O jornalista investigativo russo Ivan Golunov foi condenado à prisão domiciliar, no sábado (8), em Moscou.

O jornalista investigativo russo Ivan Golunov foi condenado à prisão domiciliar, no sábado (8), em Moscou. Ele é acusado pela polícia de tentativa de tráfico de drogas. Repórter investigativo do veículo on-line independente Meduza, que tem sua sede na Letônia, ele é acusado de tentar vender uma grande quantidade de cocaína e mefedrona.

Ivan Golunov foi preso na quinta-feira no centro de Moscou. Quatro gramas de mefedrona foram encontrados em sua mochila, de acordo com policiais que afirmam ter descoberto grandes quantidades de drogas em seu apartamento.

Na sexta, Golunov informou ao representante do Conselho Presidencial dos Direitos da Rússia que foi agredido no momento de sua detenção. Segundo ele, os policiais lhe deram dois socos na cabeça e pressionaram seu peito com os pés.

O jornalista, de 36 anos, foi internado após se sentir mal, segundo um comunicado. Seu advogado havia escrito antes por Telegram que os médicos suspeitavam que seu cliente teve as costelas quebradas, contusões e traumatismo craniano.

De acordo com seus seguidores, a acusação é uma armação para punir suas investigações sobre corrupção nas mais altas esferas políticas.

Chikov, advogado de direitos humanos, exibiu um documento policial que mostra a acusação contra o jornalista por tentativa de vender uma "grande quantidade" de cocaína e de mefedrona. Se for considerado culpado, pode ser condenado a uma dura pena de prisão.

Fonte: Uol


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0