Como consequência, teve regularizado seu registro de frequência, com a condenação do estado no ressarcimento dos descontos realizados devido a não concessão das licenças.

 Ao analisar, a questão o  magistrado deu razão à servidora. Vejamos:

Trata -se de pedido de servidora pública estadual que precisou afastar-se de suas atividades de 11/7/2017 a 18/12/2017, por razões médicas. O Departamento de Perícias Médicas do Estado lhe negou o período de afastamento, com registro em sua frequência e descontos em seus vencimentos. Pleiteia a anulação do ato que indeferiu sua licença para tratamento de saúde e, como consequência, seja regularizado seu registro de frequência, com a condenação da ré no pagamento dos vencimentos correspondentes ao período regularizado.

A advogada do caso Dra. Cristiana Marques salientou no pedido que o Estado deve assegurar ao servidor, enquanto estiver doente, o licenciamento para tratamento de saúde, cujo dever decorre do direito à previdência social previsto no artigo 6º da CF/88: “São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.”

A prova pericial médica concluiu que “não há como avaliar agora as condições físicas e laborativas na época do evento, já que a doença evolui em surtos de crises e acalmias, somente podendo comprovar que o autor havia sido submetido à nova cirurgia de neurotomia seletiva do trigêmeo na data de 10/11/2017, o que por si só indicaria afastamento do trabalho para recuperação pós operatória”.

Assim, muito embora não tenha afirmado categoricamente que a autora não detinha capacidade laborativa no período indicado na inicial, o perito considerou que a realização de cirurgia no nervo trigêmeo justificaria o afastamento para recuperação pós-operatória.

E ainda, considerando que a intervenção cirúrgica ocorreu em 10/11/2017, e que foram negados períodos de afastamento desde 11/7/2017 até 18/12/2017, com relação aos períodos não ponderados na conclusão do perito (anteriores à cirurgia), tenho que a autora também não reunia condições para o trabalho.

Ante o exposto, JULGO PROCEDENTE a ação para anular os atos administrativos que indeferiram as licenças médicas pleiteadas pela autora nos períodos de 11/7/2017 a 18/12/2017, regularizando-se a sua vida funcional para todos os efeitos e condeno a ré a restituir as importâncias descontadas de seus vencimentos, conforme a fundamentação desta sentença e com os acréscimos discriminados. Pagará a vencida as custas processuais e os honorários advocatícios da parte contrária, conforme for apurado na liquidação da sentença.

O processo tramita perante a 3ª Vara de Fazenda Pública do TJ/SP.

Processo: 1061795-35.2017.8.26.0053

CRISTIANA MARQUES ADVOCACIA


Autor

  • Cristiana Marques Advocacia

    ADVOGADA ESPECIALISTA EM DIREITO ADMINISTRATIVO - DO CONCURSO A APOSENTADORIA Advogada Especialista em Direito Administrativo e Público – CONCURSO PÚBLICO (nomeação, posse, reprovação, estágio probatório) & SERVIDOR PÚBLICO (aposentadoria, licenças, transferências, PAD) . Atua no atendimento a pessoas físicas e jurídicas, o cliente será atendido desde a entrevista até a decisão final pela advogada. Mantendo – se assim a confiança entre advogado e cliente. Prestamos acompanhamento jurídico diário aos nossos clientes. A Experiência faz toda diferença! Advogada especialista em clientes exigentes que sabem dar valor ao direito que têm.

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0