inerentes à ocasião e iii) se o atraso foi por demais considerável.

De qualquer modo, o dano moral não reside apenas no atraso na chegada do voo ao destino, mas também pela ausência de providências da companhia aérea que minimizassem o transtorno experimentado. Vale esclarecer:

Mesmo a lei não disciplinando o limite tolerável de atraso de voos, aplica-se subsidiariamente as normas gerais da Agência Nacional de Aviação, na qualidade de órgão regulador do serviço, que no art. 3º da Resolução nº 141/2010, admite o atraso da viagem em até 4 horas, ocasião em que, a partir daí, a companhia aérea deve prestar acomodação, alimentação e assistência ao passageiro.

Relativamente ao valor da indenização, não obstante inexistirem regras objetivas para a fixação do dano moral, é sabido que o julgador, ao arbitrá-lo, deve levar em conta a extensão do dano suportado pela vítima em face do ato lesivo e a capacidade econômico-financeira do ofensor, de tal sorte que a condenação possua caráter tanto reparatório, a fim de amenizar o sofrimento da vítima, como punitivo-pedagógico, visando a desestimular o ofensor a praticar novo ato ilícito.

A título exemplificativo o Tribunal de Justiça de São Paulo em julgado recentíssimo decidiu:

"Apelação. Transporte aéreo nacional. Atraso de voo. Ação de indenização por dano moral. Sentença de parcial procedência. Recurso da parte autora. 1. Justiça gratuita. Documentos juntados demonstram a incapacidade econômica. Não evidenciada a capacidade financeira para arcar com as despesas processuais, prevalece a presunção de hipossuficiência alegada pela pessoa natural. 2. Responsabilidade objetiva da companhia aérea (art. 14 do CDC). Atraso decorrente de "readequação da malha aérea", que delongou em cerca de 7 horas a chegada da passageira ao destino final. Hipótese que configura fortuito interno. Ausência de excludente de responsabilidade. 3. Legislação aplicável. No que tange à fixação de indenização por dano moral, prevalece o Código de Defesa do Consumidor face à Convenção de Montreal. Precedentes. Ausência de limitação para indenização por dano moral. 4. Dano moral configurado. Indenização majorada para R$ 7.000,00 (sete mil reais). Valor que está em consonância com os princípios da razoabilidade e proporcionalidade, bem como com os precedentes desta Câmara. Montante a ser corrigido desde o arbitramento (Súmula 362 do STJ), com juros de mora a partir da citação (art. 405 do CC), por se tratar de responsabilidade contratual. Indenização majorada. Sucumbência atribuída exclusivamente à ré. Recurso provido". (TJSP, Ap. Cível nº 1025489-84.2021.8.26.0002, 15ª Câmara de D. Privado, Rel. Des. Elói Estevão Troly, D. Julgamento: 23/11/2021). (gn)



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso