Funcionário que laborava sem vínculo empregatício foi desligado de frigorífico durante quadro de ansiedade e depressão

Em sentença recente, a 1a Vara do Trabalho de Barra Mansa condenou uma empresa do ramo frigorífico pela dispensa do autor, um representante comercial enquanto o mesmo apresentava quadro de depressão e ansiedade.

A Juíza, Dra. Adriana Maria dos Remedios Branco de Moraes entendeu que mesmo trabalhando de forma remota (home office), possuindo contrato de representação comercial sem vínculo empregatício e sendo titular de pessoa jurídica, a natureza dos serviços que prestava era continua pois, segundo a magistrada, sua representatividade era frequente – com liberdade, mas diária.

A ação demorou cinco anos para ser julgada e vem sendo patrocinada desde o ano de 2014 pelo escritório RCB ADVOGADOS através da sócia responsável pela banca trabalhista, Dra. Vanessa de Oliveira Pereira. Ainda cabe recurso pela demandada.

Segundo a advogada responsável pelo processo, Dra. Vanessa, a sentença representa um importante precedente para toda a categoria de Representantes Comerciais que muitas das vezes são verdadeiros empregados e trabalham com jornadas diárias de até 18 horas e, se não batem as metas impostas, sequer salário recebem. 

O coordenador geral do escritório, Dr. Raphael Cajazeira Brum parabenizou a colega pela brilhante atuação mas lamentou que neste caso em específico, os desmandos da empresa e a forma nociva com que a relação de trabalho se desenvolveu, levaram o cliente a um quadro de depressão e ansiedade. Também ponderou que trata-se de uma grande vitória para a classe.

Processo RT 0000757-50/2014.5.01.0551


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0