HOMEM APÓS TOMAR 18 INJEÇÕES LETAIS NÃO MORRE Leia a notícia abaixo,e comentem o que faria com esse homem. Tentava ,novamente,choque letal? Prisão perpétua? Direito a liberdade,por falha na aplicação da lei,tendo em vista a pena ter sido aplicada?

Leia a notícia abaixo,e comentem o que faria com esse homem. Tentava ,novamente,choque letal? Prisão perpétua? Direito a liberdade,por falha na aplicação da lei,tendo em vista a pena ter sido aplicada,mas,não houve êxito nas injeções? Fuzilamento? Por mais estranho que pareça,daria a liberdade ao indivíduo,pois o mesmo não teve culpa da falha do estado,na aplicação das injeções,o indivíduo teve a pena aplicada,18 vezes,mas,não se obteve a morte,por razões inexplicáveis aos olhos humanos,portanto,aplicando-se o direito, concederia a liberdade a essa pessoa,vale lembrar que o crime foi em 1984,a quase 28 anos atrás,e o mesmo se diz inocente,atrás das grades,todos esses anos,no brasil,já teria cumprido a pena,a muito tempo,foi utilizando como parâmetro as leis brasileiras,que cheguei a essa conclusão,e ainda por ser contra a pena de morte,penso que quem tem esse poder é somente DEUS,sou contra a lei de talião"olho por olho,dente por dente"

segunda-feira, 19 de outubro de 2009 Condenado não morre após 18 injeções letais Um homem condenado à pena de morte nos Estados Unidos resistiu a aplicação de 18 injeções letais. Ele foi condenado por estuprar e assassinar com sete facadas uma adolescente, após um jogo de futebol americano, em 1984. O homem, que se dizia inocente, seria executado no dia 15 de setembro deste ano. Os funcionários da penitenciária fizeram a primeira tentativa de injetar o coquetel da morte mas tiveram dificuldade para encontrar uma veia. Na ocasião, o prisioneiro ainda ajudou oferecendo o outro braço. Porém, depois de 18 tentativas, o governador mandou adiar a execução. Especialistas dizem que o estado foi incompetente na tentativa de executar uma pena de morte. De acordo com a advogada de defesa, a pena de morte deve ser executada de forma rápida e indolor. Neste caso, acabou se transformando em uma sessão de tortura. Por enquanto ninguém sabe o que fazer com o homem que resistiu à pena de morte. Ele pode ter a pena modificada e enfrentar a prisão perpétua ou até mesmo voltar à câmara de execução.

site jus : marcosrfgadv.jus.com.br fonte : google internet


Autor

  • ADVOGADO MARCOS FERNANDES

    DIREITO CIVIL DIREITO PENAL DIREITO TRABALHISTA DIREITO TRIBUTÁRIO DIREITO CONSUMIDOR E OUTROS. distribuição de processos e recursos eletrônicos em geral , para todos tribunais do brasil. recursos para Brasília (STF e STJ).habeas corpus. mandado de segurança. consultoria para empresas e pessoas físicas . orçamento gratuito. danos morais nome negativado sem aviso causas prescritas extinções baixas na justiça levantamento de alvarás desbloqueio contas bloqueadas salário ou poupança até 40 salários habeas corpus mandado de segurança embargos agravos recurso especial ao STJ ou recurso extraordinário ao STF RECURSOS NO TST ( TRABALHISTA ) CÁLCULOS TRABALHISTAS cíveis e outros TENTATIVA DE ACORDO EXTRAJUDICIAL .recursos ao detrans de todos os estados do brasil recusa bafômetro CNH SUSPENSÃO DIREITOS 20 pontos multas formado pela u.v.a em 1999. mais de 22 Anos de Militância e experiência comprovada. ZAP ou TELEGRAM 21 972883642 EMAIL :[email protected] INSS RECURSOS NA JUSTIÇA CEF BB TELEFONIA AGUA TV INTERNET CABO LIGHT AMPLA OI TIM VIVO CLARO NEXTEL OU Consulta ou orientação jurídica ORÇAMENTO GRATUTO CONTATE PARA MAIORES INFORMAÇÕES ADVOGADO MARCOS FERNANDES

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso