A Declaração de Direitos de Liberdade Econômica determina "o reconhecimento da vulnerabilidade do particular perante o Estado" como princípio básico nas relações entre o cidadão e o governo foi aplicada ao eSocial

O eSocial da liberdade econômica A partir de 2018 as empresas brasileiras e órgãos públicos começaram a aplicar as regras do eSocial, um sistema que foi criado com grande abrangência e complexidade que passou a gerar uma grande preocupação acompanhada de elevados custos em treinamento e investimento tecnológico. O eSocial que é o Sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas foi criado em 2014 para unificar as informações da Secretaria da Receita Federal do Brasil – RFB, Caixa Econômica Federal – CEF, Instituto Nacional do Seguro Social – INSS e Ministério do Trabalho – MTB. Em seu início o eSocial foi concebido como uma ferramenta tecnológica de robusta coleta de informações que interessavam ao governo, implicando elevado custo para os empresários e demais usuários, uma vez que era composto por 45 eventos, 26 tabelas auxiliares, 2.736 campos e 155 rubricas. (https://www.eflow.com.br/antes-e-depois-do-esocial/) A LEI Nº 13.874, DE 20 DE SETEMBRO DE 2019, que institui a Declaração de Direitos de Liberdade Econômica e estabelece garantias de livre mercado, e, entre outras coisas, determinou "o reconhecimento da vulnerabilidade do particular perante o Estado" como princípio básico nas relações entre o cidadão e o governo, e, nesse sentido, houve a necessidade de remodelação do eSocial. O Secretário Especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, anunciou na tarde da terça-feira, dia 9, que o eSocial será substituído por dois sistemas a partir de janeiro/2020. Com base na premissa de proteger a parte mais fraca na relação do Poder Público com a iniciativa privada desburocratizou-se os procedimentos por meio da simplificação das tabelas, redução de campos e padronização das rubricas da escrituração contábil digital do eSocial. Por exemplo, agora há uma tabela padrão de rubricas contábeis, sem a necessidade de cadastramento de rubricas próprias, foram eliminadas tabelas de cargos, funções e horários, foi estabelecida a desnecessidade de cadastramento de processos judiciais para matérias não relacionadas a tributos/FGTS, bem como serão excluídos os campos opcionais, como números de documentos pessoais, pois traziam dúvidas para os empregadores. As premissas do sistema são as seguintes: Foco na desburocratização: substituição das obrigações acessórias Não solicitação de dados já conhecidos Eliminação de pontos de complexidade Modernização e simplificação do sistema Integridade e continuidade da informação Respeito pelo investimento feito por empresas e profissionais As mudanças passarão a vigorar a partir de janeiro/2020, cujas alteração estão em andamento, mas diversas informações hoje obrigatórias serão tornadas facultativas e diversos campos serão eliminados. Na prática, os empregadores poderão, desde logo, deixar de prestar tais informações consideradas dispensáveis. O eSocial está ativo e é obrigatório, pois continua em vigor todos os prazos vigentes para o envio das informações. Apenas novos dados, novas fases, não serão solicitados até a mudança para o novo sistema. Uma das novidades é que a GIFP que será substituída pelo DCTFWeb, os dados do eSocial serão a base para concessão de benefícios previdenciários pelo INSS e Seguro Desemprego, associado à Carteira de Trabalho Digital. Tudo o que está sendo informado ao eSocial servirá para a substituição de obrigações acessórias. Mas, para que isso possa ocorrer, é fundamental que o sistema seja continuamente alimentado. Para o MEI - Microempreendedor Individual, a Microempresa e a Empresa de Pequeno Porte, além do Segurado Especial, o tratamento é diferenciado. Eles poderão utilizar o ambiente web simplificado (já disponível para o MEI e o Segurado Especial), nos mesmos moldes do web doméstico, para prestar suas informações. O empregador doméstico deve continuar a prestar as informações dos seus empregados, além de fechar as folhas de pagamento e gerar as guias de pagamento (DAE). Estão em desenvolvimento e serão apresentadas em breve novas ferramentas para facilitar ainda mais a vida do empregador. (http://portal.esocial.gov.br/noticias/novo-esocial-o-que-muda)

Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso