A prática da Telemedicina possibilita consultas à distância, além de uma série de benefícios, tanto ao paciente, quanto aos profissionais de saúde. No entanto, uma série de critérios e regulamentações devem ser respeitadas.

Com os avanços tecnológicos no país, é comum que novas práticas de atendimento médico surjam no mercado. Apesar da telemedicina não ser um assunto tão recente no país, novos meios de atendimento médico vêm surgindo a cada dia.

Tendo suas primeiras menções no país por volta do final da década de 80, a telemedicina surgiu junto ao início da era digital. Devido às diferentes características sociais e econômicas existentes no Brasil, a evolução da telemedicina não foi a mesma em todas as regiões e até hoje enfrenta dificuldades. Afinal, o que é telemedicina? 


O que é Telemedicina? 

A telemedicina nada mais é do que o uso de tecnologias da informação como um importante fator para a interação dos profissionais da saúde, pacientes e procedimentos médicos. Por meio da telecomunicação, a transmissão de informações médicas fica mais fácil de ser feita de um especialista para outro.  

Criado como um novo modelo de assistência médica, a telemedicina não se resume apenas ao atendimento médico a distância. O conceito dessa modalidade é muito mais abrangente, possibilitando inúmeros benefícios para a medicina. 

Por exemplo, o número de médicos disponíveis para atendimento em regiões rurais é muito menor do que a demanda existente nessas regiões. Com a possibilidade de consultas a distância é possível que pacientes consigam realizar consultas com maior agilidade, quando, em muitas das vezes, o paciente ficaria na fila de espera do Sistema Único de Saúde - SUS  por meses. 

No entanto, é claro que nem todos os casos estão aptos a serem atendidos a distância, a avaliação médica presencial é indispensável dependendo da gravidade do problema de saúde apresentado pelo paciente. Além, da regulamentação brasileira não permitir a prescrição de medicamentos controlados em consultas online. 

No início de 2019, o Conselho Federal de Medicina emitiu uma nova resolução, definindo novas regras à telemedicina no país, no entanto, a resolução foi revogada e a prática voltou a ser regulamentada pela resolução CFM nº 1.643/ 2002. De acordo com a resolução em vigor, a prática só pode ser usada para assistência, educação e pesquisa em saúde.


Benefícios da Telemedicina 

A prática possibilita uma série de benefícios, tanto ao paciente quanto aos profissionais de saúde. E cada vez mais, com os avanços da tecnologia da informação, a telemedicina tende a se expandir e se aprimorar. 

A vantagem mais conhecida da telemedicina são as consultas online, que proporcionam mais agilidade e conforto ao paciente. Alguns convênios médicos, como a SulAmérica Saúde, oferecem essa modalidade de atendimento médico incluso nos seus serviços e assistência médica especializada a um público-alvo, por exemplo, atendimento por vídeo chamada direcionada somente às mães e seus filhos. 

Outro benefício da telemedicina é a transmissão de informações entre profissionais, que possibilitam estudos e discussões sobre casos médicos, mesmo que estejam a quilômetros de distância. 

A análise e leitura de exames também é uma realidade dentro da telemedicina, por exemplo, o paciente pode realizar exames em um laboratório em determinado dia e quando estiverem prontos os resultados serão enviados de maneira virtual para o médico que solicitou os exames. A avaliação dos resultados ainda pode ocorrer em tempo real em alguns casos. 

A telemedicina ainda pode estar presente dentro do acompanhamento médico que, mesmo de longe, consegue avaliar a melhora dos seus pacientes, sem que haja a necessidade de deslocamento desse paciente até o hospital. Essa é uma das medidas que podem evitar o surgimento de infecções hospitalares.

Atualmente, é possível que aparelhos acoplados ao corpo de pacientes enviem dados instantâneos ao médico especialista. Garantindo, dessa forma, uma supervisão 24 horas e a distância. 

Por último, outra grande inovação da telemedicina são as cirurgias robóticas, quando realizadas a distância, elas possibilitam que o médico cirurgião realize o procedimento médico mesmo estando em outro Estado, ou até mesmo em outro país. 


Telemedicina no Brasil 

Uma das instituições referência em telemedicina no país é o Hospital Israelita Albert Einstein, localizado na zona sul paulista. O hospital conta com mais de 60 anos de experiência e hoje é considerado um dos melhores hospitais da América Latina.

A telemedicina foi implementada no Hospital Israelita Albert Einstein por meio de programas de assistência médica a distância, com suporte para tratamentos crônicos, cuidados com o bebê, educação alimentar e opinião especializada. O atendimento médico a distância  funciona 24 horas, todos os dias da semana.  

Atualmente o Departamento de Telemedicina da USP oferece graduação, pós-graduação e especializações apenas voltadas para essa área. Além de disponibilizar digitalmente pesquisas relacionadas à telemedicina. 

Essa é uma área que vem sendo explorada cada vez mais dentro da medicina brasileira, inclusive no Sistema Único de Saúde - SUS, por meio do programa Telessaúde, que oferece a população o sistema de teleconsultoria, com profissionais da área de saúde aptos a esclarecer dúvidas e fazer recomendações médicas por telefone. 

O programa Telessaúde ainda oferece avaliação de exames à distância, que facilita o acesso por profissionais em qualquer região do país. Outro diferencial do programa é o telemonitoramento que consiste na coleta de dados clínicos por meio de um sistema eletrônico. 

Dentro do programa ainda estão presentes a telerregulação, que visa garantir a atenção primária em saúde, e por fim, a teleducação, que disponibiliza informações de saúde para a população. Com esse programa de saúde online fica muito mais fácil acessar o prontuário médico de cada paciente, em qualquer lugar, além de economizar milhões com a emissão de prontuários e exames físicos.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0