Operadora de planos de saúde é reconhecida como empresa amiga do consumidor pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo

Com certeza você já ouviu falar da Amil, a empresa foi fundada em 1978 no estado do Rio de Janeiro e atualmente é a maior operadora de planos de saúde do país, com 6,2 milhões de beneficiários em toda a sua rede de assistência médica e odontológica.  

A Amil oferece seus serviços em todo território nacional e disponibiliza planos de saúde tanto para pessoas físicas quanto para jurídicas, no entanto, um dos principais fatores que tornaram a empresa tão popular são os seus planos de baixo custo.  

Com tantos clientes é comum que a empresa passe por conflitos judiciais, mas a operadora de planos de saúde tem se mostrado empenhada em resolver esses problemas, por isso, em novembro de 2019 o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo concedeu à empresa o “Selo Empresa Amiga da Justiça de 2019”. 

Também neste ano, a empresa fechou um acordo de cooperação junto a Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge) e o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Com isso, a Amil se tornou a primeira operadora a fazer parte da nova instalação do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (CEJUSC), que visa atuar em questões de conflitos relacionados à saúde privada. As sessões de conciliação entre operadoras e clientes irão ocorrer no 2º andar do Fórum João Mendes, localizado na capital paulista. 

No entanto, o reconhecimento da Amil como Empresa Parceira não é recente, em 2017 a empresa recebeu o Selo de Qualidade do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) e também recebeu o selo Ouro, do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR). 

O que é Conciliação Judicial?

Provavelmente você já tenha ouvido falar sobre acordos judiciais, as sessões de conciliação visam praticamente isso, conceber soluções favoráveis para ambas as partes, a empresa e o consumidor. 

Essa é uma maneira eficaz para resolver problemas mais simples sem ter que submeter os envolvidos a um longo processo judicial. As audiências sempre ocorrem com a presença de um conciliador, que irá conduzir a sessão de maneira imparcial, ou seja, visando a satisfação de todos.

Alguns processos podem se estender por anos e gerar altos custos processuais tanto para quem abriu a ação judicial quanto para o processado, o que pode acabar desgastando ainda mais a relação entre empresa e cliente. 

Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o número de ações judiciais relacionadas a área da saúde aumentou 130% entre o ano de 2008 e 2017. Entretanto, antes de acionar a justiça o consumidor também pode recorrer a outros órgãos reguladores como, por exemplo, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Por ser uma agência reguladora de planos de saúde em todo Brasil, a ANS pode e deve ser acionada quando a operadora do seu plano não estiver cumprindo as regras impostas a ela pela regulamentadora. Dessa forma, a agência também atua como conciliadora de conflitos entre os clientes e as operadoras de planos de saúde.  

O que faz um Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania?

Um dos maiores problemas do Brasil, em especial para o Poder Judiciário, são os processos de longa duração. Pelo fato de algumas ações processuais se “arrastarem” por anos, isso acaba gerando na população uma grande insatisfação e desacreditamento na justiça brasileira.  

Por conta disso, como meio de agilizar e até mesmo evitar alguns processos judiciais, o Conselho Nacional de Justiça, por meio da Resolução nº 125/2010, definiu a criação de órgãos voltados para a conciliação de conflitos judiciais.

Segundo o Artigo 8º da Resolução nº 125:  “Para atender aos Juízos, Juizados ou Varas com competência nas áreas cível, fazendária, previdenciária, de família ou dos Juizados Especiais Cíveis e Fazendários, os Tribunais deverão criar os Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania (“Centros”), unidades do Poder Judiciário, preferencialmente, responsáveis pela realização das sessões e audiências de conciliação e mediação que estejam a cargo de conciliadores e mediadores, bem como pelo atendimento e orientação ao cidadão.” 

Esses centros oferecem serviços gratuitos para a população e tem como objetivo orientar e mediar sessões de conciliação, para casos como brigas entre vizinhos, cobranças indevidas, problemas com empresas contratadas e muitos outros. 

Dessa forma, com a conciliação judicial, muitos processos judiciais são evitados e ambas as partes saem ganhando. 

 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0