Muitas pessoas em nossa sociedade ainda são capazes de abrir mão de um direito que lhes cabem em nome da PAZ, da amizade, ou até mesmo sob influência da Política da Boa Vizinhança.

QUANTO CUSTA UM ADVOGADO?

Muitas pessoas em nossa sociedade ainda são capazes de abrir mão de um direito que lhes cabem em nome da PAZ, da amizade, ou até mesmo sob influência da Política da Boa Vizinhança.

Quantas vezes, você já ouviu de pessoas próximas as seguintes frases?

“Advogado custa caro!”

“Não mexe com isso, não vale a pena!”;

“Deixa pra lá!”;

“Você só vai arrumar confusão!”;

“Fulano vai ficar bravo com você!” … Entre outras mensagens desanimadoras que fazem qualquer pessoa pensar duas vezes e até mesmo desistir de procurar um advogado.

Mas até que ponto essa passividade é válida? É justo abrir mão de um direito que é seu, em prol de outra pessoa? É justo deixar de lado aquilo que a lei lhe garante, somente para evitar um possível atrito?

É importante ressaltar, que não estamos aqui defendendo o litígio como único caminho a ser trilhado, mas não podemos descartar essa possibilidade, pois muitas vezes, dependendo das partes e da situação que se deseja dirimir, o litígio é a alternativa que mais te aproximará do seu direito.

Dessa forma, independente do estágio em que esteja sua situação, antes de tomar qualquer decisão, é indispensável a assistência de um profissional, pois ele possui conhecimento técnico, podendo assim guiá-lo em direção a dissolução do conflito resguardando todos os seus direitos.

Pois, “Com coisa séria não se brinca” e sempre será melhor “Prevenir que remediar” .

Portanto, não se arrisque, não complique, consulte sempre um advogado, você verá que o custo benefício será compatível com a tranquilidade e segurança que você objetiva alcançar.

Gostou do texto? Foi útil? Comente. Compartilhe! Para que outras pessoas possam se beneficiar com essa informação.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria