O processo capitalista gerador da luta para o engrandecimento pessoal tem causado diversos conflitos, afastando os indivíduos e os tornando cada vez mais frios. Apenas na tratativa de respeito e compreensão, se obterá a paz.

Atualmente vivenciamos uma constante competitividade, onde diariamente presenciamos pessoas que buscam se alavancar profissionalmente ou pessoalmente, porém, na maioria das vezes, não pela satisfação própria e sim pelo reconhecimento próprio diante de uma sociedade vaidosa, que, segundo grandes autores como Dardot e Laval, é uma característica típica do capitalismo.

Neste ambiente, é comum presenciar indivíduos que se repelem por conflitos de interesses, indivíduos que buscam obstruir a carreira de outrem na tentativa de criar para si novas oportunidades e diminuir a concorrência, é visível a perca de valores e princípios morais e éticos e, principalmente, impera a falta de respeito com o próximo. Estes fatos tem se tornado mais comum a cada dia, devido ao fato de que a sociedade tem enxergado estes acontecimentos como algo comum e, talvez, até necessário, para que se possa chegar ao destino traçado e almejado.

A cultura de paz vem de encontro às problematizações expostas, objetivando a valorização do ser humano e acreditando que cada indivíduo possui potencial para resolução de seus próprios conflitos além da capacidade de estabelecer relações saudáveis e harmoniosas dentro de um determinado grupo social e da própria sociedade. Porém, para que isto ocorra, há a necessidade da instituição dos valores, até então, escassos, de humanização.

Estes valores dizem respeito a aceitação do próximo, mesmo possuindo suas diferenças culturais e de ideais que levam os seres a possuírem ideias distintas, fazendo que cada se venha a compreender a perspectiva do outro, mesmo que não a aceite, porém, a respeite, sem juízo de valor ou busca de interesses próprios. John Paul Lederach expressa que, para haver paz, não basta a ausência de violência, mas se faz necessário a presença da interação e interrelação positiva e dinâmica, se pautando no apoio mútuo, na confiança, na reciprocidade e na cooperação.

Para se alcançar a paz, é necessário que os indivíduos se conscientizem das benéficas da tolerância e da compreensão, que se torna um árduo trabalho frente a formatação vivenciada pela sociedade atual, como já citado acima. A inclusão destas ideias deve ser estendida à todas as idades e classes, mas principalmente, fortalecendo as raízes na educação básica visando a adequação das relações básicas.

            A paz é fruto do reconhecimento do ser como detentor de direitos específicos e que condizem com as suas vontades e necessidades particularizadas, havendo, conforme tal, posicionamentos e pontos específicos de deslumbre para cada fato.

            Compreendendo cada um com sua particularidade e seguindo a politica de humanização das relações, buscando a partir dela que se tenham relações harmoniosas, encontrar-se-á moral, ética, valores e respeito. Desta, se viverá em paz.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0