...servidores públicos federais ocupantes do cargo de técnico do seguro social que exercia atribuições do cargo de analista do seguro social

Com este entendimento a Segunda Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) negou provimento ao recurso de apelação do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) contra a sentença, da 2ª Vara Federal da Subseção Judiciária de Feira de Santana/BA, que condenou a autarquia a pagar a servidores públicos federais ocupantes do cargo de técnico do seguro social diferenças remuneratórias do exercício de atribuições do cargo de analista do seguro social.

Conforme informações constantes nos autos do processo abaixo indicado, o INSS argumentou em sua peça recursal, “ausência de amparo normativo para o reconhecimento do desvio funcional”. (grifo nosso)

Veja como dominar Cálculos Previdenciários e Faturar até 2 vezes mais AQUI! 

Ascensão funcional

O ente público sustentou ainda que, “(...) com a percepção de quaisquer valores referentes ao exercício do cargo pleiteado, as partes autoras obterão, na prática, o reconhecimento da ascensão funcional no período de exercício das funções alegadas”. (grifei)

Leia tambémConheça o método prático para alcançar honorários extraordinários e estabilidade financeira na advocacia AQUI!

Entenda o caso

O pano de fundo da controvérsia, cingiu-se sobre pagamento retroativo da diferença salarial decorrente de desvio de função, dos servidores públicos federais ocupantes do cargo de técnico do seguro social que exercia (segundo a decisão) atribuições do cargo de analista do seguro social. [Para saber mais sobre os dois cargos acesse AQUI]

Consta no processo, a afirmação de testemunhas de que “(...) não existia divisão de trabalho com base no cargo desempenhado (...),” asseverando que todos os servidores desempenhavam o mesmo serviço, fossem técnicos ou analistas.

Relator do processo

A relatoria do caso ficou a cargo do desembargador federal João Luiz de Sousa, o qual destacou que “foi comprovado o desvio de função dos autores”, porque relatórios de auditoria de benefícios juntados aos autos evidenciam que os autores analisavam requerimentos de benefícios previdenciários, concluindo pela concessão ou indeferimento de pedidos, função exclusiva do cargo de analista do seguro social. “O desvio de função restou caracterizado, sendo, portanto, cabível o pagamento relativo às diferenças remuneratórias nos termos estabelecidos na sentença sob pena de enriquecimento sem causa da Administração”, reiterou o magistrado.

Processo: 0005591-08.2010.4.01.3304/BA

Para ler mais publicações do autor acesse: www.professorvalterdossantos.com


Autor

  • Valter dos Santos

    Valter dos Santos, é Bacharel em Direito pela Universidade Paulista - UNIP; devidamente aprovado do XXII Exame de Ordem (OAB); Graduado em Processos Gerenciais pela Universidade Cidade de São Paulo; É Master in Business Administration (MBA) - Gestão em Estratégica Empresarial; Possui Curso Superior de Técnico de Polícia Ostensiva e Preservação da Ordem Pública, ministrado na Escola Superior de Soldados (ESSd) da PMESP, é Técnico Em Transações Imobiliárias. Foi Policial Militar e funcionário público por mais de 10 anos, além de haver sido aprovado em diversos concursos públicos. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/4636518317304546 - Criador do maior canal de Direitos Sociais no YouTube, confira: www.youtube.com/valterdossantosprofessor e do blog https://www.professorvalterdossantos.com

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0