A SDI-1 do TST, subseção especializada em dissídios individuais, reconheceu que o MPT – Ministério Público do Trabalho possui legitimidade para ingressar com ACP (ação civil pública) com base em infrações trabalhistas referentes a apenas uma trabalhadora.

A SDI-1 do TST, subseção especializada em dissídios individuais, reconheceu que o MPT – Ministério Público do Trabalho possui legitimidade para ingressar com ACP (ação civil pública) com base em infrações trabalhistas referentes a apenas uma trabalhadora.

A decisão decorreu do entendimento de que, se fosse exigida a individualização de todos os trabalhadores afetados, restaria inviabilizada o ajuizamento da ação para proteger os direitos dos trabalhadores.

A Ação Civil Pública

O MPT (Ministério Público do Trabalho) ajuizou Ação Civil Pública com base no resultado de uma fiscalização dos órgãos de proteção do trabalho.

Em diligência fiscalizatório realizada pela SRTE/SP – Superintendência Regional do Trabalho e Emprego de São Paulo, realizada em 2011, restou constatado que a “Sociedade Unificada Paulista de Ensino Renovado Objetivo – SUPERO”, teria cometido uma série de irregularidades trabalhistas, tais como:

  • prorrogação excessiva de jornada de trabalho
  • redução indevida de intervalo intrajornada
  • ausência de concessão de intervalos intrajornada

Com base em tais irregularidades, o órgão autuou o estabelecimento, com a lavratura de 3 autos de infração.

Com base nas irregularidades apuradas, o Ministério Público do Trabalho ingressou com a ação civil pública na Justiça do Trabalho, com a finalidade de coibir tais condutas irregulares.

Decisão do TRT

Ao analisar o caso, o Tribunal Regional do Trabalho da 2.ª Região (TRT-SP) considerou que a carência de legitimidade do MPT neste caso.

O TRT entendeu que a legitimidade do Ministério Público do Trabalho dependeria que da demonstração da necessidade de tratamento conjunto das irregularidades inerentes a um número razoável de trabalhadores. Porém, no caso em tela, tratava-se apenas de 3 autos de infração referentes apenas a uma trabalhadora.

Recurso de Revista

Contra tal entendimento foi interposto recurso de revista, julgado pela 2.ª Turma do TST, a qual reconheceu a legitimidade do Ministério Público do Trabalho, determinando assim o retorno dos autos ao Tribunal Regional do Trabalho para prosseguimento do julgamento.

Embargos no TST

Diante de tal decisão, a reclamada opôs embargos ao TST, distribuído ao órgão responsável para a uniformização da jurisprudência do Tribunal, qual seja: SDI-1 (subseção 1 especializada em dissídios individuais).

A SDI-1, por maioria de votos, negou provimento aos embargos, entendendo pela legitimidade do MPT para ajuizar a ação civil pública no caso em comento.

Notícia referente ao E-RR-2713-60.2011.5.02.0040

Notícia reproduzida pelo Instituto de Direito Real

Usamos como fonte de informação apenas dados oficiais, obtidos mediante pesquisas realizadas diretamente nos sites institucionais dos próprios dos tribunais: STJ (www.stj.jus.br); STF (www.stf.jus.br); TST (www.tst.jus.br).



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0