A transferência de mercadoria para outro estabelecimento do mesmo contribuinte não gera o ICMS, em face da inexistência de fato gerador da exação, pois nessa hipótese não há ato de mercancia.

O estado não pode cobrar o ICMS de empresa que desloca mercadoria de um para outro estabelecimento do contribuinte (Súmula 166 do STJ).

Assim, nesse caso, não cabe ao fisco exigir a emissão de nota fiscal com destaque e pagamento do valor referente ao ICMS.

O fisco estadual entende que a circulação de mercadorias constitui fato gerador de ICMS, desconsiderando se o estabelecimento é ou não do mesmo proprietário.

Em julgados do STJ e do Supremo Tribunal Federal há decisões reconhecendo a não incidência do ICMS nas hipóteses de transferências “físicas” de bens entre estabelecimentos do mesmo proprietário.

Tal deslocamento de bens entre estabelecimentos pertencentes ao mesmo proprietário, inexistindo a transferência de titularidade da mercadoria, caracteriza a ausência de ato de mercancia e, por conseguinte, de fato gerador da pretensa obrigação tributária, sendo, portanto, indevida a exação do ICMS.

Por força da citada Súmula de nº 166, do STJ, o simples deslocamento de mercadoria de um para outro estabelecimento do mesmo contribuinte, não enseja a cobrança do ICMS, posto que o fato gerador, nesse caso, inexiste.

Entende-se que “para a ocorrência do fato imponível é imprescindível a circulação jurídica da mercadoria com a transferência da propriedade, não bastando a simples transposição dos limites territoriais de um estado.” (TJ-MS-AGR: 08001099020148120030 MS 0800109-90.2014.8.12.0030 – 2ª Câmara Cível. Publicação: 16/09/2015).


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria