Até dois anos depois de averbada a modificação do contrato social, o sócio que se retira responde perante a sociedade e terceiros, pelas obrigações que tinha como sócio.

O sócio que se retira responde perante a sociedade e terceiros, pelas obrigações que tinha como sócio, até dois anos depois de averbada a modificação do contrato social (§ único do Art. 1.003 do Código Civil).

A recente reforma trabalhista respalda essa assertiva ao determinar que o sócio retirante responde subsidiariamente pelas obrigações trabalhistas da sociedade relativas ao período em que figurou como sócio, somente em ações ajuizadas até dois anos depois de averbada a modificação do contrato. (Art. 10-A da CLT).

E esse novo dispositivo da CLT fixou a seguinte ordem de preferência: primeiro, a empresa devedora, depois os sócios atuais e, por fim, os sócios retirantes.

O Juízo do trabalho vem aplicando a novel disposição ao considerar que as dívidas trabalhistas não recaem sobre ex-sócios que saíram depois de dois anos antes da ação, aplicando o citado artigo constante da reforma trabalhista.

Dessa forma, o sócio retirante responderia por débitos trabalhistas da empresa, desde que a ação trabalhista tenha sido proposta dentro do período de dois anos após a sua saída da sociedade.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria