Em sentença publicada nesta quarta-feira (5), a 4ª Vara Cível de Campo Grande julgou parcialmente procedente a ação indenizatória impetrada pela consumidora F.R. da S. contra uma empresa do ramo alimentício.

Em sentença publicada nesta quarta-feira (5), a 4ª Vara Cível de Campo Grande julgou parcialmente procedente a ação indenizatória impetrada pela consumidora F.R. da S. contra uma empresa do ramo alimentício. Na decisão judicial, a fábrica foi condenada por vender alimento inapropriado para consumo, colocando em risco a saúde da requerente. Foi determinado que a empresa indenize a consumidora em R$ 10 mil por danos morais e R$ 4,57 por danos materiais.

O caso

A consumidora comprou uma feijoada enlatada da empresa, no dia 13 de maio de 2013. Ela relata que, inicialmente, não identificou nenhum problema com o produto e a data da validade iria até 24 de outubro de 2015. Visto que não percebeu nenhuma anormalidade, ingeriu o alimento e chamou o seu filho para comer. Ao se deparar com o produto, o menino observou que havia uma barata na feijoada.

Indignada com o ocorrido, a consumidora telefonou para a empresa informando sobre o ocorrido. A fabricante se comprometeu a avaliar o conteúdo da lata e que daria à consumidora uma cesta de produtos para se desculpar pelo erro. No entanto, a empresa não honrou o prometido, o que levou a consumidora impetrar a ação.

A empresa, em defesa, disse que não há provas anexadas ao processo de que o inseto encontrava-se dentro do produto no momento em que foi aberto. Afirmou também que é impossível a existência de um corpo estranho no produto fabricado por eles.

Visão jurídica

A juíza Vânia de Paula Arantes ressaltou que a nota fiscal anexada ao processo comprova que a cliente comprou uma feijoada enlatada, produzida pela empresa em questão, fato que seria indiscutível. A juíza também ponderou que o depoimento da testemunha corrobora o fato de que, no interior do produto, havia uma barata, fazendo com que aquele alimento fosse impróprio para o consumo.

Fonte: TJ-MS


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0