A 1ª Vara de Fazenda Pública de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, condenou o Município a indenizar em R$ 80 mil aos pais de uma menina de 2 anos que morreu no dia 27 de outubro de 2011 por uma picada de escorpião.

A 1ª Vara de Fazenda Pública de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, condenou o Município a indenizar em R$ 80 mil aos pais de uma menina de 2 anos que morreu no dia 27 de outubro de 2011 por uma picada de escorpião. Segundo a Justiça, houve negligência e falha na prestação do serviço de socorro médico.

O caso

Relatam os autores que a criança estava acompanhada da avó quando foi picada por um escorpião. Após o ocorrido, ela ligou para o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU). Porém foi informado que não haviam veículos disponíveis para buscar a menina. Diante da dificuldade, o avô paterno levou a criança de carro até a Unidade de Pronto Atendimento (UPA).

Por volta das 20h23, a criança já apresentava vômitos, além de eritema no braço causada pela picada e alta pressão arterial. Mesmo diante da situação, a menor recebeu apenas soro fisiológico e ficou em observação por seis horas. Os pais narram que os profissionais não aplicaram soro antiescorpiônico e que a falha no procedimento agravou o quadro da vítima pois o veneno se propagou com maior rapidez no organismo.

O Município alegou que o atendimento proporcionado no âmbito da rede pública básica de saúde foi condizente com a estrutura de um posto de saúde, que não possui soro antiofídico, tampouco laboratório.

Visão jurídica

O juiz Marcelo Andrade Campos Silva destacou que houve falha na prestação do serviço público, devido à demora nos cuidados e providências dos demais procedimentos que deveriam ser observados em casos considerados mais gravosos. Com isso, manteve o dever do requerido de indenizar os pais.

Fonte: TJ-MS


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0